Terça-feira, 14 de Junho de 2011

À MÍNGUA DE BOTÕES

Peter Driben, Elvgren

 

Lugar-comum: cinco dias fora do mundo noticioso e, à chegada, nem respigo de novidade (à laia de novela, soe o dizer). Em tão curto intervalo de tempo, não esperava mudanças substantivas, convenho, mas nova de causar espanto que me arregalasse o olhar, afora aumento do número no rol de catástrofes, seria bem-vinda. Antes da partida, uma houve prestes a consegui-lo: criminalizar como assédio sexual piropos, encostos nos transportes e assobios endereçados às mulheres passantes. Entidade promotora: UMAR (União de Mulheres Alternativa e Resposta).

 

Exercício contrário: está um homem postado em seu sítio e mulher arrisca o piropo ou o roço. A suposta vítima de assédio não calaria uma de duas reacções: acedia alegremente ou ripostava com vigor. Se a mulher em idênticas circunstâncias não reage e se dá por presa coitada sujeita ao predador, culpa dela - é exemplo a resposta pronta e rápida, apanágio de dignas peixeiras que sabem pôr no lugar abusadores. Estes afastam-se, encolhidos, e elas nem um segundo mais dedicam à frivolidade.

  

Se a menina foi educada para silêncio que lhe preserve o pudor, se, mais tarde, a mulher não cresce no entendimento do seu papel social e é incapaz de defrontar com igualdade leves atrevimentos masculinos ou femininos, que também os há, não se lamurie, actue. Um tédio a mulherzinha sofredora! Que vá aos mercados e aprenda com as maiores. Que acabe com o estereótipo que lhe coage o estar: “odeio peixaradas!”. Faz mal - mão na cintura e língua afiada até vem a propósito sentida ofensa no espírito e na pele.

 

Depois, há a hipocrisia do ar enjoado quando arriba piropo sendo que a maioria de nós acha graça aos bem engendrados. E rimos por dentro ou ostensivamente como ontem me aconteceu. Frigorífico esvaziado, pousei malas e fui ao minimercado afavelmente aberto em dia feriado. Neste bairro que harmoniza extremos sociais, passei por idosos jogando damas no empedrado, bandos de homens à solta. Ouvi:

_ Ainda bem que não ganha o suficiente para comprar botões.

Lerda, percebi, era o instante passado. Saíra com a fatiota da viagem, túnica pelo joelho e generosas aberturas laterais que o vento alevantou.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:11
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds