Quarta-feira, 15 de Junho de 2011

À ESPERA DO UNUNÓCTIO

Autores que não foi possível identificar

 

Metais alcalinos - hidrogénio (falso membro salvo o único electão de valência), sódio, potássio, rubídio, césio, frâncio; halogéneos - flúor, cloro, bromo, iodo, astatínio; gases raros - hélio, néon, árgon, crípton, xénon, rádon. São estas as cantilenas mais desfiadas pelos alunos de Química. Bem pode o professor argumentar que melhor do que a memória é o entendimento das localizações dos elementos na Tabela Periódica, que das cantilenas os estudantes não desistem. Mas a tabela possui autor e história, longa de contar por aqui. O essencial tem resumo: na primeira metade do dezanove, nascia no frio da Sibéria o génio Dimitri Mendeleev, o primeiro a relacionar detalhadamente as propriedades dos elementos químicos com as respectivas massas atómicas. Posteriormente aperfeiçoada a tabela que congeminou, havia de tornar-se o mais precioso instrumento de trabalho de quem estuda Química.

 

A organização do quadro é simples: os elementos estão dispostos por ordem crescente do seu número atómico, o mesmo é dizer, pelo número de protões que existem nos núcleos dos átomos. Sendo igual, átomos da mesma espécie, ou seja, do mesmo elemento; da diferença é concluído pertencerem a elementos outros. A paridade entre o número de protões (cargas positivas) e de electrões (cargas negativas) nos átomos neutros é responsável pelas propriedades quimicamente distintas dos elementos, espécies fundamentais que, sós ou combinadas, fazem parte do planeta e da atmosfera.

 

Da investigação laboratorial resultaram elementos artificiais que têm vindo a preencher lugares vagos da T.P. sitos após o urânio (Ur), o elemento 92, com a maior massa entre os naturais. É agora sabido que a União Internacional de Química Pura e Aplicada (UIQPA) decidiu integrar mais dois elementos: o 114 e o 116 baptizados, provisoriamente, como ununquádio (Uuq) e ununhéxio (Uuh). Descobertos há cerca de dez anos teve de ser feita prova de se tratarem realmente de novas espécies elementares e não produtos instáveis frutos de decomposições (decaimentos) radioactivos. Aguardam integração os 113, 115 e 118. Admitidos, a cantilena dos gases raros muda e termina com nome difícil: ununóctio.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:03
link | favorito
De c a 18 de Junho de 2011
a aludida paridade deixa a humanidade química baralhada...
será mesmo ela que, em átomos neutos (?) é responsável pelas propriedades (químicas?) dos elementos?
não parece nada bem parida a questão... ;-)
De Maria Brojo a 19 de Junho de 2011
C. - tem razão quanto às dúvidas suscitadas pela frase. Simplicidade em ciência é, frequentemente, inimiga do rigor. Porém, a verdade obriga a realçar que a referida 'paridade' determina as propriedades de cada elemento químico. Não existindo, falamos de espécies iónicas declaradamente diferentes nas características químicas e respectivos comportamentos reactivos.
De c a 19 de Junho de 2011
às malvas a simplicidade se não traduz a verdade... o que seria da humanidade se todas as (complexas) verdades científicas fossem ludibriadas pela simplicidade... antes ignorante (assumido) que ignaro (convencido).
será que a tal paridade (em termos simplistas) equivale apenas ao estado normal de cada elemento livre?

a seu respeito veja-se a interessante crónica

http://super.abril.com.br/ciencia/teoria-une-energia-eletrica-magnetica-nuclear-charme-atomos-espelho-440096.shtml

«O charme dos átomos no espelho
A natureza faz curiosa distinção entre um fenômeno e sua imagem refletida - essa descoberta levou à teoria que soma, num só pacote de equações, a energia elétrica, magnética e nuclear.
por Flávio Dieguez

Este ano será lembrado por alguns dos maiores físicos vivos como um momento de satisfação pelo encerramento de um trabalho de gigantes. E não é para menos, pois em 1991 se obtiveram as provas de que é possível compreender, como um único fenômeno, duas formas aparentemente muito diversas de energia: a nuclear e a elétrica. Foi preciso meio século de trabalho e o esforço de quase uma centena de cientistas, entre os mais criativos da profissão, para que tal identidade viesse à tona. Em retrospectiva, é difícil decidir o que mais delicia e ilumina o espírito — se são as paisagens inéditas descortinadas no mundo físico, ou as próprias personagens que as desbravaram.
...»

A paridade vem a seguir e vale a pena ler o resto ;-)
De Maria Brojo a 19 de Junho de 2011
C. - lerei de seguida.
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds