Quarta-feira, 14 de Setembro de 2011

PORTUGAL/«CHAINA»

Jan Bollaert

 

As lojas chinesas inspiram opiniões contraditórias. Recusa entrar num desses ‘antros’ quem respeita o comércio tradicional, os produtos vendidos por nacionais, alguns com etiqueta disfarçando terem sido produzidos na China, quem abomina cumplicidade na exploração da mão-de-obra infantil que julga (será?) predominante no fabrico do à venda no pequeno comércio chinês em Portugal. Outros são fãs pelo menor custo do pretendido, pela consciência de também as marcas de alta-costura utilizarem tecidos ou mandarem confeccionar o prêt-à-porter no Oriente onde as rechonchudas mãos dos petizes depressa adquirem calos e a condição de escravas sob o jugo de patrões déspotas. Aliás, semelhante acontece com adultos, conquanto reputado de mais cruel o sistema legal que não protege as crianças. Noutra vertente, é logro pensar o made in Portugal como bom e péssimo o arrumado nas prateleiras onde o carimbo made in China impera. Quod est demonstratum, o ‘não entro’ em lojas chinesas é inconsistente e primário. _ "Metem nojo", acrescentam. Gostaria de ainda respirar quando a China tomar conta do mundo!

 

Não sendo mulher de nojos por dá cá palha aquela, recuso-me a discriminar negativamente onde posso adquirir por menos o necessário, salvo se «escaldada» com um produto ou outro, ou suspeitando origem larápia. Estes deixo-os em seu sítio e retiro aqueles de provas dadas em qualidade e serventia. Vem o arrazoado à colação por urgência de ferramentas esquecidas de comprar na loja ‘tem-tudo’. Estando fechada das 12.30h às 14.30h - a pressa requeria solução -, foi descida estrada e, quase fora de portas da cidade, aberto um «hiperchinês». Já em função o comprado, resistiu com honra a dias de uso. Nas duas horas de ‘fechado para almoço’ da portuguesa ‘tem-tudo’, quanto foi adiantado na remodelação duma casa de banho… E se o tempo é dinheiro, mais foi poupado além do incomparável menor custo.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:09
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
3 comentários:
De c a 14 de Setembro de 2011
falta o resultado do desafio

falta distinguir preço/custo

falta avaliar os resultados a médio/longo prazo

falta julgar se poupa na compra e perde no imposto

falta diferenciar o interesse individual/nacional

falta entender que o escaldado é atavismo de gato

falta recordar que quem se agacha mostra o rabo

falta aceitar que o ter-de-ser tem muita força

falta saber para onde foi descida a estrada (da beira)

falta valorizar as diferenças entre palha aquela/aquela palha

(poder-se-á alternar com erva seca)

falta dizer que os não-amigos do comércio tradicional são muitos e frequentam os centros comerciais e isso não precisa de carimbo Q.E.D.


De António a 15 de Setembro de 2011
importa (tinha que ser...) carrear 2 apontes:

- q.e.d. para quod erat demonstrandum, fica demonstrado o que se queria demonstrar

- há lojas do chinês com empregados portugueses, produtos de fabrico português e artigos (um biberão, uma bandeira de Angola, variedade de lâmpadas economizadoras, um escovilhão...) concorrenciais, com serviço prestável e horários adequados às necessidades, ora nem mais!!!

;_)))

De c a 16 de Setembro de 2011
vejo mais isso como qu'arrear ;-)

carrear

1. Guiar (animais postos ao carro).

2. Conduzir, levar em carro.


não arreei no q.e.d. porque aparece muito como quod est demonstratum (fica - assim - demonstrado) sem haver a intenção... só que não fica... e a expressão era (in illo tempore ) dedicada a questões (mais) sérias.

hoje, só pode ser por brincadeira, por snobismo, por ignorância

brinquemos, então

Modern humorous usage

Q.E.D. is sometimes jokingly claimed to abbreviate "quite easily done". Q.E.D. can also be used to ridicule the specious reasoning of another person by mockingly attaching it to the end of a poor argument, which was not in fact successfully demonstrated or presented.

Q.E.D. was also mentioned humorously by the character of the British Prime Minister Jim Hacker, in the episode "The National Education Service" of the BBC sitcom Yes, Prime Minister.

It was also used humorously in The Hitchhiker's Guide to the Galaxy by Douglas Adams in the section dealing with "Babel Fish" (a magical creature that feeds on one language and excretes it in any other).

QEF, os espanhóis têm um melhor aproveitamento, nós ficamos pelo CQD, tendo tudo partido dos gregos.

http://www.youtube.com/watch?v=kyhsn_lOpG0

Comentar post

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds