Sexta-feira, 19 de Junho de 2015

FILHOS ABANDONADOS NA GUERRA COLONIAL

Keith Mallet black-is-black-male.jpg

Keith Mallet black-is-black-female.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Keith Mallet – “Black is Black, male”  Keith Mallet – “Black is Black, female”

 

 

 

“Esta é a história de um furriel português que foi viver para a sanzala e que foi feliz na guerra. E de um filho angolano que sempre viveu incompleto. Afinal, o pai de Jorge existe e foi ao seu encontro.”

 

 

Poderia recontar a história. Sempre incompleta pelos detalhes e fotografias que, omissos, subtraem emoção e veracidade a este testemunho de um ex-combatente no início dos anos setenta em Angola.

 

 

Deixo a ligação. Leitura que recomendo vivamente. A História Portuguesa merece. Os cidadãos que somos também.

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

 

publicado por Maria Brojo às 09:06
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 11 de Abril de 2013

Onde são tratadas memórias da vida e luta operária em cidade têxtil - Gouveia

 

Abel Manta - Fundação Calouste Gulbenkian

 

Num encontro ocasional:

_ Aturas-me para detalhares as lutas dos operários de lanifícios daqui nos anos sessenta e setenta?

_ Quando quiseres; porém, devias conhecer a Maria do Céu, essa, sim protagonista e conhecedora mais profunda.

Quem me respondeu foi a Emília Manta, amiga desde a adolescência.

Como soe afirmar, palavras não eram voadas, surge Maria do Céu Ferreira de Jesus. Foi impressiva a presença – mulher elegante, ponderada, olhos negros reluzindo. Sendo informada de quem eu era e ao que vinha, acordou num encontro a três, pelas cinco da tarde seguinte em casa da Milita, porta à frente da que flanqueia entrada para edifício de granito onde nasceu o tio-avô, o pintor Abel Manta, ícone das artes plásticas nacionais a que Gouveia não regateou tributos como seu filho genial.

 

À hora e dia aprazados, subo os degraus de madeira cheirosa e brilhante pela cera. Logo após, entra a Maria do Céu que tanto me intrigara e, selvaticamente, admirei. Na saleta fresca, decorreu a conversa e, pela ausência de gravador, digitado o ouvido.

“Nasci em Gouveia. Ainda pequena, fui para o “Patronato”, instituição dirigida pela D. Zulmira Bellino, mulher do dono da fábrica de lanifícios “Belina”. Na casa repartida em secções – primeira infância, segunda e jovens adolescentes que não frequentavam a escolaridade/luxo pelos débeis proventos -, eram ensinadas «prendas» femininas da época: limpar, lavar roupa e chão, pô-lo lustroso, bordados, rendas, tricô e outras artes que das meninas fizessem esposas perfeitas e mulheres submissas. Muitas operárias deixavam ali as filhas enquanto labutavam, em pé, oito horas diante das máquinas fabris.

 

Thomas Deitrich

 

Frequentei o “Patronato” até aos dezasseis anos. Também a JOC – Juventude Operária Católica. A origem social de cada membro determinava estar e percurso, e influiu no meu idear social. Em 1963, por vontade minha, candidatei-me a operária da Sociedade Industrial/Amarantes e fui admitida na tecelagem predominantemente masculina. Ambiente de pessoas conscientes da opressão, repressão e exploração que as vitimava. Solidárias, todavia. Dispostas a emperrar, subtilmente, o sistema, existindo colegas injustiçados. Prova houve com o “trabalho por objetivos”: eram premiados aqueles que muito produziam. Falsa questão, constatámos; trabalhar «corte» liso é rápido, um de xadrez demorado. Horas de labor idênticas, produtividade diferente. Sabíamos que na distribuição dos «cortes» eram jogadas simpatias hierárquicas. Como reagir? _ Simples: somados os prémios e divididos de igual maneira por todos. Entendia, vividamente, num lado estar o capital, no outro a força laboral.

 

Escasseando trabalho, o operário laborava seis dias e ganhava quatro. Na “Sociedade Industrial”, era majorada a repressão se comparada com outras unidades fabris. A adesão à EFTA e a guerra colonial aumentaram vertiginosamente as encomendas, mormente pelo fabrico de têxteis destinados ao fardamento das Forças Armadas. Entre sessenta e sete e sessenta e oito, os patrões chamaram trabalhadores da Covilhã de molde, diziam, a satisfazer a produção. Aumentados conflitos, prática comum trabalhar sob chicote, ameaças e castigos – sendo crianças, duplicados pela ausência de «féria» devida ao descanso compulsivo, pelos pais que sentiam no bolso a falta de ajuda para alimentar as bocas da família.”

Maria do Céu prosseguiu o relato. “O Estatuto do Trabalho Nacional em 1933 introduziu mudanças pesadas – os sindicatos deixaram de ser por classe e passaram a corporativos. Em Gouveia, surgiriam em 1939. Direções fantoches nomeadas pelo governo. Através de esbirros sindicais, todo o ocorrido entre operários era comunicado ao patrão.

 

Novidade se interpôs a meio dos sessenta: abertura do turno da noite na Escola Industrial que sublinhou a atávica rivalidade entre Seia e Gouveia por, então, ambas as vilas concorrentes em importância desejarem também neste particular a primazia. Na última, o domínio económico e político repartia-se entre Bellinos e Frades (estes, donos das Amarantes). Em degrau seguinte de importância, a família Leitão, também distinta por incentivar a formação dos operários. Facto é os patrões dos lanifícios em Gouveia selecionarem os funcionários candidatos ao ensino noturno: aos preferidos - ‘bem comportados’ (?) - pagavam custas do bilhete de identidade e propinas. Fui preterida. Não desisti: paguei o necessário do meu bolso e, curiosidade, fui a única que terminou o curso com êxito. A entidade patronal não facilitava a vida dos trabalhadores/estudantes - horário por turnos igual ao de sempre. Valeu-me a mãe que trabalhava na mesma fábrica e fazia as noites enquanto eu libertava tempo para as aulas ao trabalhar apenas de dia.

Ainda na década de sessenta, a maciça emigração essencialmente para França. Os homens partiam, as mulheres ficavam, algumas até o marido conseguir lá fora sustento e abrigo. Aumentou, em consequência, a mão-de-obra feminina e operária, nomeadamente na secção de ‘estambre’ tradicionalmente masculina; razão para serem diminuídos os salários.”

 

A Milita recordou que a vida na fábrica lhe lembrava o filme “O Grande Ditador”. Risível e dramático. Havia saído do Patronato para a “Formação Feminina” na Escola Industrial com equivalência ao quinto ano do liceu. (...)

 

Nota: texto publicado na íntegra aqui.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:21
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Sábado, 20 de Agosto de 2011

MARIA EMÍLIA MANTA E MARIA DO CÉU FERREIRA DE JESUS (I)

Chin H. Shin, Virgil Elliot

 

Faltava o café para terminar mais um almoço na catedral gastronómica de Gouveia, “O Júlio”, assomo ao exterior por instantes pensados breves. Na rua estreita, sem trânsito automóvel, terminada em degraus para quem sobe, esplanada prolonga restaurante e café do mesmo dono e nome, quase em frente um do outro. O dia quente pedia intervalo em que a brisa tímida lambesse a pele. Daí a saída.

 

Tomado assento no silêncio da ruela, ao fundo e subindo com vagar, a Sr.ª D. Luzita Manta. Vinha tomar café, parte da dose de adrenalina diária que os portugueses não dispensam, como escreveu Robert Wilson. De pronto, levantei-me. Fui ao seu encontro. O reconhecimento não foi imediato – as três semanas de férias serranas nunca proporcionam cumprimentar todos aqueles de quem gostamos. Olhando-me, atenta, nem meia dúzia de segundos passados, diz:

_ Brojo!

Aquiesci, já entre abraço e beijos amigos. Perguntando pelas mulheres mais velhas da família, houve o que “sim, estavam bem, na altura debicando sobremesa que desde a infância lhes enchia medidas – papas de milho”. No entretanto, surge a filha mais velha, Emília Manta, para muitos, contando-me, a querida ‘Mila’, ‘Milita’, ‘Milinha’. Repete-se a alegria e, enquanto a mãe fazia companhia à mãe e à tia, ficámos em alegre converseta. Conhecendo-lhe o acerto do espírito crítico e atento, atrevi:

_ Aturas-me para detalhares as lutas dos operários de lanifícios daqui nos anos sessenta e setenta?

_ Quando quiseres; porém, devias conhecer a Maria do Céu, essa, sim protagonista e conhecedora mais profunda.

 

Como soe afirmar, palavras não eram voadas, desce a escada Maria do Céu Ferreira de Jesus. Foi impressiva a presença – mulher elegante, ponderada, olhos negros que reluzem. Sendo informada de quem eu era e ao que vinha, acordou num encontro a três, pelas cinco da tarde seguinte em casa da Milita, porta à frente da que flanqueia entrada para edifício de granito onde nasceu o tio-avô, o pintor Abel Manta, ícone das artes plásticas nacionais a que Gouveia não regateou tributos como seu filho genial.

 

À hora e dia aprazados, subo os degraus de madeira cheirosa e brilhante pela cera. Logo após, entra a Maria do Céu que tanto me intrigara e, selvaticamente, admirei. Na saleta fresca, decorreu a conversa e, pela ausência de gravador, digitado o ouvido.

 

“Nasci em Gouveia. Ainda pequena, fui para o “Patronato”, instituição dirigida pela D.Zulmira Bellino, mulher do dono da fábrica de lanifícios “Belina”. Na casa repartida em secções – primeira infância, segunda e jovens adolescentes que não frequentavam a escolaridade/luxo para os débeis proventos -, eram ensinadas «prendas» femininas da época: limpar, lavar roupa e chão, pô-lo lustroso, bordados, rendas, tricô e outras artes que das meninas fizessem esposas perfeitas e mulheres submissas. Muitas operárias deixavam ali as filhas enquanto labutavam, em pé, oito horas diante das máquinas fabris.

 

Frequentei o “Patronato” até aos dezasseis anos. Também a JOC – Juventude Operária Católica. A origem social de cada membro determinava estar e percurso, e influiu no meu idear social. Em 1963, por vontade minha candidatei-me a operária da Sociedade Industrial/Amarantes e fui admitida na tecelagem predominantemente masculina. Ambiente de pessoas conscientes da opressão, repressão e exploração que as vitimava. Solidárias, todavia. Dispostas a emperrar, subtilmente, o sistema, existindo colegas injustiçados. Prova houve com o “trabalho por objectivos”: eram premiados aqueles que muito produziam. Falsa questão, constatámos; trabalhar «corte» liso é rápido, um de xadrez demorado. Horas de labor idênticas, produtividade diferente. Sabíamos que na distribuição dos «cortes» eram jogadas simpatias hierárquicas. Como reagir? _ Simples: eram somados os prémios e divididos de igual maneira por todos. Entendia, vividamente, num lado estar o capital, no outro a força laboral.

 

Escasseando trabalho, o operário laborava seis dias e ganhava quatro. Na “Sociedade Industrial”, era majorada a repressão se comparada com outras. A adesão à EFTA e a guerra colonial aumentaram vertiginosamente as encomendas, mormente pelo fabrico de têxteis destinados ao fardamento das Forças Armadas. Entre sessenta e sete e sessenta e oito, os patrões chamavam trabalhadores da Covilhã de molde a satisfazer a produção. Aumentaram conflitos; prática comum laborar sob chicote, ameaças e castigos – sendo crianças, duplicados pela ausência de «féria» devida ao afastamento compulsivo, pelos pais que sentiam no bolso a falta de ajuda para alimentar as bocas da família.”

 

(Continua)

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 16:31
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (6) | favorito
mariabrojo@gmail.com

Recomendo:

Exposição de Artes Plásticas - Conceito

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

últ. comentários

continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)
Como a Noite é Longa!Como a noite é longa! Toda a ...
vc e muito gostosa que ti comer

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds