Quarta-feira, 25 de Maio de 2011

A PROVA DO IMPROVÁVEL

Mati Klarwein

 

A Bélgica prova o improvável: desde há um ano, vive de modo relativamente tranquilo sem primeiro-ministro ao comando. Dedução imediatista: as redes políticas tradicionais são dispensáveis para os cidadãos ainda que repartidos por regiões e línguas – flamengo, francês e o minoritário alemão. As estruturas hierárquicas funcionam por si próprias, uma vez que Sua Majestade, o rei, apenas acumula postura decorativa com funções extremamente limitadas de Chefe de Estado. Não pinta, nem manda no essencial.

 

Todavia, a realidade vai além. Na ausência de entendimento entre os partidos mais votados para formação de governo, por tal omissas reformas internas, a dívida belga cresce sem parança – o terceiro país mais endividado da Europa, ocupando a Grécia lugar cimeiro. Maçada que aos belgas aflige sem que o quotidiano reflicta angústia existencial.

 

Lembrando ter a Bélgica participado de modo determinante na fundação da Europa Unida e nela hospedar sede da Comunidade, adivinho sinal que preside ao futuro dos vinte e sete e à organização política do mundo. Sem bola de cristal é tentador deduzir que estando o Reino Unido nas lonas, a Alemanha em desnorte eleitoral, a Itália entalada em dívidas vultuosas, a França como é sabido, ou o Durão se revela duro de roer e engendra arca de Noé que a Europa salve do naufrágio, ou, caso contrário, o mundo económico-financeiro como o conhecemos desaparece num ápice. Alguns dos centros poderosos deslocar-se-ão para outros países/leme: China, Japão, quiçá a Austrália no hemisfério Sul. O Brasil, a continuar o deslumbre pelo acesso fácil ao dinheiro de plástico, não tarda, regredirá - os europeus fizeram o mesmo e deu no que deu.

 

Ciclo da humanidade a cujo dealbar assistimos. Talvez fim das democracias ocidentais, talvez princípio duma nova ordem mundial.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Belgas, pois então!

 

publicado por Maria Brojo às 07:10
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
7 comentários:
De Veneno C. a 25 de Maio de 2011 às 10:44
Não vai mudar nada. Quantos anos leva a crise? Quantos anos esteve a germinar, escondida? Quantos vai levar a ser digerida? 4+4+4=12. A saída é por desgaste. Vão cair os hábitos supérfluos, vão reduzir-se ao equilíbrio sustentável os modos de vida resultantes de décadas espiraladas de crescimento financeiro aberrante, blasfemo, irracional, criminoso, intoxicado. A democracia purifica-se da retórica papagaia, de quem tudo sabe dizer e nada sabe fazer.
Não é o dinheiro de plástico que contamina. É o dinheiro inexistente, negativo, roubado. É querer as portas sempre a abrir, sem ter (a preocupação de saber) quem as fecha. É o caos da teoria e não a teoria do caos.
O que é a economia?

PS- A Austrália e o Brasil sempre foram no hemisfério sul.

Aqui há imagens/ideias mais claras
http://www.matiklarweinart.com/images/gallery/blessing-1965.jpg
http://artodyssey1.blogspot.com/2009/08/matias-klarwein-abdul-mati-klarwein.html

O Durão não o é: é Zé Man'El... que teria feito (melhor/pior?) se estivesse no lugar que assumiu (em nosso nome?). Deixou-nos como a uma Bélgica qualquer, sem PM? Num 'antes só... cada qual que se governe'?

«Do you wanna be ready for financial collapse, world war 3, food crisis, revolution, martial law, and perhaps the end of times? Here is how YOU can help yourself and those you love.»
http://www.youtube.com/watch?v=NgrWfJc8F3Q
De Veneno C. a 25 de Maio de 2011 às 11:02
Alerta o Brasil? Veja o que pensam/dizem:

http://www.itamaraty.gov.br/sala-de-imprensa/selecao-diaria-de-noticias/midias-nacionais/brasil/o-globo/2011/04/21/a-ameaca-da-crise-de-dividas-europeias-editorial
De Veneno C. a 25 de Maio de 2011 às 11:35
Perdoai-nos as nossas dívida$...

Veja-se a Dívida em percentagem do PIB.
Se Portugal tem 82% do PIB, vejamos alguns outros países europeus:

França 83
Irlanda 97,4
Bélgica 98,6
Itália 118,9
Grécia 140
Reino Unido 78
Alemanha 76
De Maria Brojo a 26 de Maio de 2011 às 09:16
Veneno C. - dos números apresentados não restam dúvidas, mas dívidas.
De Maria Brojo a 26 de Maio de 2011 às 09:15
Veneno C. - verdades e inquietações. Registei.
De Perseu a 25 de Maio de 2011 às 11:57

Creio que a Teresa racionalizou o tema e teve em consideração os ciclos de mudança da história da humanidade.
Não sei se haverá lugar para a democracia no futuro que se antevê. Depois da queda do império romano que sucedeu? Idade de trevas que durou 600 anos.
Que assim não seja e que a história não se repita.
De Maria Brojo a 26 de Maio de 2011 às 09:15
Perseu - junto os meus aos seus votos.

Comentar post

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds