Segunda-feira, 13 de Abril de 2015

DIAS E DIAS

Claude Théberge .jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Claude Théberge

 

 

“Há Dias assim, as nuvens da manhã lan­çam lágri­mas aos olhos, e mais tarde aque­ces o corpo na varanda. As melo­dias soam longe, como se de outro mundo fos­sem, e são, mara­vi­lho­sa­mente aber­tas de um azul pro­fundo como o mar mais solto.

 

 

 

Há dias que o teu amor é só memó­ria, é só tempo, sem ser agora, mas dias em que tudo se esconde sobre a som­bra da luz da tarde, o ar que cheira a maçãs ver­des, a água parada e o tojo queimado.

 

 

 

Há dias assim, mas não são todos, entre os tron­cos lisos dos chou­pos, o mar lá atrás sor­rindo em ondas bran­cas de barba, as revo­lu­ções esque­ci­das, desinteressadamente.

 

 

 

Há dias que não exis­tem por­que são cópias de outros pas­sa­dos, os mes­mos ges­tos, o mesmo tocar, o amor repe­tido como se fosse cas­sete de música — põe lá outra vez.

 

 

 

Há dias assim que só exis­tem uma vez e nunca mais. Dias de um calor sufo­cante sobre a cidade silen­ci­osa e coberta de uma luz ver­ti­cal, dou­rada, branca, o medi­ter­râ­neo per­dido na poeira levantada.

 

 

 

Há dias que ante­ci­pam outros dias, e dias que subs­ti­tuem outros dias, mais velhos, expe­ri­en­tes do olhar do tempo, soli­tá­rios e supe­ri­o­res por terem já sido.

 

 

 

Há dias que “se me con­ta­res toda a tua dor eu nunca mais irei sorrir”.* (…)”

 

 

Nota – Texto de Bernardo Vaz Pinto aqui.

 

 

CAFÉ DA MANHà

 

 

 

publicado por Maria Brojo às 10:25
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Sábado, 9 de Novembro de 2013

DUAS NOTAS NUM SAMBA SÓ

 

   

Claude Théberge – City Just                       Autor que não foi possível identificar - Desserts      Peter Ferguson

 

1ª – Chego-me ao balcão da pastelaria. Um homem, companheira ao lado, fazia encomenda de bolo de aniversário. No momento da escolha dos dizeres precisos, não hesita: _ “Quero-te sempre nua”. Olhos baixos na parceira silenciosa. Foi atendido e saiu. Ela atrás. No entretanto, mudas as gentes que no balcão esperavam vez.

 

Após o acontecido, o inevitável sururu. As funcionárias comentavam à socapa o insólito pedido. Os clientes riam e soltaram a língua. Uns ficaram pelo gargalhar discreto, outros dividiam opiniões: que sim, que fora de homem valente, que não, que embaraçara inutilmente a futura aniversariante, que a privacidade não se expõe com tamanho descaro. E eu nem que sim nem que não. Cogitava para os botões que não tinha: alguns homens desta sociedade arco-íris progrediram na espontaneidade de transmissão do que lhes vai na alma, ou, em alternativa, exponenciam o tradicional espírito marialva. Qual das duas razões?

 

2ª – Os colégios particulares continuam a liderar os rankings dos estabelecimentos de ensino com mais sucesso traduzido em todos os níveis dos exames nacionais. Nem admira: os pais são motivados a elevada participação na vida escolar dos respetivos infantes, os recursos familiares permitem complementar aprendizagens, o ensino vai além dos currículos ao abrangerem áreas como a responsabilidade, a disciplina, a saudável competição do aluno com ele mesmo. Nestas vertentes, as atividades extracurriculares em diminuta ou inexistente oferta nos estabelecimentos públicos pelo afogo económico completam a formação das áreas pedagógicas tradicionais. Por outro lado, os altos valores das mensalidades pagos nos colégios privados são a fonte dos meios que legitimam maior qualidade no ensino global. Os pais, normalmente com elevado estatuto social, procuram justificar o investimento na educação dos filhos ou por valores próprios ou pela informação majorada.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:02
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Terça-feira, 8 de Janeiro de 2013

SÍTIO MAL FREQUENTADO

 

Claude Théberge

 

Uma das pérolas nas cidades beirãs. Arquitetura digna, nos detalhes, granito como cumpre, museus e igrejas de espanto, comércio vivo, zonas pedonais a servirem-no, gastronomia de excelência – não referir a catedral de seu nome “Cortiço” seria pecado sem remissão. Nas ruas estreitas, afadigam-se gentes laboriosas – injustiça é seguir o preconceito de apenas na região que cerca o Porto, nele também, existe empenho no trabalho a envergonhar o resto de Portugal. Viseu desmente com pundonor.

 

Da «mouraria» para cima onde o Tejo, já em correria para o mar, é fronteira, excetuando algumas urbes industriais cujo trabalho escravo fez história de revolta, predominam almas conservadoras até ao tutano. Apegadas à fé. Às tradições. Ao bem ser e melhor parecer. À vigilância social.

 

Dados os pressupostos, configurar franchising do “Bairro Vermelho” de Amsterdão localizado em ruela de Viseu é anacronismo que jamais os habitantes configurariam em pesadelos do piorio. Mas a necessidade é muita, o negócio do sexo deve estar em baixa como todos devido à penúria que por aqui vai e surge espécie menor de Red Light District. Diferenças substantivas neste comércio viseense se comparado com o original: janelas em vez de montras bordejando a rua, vendedoras limitadas, por isto, a exibir seios desnudos ou emoldurados em lingerie chamativa. Salvo arriscarem escadote, da cintura para baixo, nada é vislumbrado pelos passantes e pelos candidatos à subida das escadas. Adivinhação pura do encoberto, o que tanto faz aos precisados ou viciados ou curiosos. Para todos estes é bênção substituir revistas e canais óticos atrevidos por espetáculo privado com cheiro, cores e palpações e o mais que aqui não cabe mencionar.

 

Indignam-se mulheres - «esposas» ou não – pela concorrência desleal e pela insegurança de circular na rua dos mil olhos e ilusões. Com os maridos, igual, porque atentados ao pudor na forma de convites a esmo às respetivas é ofensa e perigo. Será que a edilidade avança com proibição ou ativa o fisco para do pseudo franchising retirar valias?

 

É sensato aceitar não ser Portugal um país, mas, pelos poderes instituídos, sítio mal frequentado.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Shirley Bassey e David Bowie comemoram hoje aniversários.

 

publicado por Maria Brojo às 11:02
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Domingo, 11 de Março de 2012

CHAPÉUS HÁ MUITOS!

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:54
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 22 de Março de 2011

GATO PEIXE, ESPINAFRES E MAIS

Claude Théberge e autor que não foi possível identificar

 

São falados os espinafres e leite japoneses contaminados pela radioactividade emanada da central Fukushima Dai-ichi. Em período de alertas, outros surgem via e-mail. Dentre eles, seleccionei o do 'peixe-gato'. Verdade? Mentira? A verdade da mentira?

 

'Peixe gato' ou panga: dizem-no prova danosa da globalização. A preço acessível, consumido predominantemente sob a forma de filetes, resulta de cultura intensiva no Vietname, mais precisamente no delta do rio Mekong. Ora, acontece que os pangas dali estão infestados com elevados níveis de venenos industriais e bactérias por ser o rio um dos mais poluídos do planeta.

 

Pouco há de natural nestes pangas: são alimentados com peixes mortos, restos de ossos das secas, tudo sob a forma de farinha; o oposto da alimentação num ambiente natural. Semelhante ao método alimentar 'vacas loucas´, a dieta dos pangas está desregulada - crescem quatro vezes mais rapidamente do que na natureza. Injectadas com hormonas femininas derivadas de desidratado de urina de mulheres grávidas, as fêmeas pangas produzem ovos em grande quantidade (uma panga, de uma só vez, gera aproximadamente 500.000). De modo linear, são peixes acelerados no crescimento e reprodução através de químicos produzidos por uma empresa farmacêutica na China. Ao comprar pangas, comércio agora aceite pelas nossas grandes superfícies, aumentamos lucros de empresas gigantes, sem escrúpulos e gananciosas. Nestas, é inexistente preocupação com a saúde e o bem-estar dos humanos.

 

"Devido à prodigiosa quantidade de pangas, irão acabar noutros alimentos: surimi, peixe terrines e, provavelmente, nalguns alimentos para animais." Será? Pelo não, pelo sim, fica escrito.

 

Nota: adaptação livre.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 06:17
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (4) | favorito
Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2011

"VAI, SAI DA MINHA VIDA!"

Rob Efferan, Claude Théberge

 

Desanda. Despede-te da noite para o dia. Desaparece e volta daqui a um mês bem contado. Engole as lágrimas miúdas que nem lavam os espíritos, nem os largam. Leva nostalgias minhas sem quê ou porquê, apenas por existires e penetrares insidiosamente onde não és desejado, por deixares cobertos de cinzas os espaços aferrolhados. Invades-me pelas nesgas, fique aberta a organza/cortina. Instalas-te no meu sofá, empardeces cores, sujas a alma assentada e o corpo dela. Se já foste magia em caminhos da cidade, sebastiânico surgir, agora digo: _ Não te quero mais! Leva o que trouxeste, esvai-te ou rasteja para longe daqui até esquecer as semanas desavindas que contigo vivi. Opressivas, escorregadias, viscosas. Engasgas os meus silêncios faladores, obstruis as minhas paixões, esmoreces o luzir dos meus olhos, da boca o sorriso, do sorriso o riso. Quero chuva, quero neve, quero sol. Tu que esborratas onde tomas assento, a ti nevoeiro insistente expulso-te da minha vida. Tenta volver hoje ou amanhã. Ignorar-te-ei. Na tua mancha/gaiola haverá as cores todas da paleta.

 

CAFÉ DA MANHÃ

  

 

publicado por Maria Brojo às 08:29
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (15) | favorito
Sábado, 6 de Fevereiro de 2010

«DESCASAR» & CAS(ÓRI)OS


Claude Théberge
 

Há os que pagam para casar, outros para «descasar». Ruptura carimbada do elo conjugal envolve dinheirão. Parceiros inocentes arriscam litígios a troco de lentilhas, descontadas custas judiciais e pré dos advogados. Se astutos, moldura semelhante caso a contenda persista tendo em fundo parcos ganhos (i)morais. Os inteligentes optam entre uma de duas:
- disputa longa pela rentabilidade e justiça no horizonte;
- estabelecem acordo e poupam tempo, despesas e atrito diferente de força mensurável que mais permite além de avanço seguro na estrada e nos passeios/contornos da arquitectura urbana.
Os pouco espertos litigiam porque sim. Acumulando casmurrice, estão desgraçados os futuros ex-cônjuges e descendentes: garantido sofrimento e potenciados desequilíbrios «pluripessoais».

 

A polícia portuguesa e a espanhola detiveram vinte e dois cúmplices duma rede especializada em «fasts-casórios». Objectivo: evitar que imigrantes acedam ao laço burocrático como pretexto para legalizarem a permanência no país destino. Parece-me mal. Se indivíduos pretendem casar a troco de dinheiro, que o façam. Descontada a exploração ou o logro, antes uniões arranjadas por «entidade» independente, quiçá fontes de improváveis felicidades, do que viver sob o jugo do medo ou penúria. Que fazem as legalizadas empresas casamenteiras - Sarah Jessica Parker é cliente duma - se não o mesmo com o benevolente olhar do fisco? Diferença: ganhos directos para o Estado, ou à sorrelfa do mesmo.

 

Relato da Grace, profissional competente:
_ "Casei pelo dinheiro. Foi arranjo. Guarda-chuva. Precisava dele para educar a minha filha e sobrevivermos dignamente. A Rô tinha cinco anos. O pai, português e grande amor, desandou há dois anos. Nunca mais quis saber dela. Quando o combinado marido veio, tremi. Conversámos. Independentes durante meses: saía cedo, não tinha a chave de casa e entrava quando eu. Nunca sozinho com a miúda. Sobreveio paixão. Estou, estamos felizes. A Rô connosco. Adoptou-o. «Minina» sabe, «né»?"
_ Mais do que nós, minha querida!

 

Permilagem diminuta em casos semelhantes. Mas são.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 09:09
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (9) | favorito
mariabrojo@gmail.com

Recomendo:

Exposição de Artes Plásticas - Conceito

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

últ. comentários

continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)
Como a Noite é Longa!Como a noite é longa! Toda a ...
vc e muito gostosa que ti comer

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds