Quarta-feira, 5 de Outubro de 2011

‘CARTILHA DO HOMEM BOM’

Byron Traag Snider,  Sylvia Bokor

 

O SPNI está vivo e de boa saúde na perspectiva da autora dos escritos que nele surgem. Não é um génio literário, comete gralhas temporais e outras, muito lhe falta para dominar a língua portuguesa que ama. Mas é viciada no aprender, bastas vezes com os comentários, parte integrante deste espaço. Submete-os a análise crítica, elucida-se nas fontes que procura e corrige sendo necessário. Todavia, outro vício a caracteriza: abomina delatores de conversas privadas. Acontece que em oito anos desta chaminé virtual, como diria José Pacheco Pereira, somente por duas vezes factos deste teor surgiram. Ao dar conta do ocorrido, a tecla “apagar” foi premida. Idêntico gesto quando esparsos insultos entre comentadores ou dirigidos à autora molestam dignidades. A esta compete ainda moderar intervenções sob a forma que decidir adoptar.

 

Por algumas vezes, casos de vidas aqui descritos foram considerados delações. Rejeito esta interpretação. Preservado o anonimato das fontes, situações exemplares de vidas merecem ser reflectidas ou porque demonstram a miséria vivida pelo nosso povo, ou porque espelham comportamentos atávicos de gentes como nós. Curioso é serem igualmente consideradas como intromissões na privacidade escritos puramente ficcionais o que nem admira pela tendência generalizada de subentender dados biográficos nas letras que outrem alinha e dá a conhecer.

 

Fio honrado de conduta não é universal - depende das sociedades, dos indivíduos, conquanto princípios gerais sejam acolhidos como parâmetros, ainda assim questionáveis em momentos decisivos. Seja tomado como exemplo mentir. Quantos de nós vendo alguém sofrer ou em situação terminal não girou o pensado no intuito de aliviar dores?

 

Não seja entendido como desculpabilização ou justificação de falhas o atrás exposto. Cada um reflecte sobre as práticas quotidianas como pode e sabe e quer. Se, de todo, não as pensa é direito seu. Rotular levianamente comportamentos parece-me impróprio, mas que erga alto o braço quem nunca tiver caído nesta e noutras tentações contrárias aos mandamentos inscritos na ‘Cartilha do Homem Bom’.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:40
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
18 comentários:
De O seu a seu dono a 5 de Outubro de 2011
Enfim.... nao confessou tudo mas...ok . Por esta vez nada mais exijo.
De Maria Brojo a 5 de Outubro de 2011
O seu a seu dono - o seu comentário mais parece cedência contra-valores. E não exija, agradeço. Sabe? _ É palavra que não aceito quando vida alheia está em causa.
"Por esta vez" também rejeito - parece insinuar favor ao abrigo do tempo. Soa a liberdade condicionada a comportamentos que tenha como adequados. E se não os considerar como tal? Está plantado num Olimpo qualquer? Faz parte de júri que decide o certo e errado e se situa acima da condição humana?
Assim sendo, diga qual o seu altar onde deveria, não fosse eu arrevesada, colocar vela.
De -pirata-vermelh- a 5 de Outubro de 2011
Leoa!
Não sei dimensionar o grau da ofensa que sente mas tem o meu reconhecimento a-priori, em nome de antecedentes que não vi s'ali em cima evoca e em nome da perenidade que tem conseguido dar a este espaço, 'apesar de tudo'.
De Anónimo a 6 de Outubro de 2011
Subscrevo parte do comment do petite rouge que passo a citar
"em nome da perenidade que tem conseguido dar a este espaço,apesar de tudo".

Oito anos è bastante... tenho de reconhecer a persistência....
Mas ainda espero que daí saia um Lobo Antunes ou já que mais não seja um Pacheco Perfeira ( no que a escriba de livros se refere que não blogueiro sobejamente conhecido e em quem (já agora) reconheço coerência e honestidade inteletuais (acho eu porque isto como dizia o outro ver para crer)
De Cão do Nilo a 6 de Outubro de 2011
Ai lá me esqueci da autoria.Este anónimo sou eu.
De O seu a seu dono a 6 de Outubro de 2011
Já que insiste eu também.
O seu a seu dono .
Se nada disto lhe diz nada , tant pis.
Aproveitando- me de comentador que não considero lambe botas outrossim e pelos escritos inteletualmente honesto(como me considero a mim próprio). Aos outros na ligo peva( no que à falta da supracitada honestidade concerne) passo a citar o Veneno C:
"Pois se há interpretações que às vezes nos convêm"...
mas assi não vamos lá ou antes continuamos a ir"

E como é velho e sabido: Os cães ladram e a caravana passa".
Resta saber quem vai na caravana ...digo eu

Ainda em em nome da tal honestidade invocada por muitos e por muitos f. da p. (como diria o Alberto João)pouco praticada, aqui se deixa exarado que o Cão (o do Nilo) e O seu a seu dono são uma e a mesma pessoa.
A musiquita vai mais tarde. Por agora "valores mais altos se alevantam...
Até mais.

De Cão do Nilo a 6 de Outubro de 2011
Sou ateu e não frequento altares a não ser o fe Fátima por razões que não entenderia.

Mas pergunto eu... avida alheia é a sua ou a minha?

Ainda de vela em altares falando pretendendo eu colocar uma vela no seu em qual dos dois deveria colocá-lo?
Altar dos desonestos inteletuais que devido ao seu passado nem sequer se apercebem que o foram ou no segundo que por a considerar muito, nem sequer me atrevo a descrever?
De c a 8 de Outubro de 2011
contra-valores?

ou pró-princípios?

talvez vela para economizar energias...

depois de vos ler... qual vida alhei(r)a?
(não há quem vos entenda...)

qualquer semelhança...?

http://www.youtube.com/watch?v=AtC56er4BZc
De Cão enraivecido a 5 de Outubro de 2011
Desculpe Teresa, mas hoje tenho que comentar alguns dos "comentários", se assim se podem chamar.., de alguns dos seus "comentadores", se assim se podem chamar...! Como é que admite que a tratem de forma tão indigna? Exigir??? Que palavra é esta??? Não estamos em ditadura, muito menos num país comunista, em que aqui sim, exigem seguimento fiel aos ideias do partido..caso contrário, o castigo será bem grande.. Estamos num país livre, em que a liberdade não deve ser condicionada por ninguém, por muito mais por pessoas que não conhecemos, nem que fazem parte do nosso círculo de amigos... Exigir? O quê? A Teresa não é livre de escrever o que lhe apetece? Não é livre de agir como muito bem entende??? Pelos comentários feitos parece que não... Esse tal "comentador" se quiser comentar o que escreve, devia na minha opinião, escrever sobre os textos publicados e não mostrar o seu ressabiamento , sabe-se lá porque razão..! Conversas privadas deverão ser mantidas no "segredo dos Deuses".., nunca devendo ser reveladas em público, muito menos num local lido diariamente por milhares de leitores fiéis à sua escrita. Quanto desagradável deve ser para si ler comentários impróprios e desajustados à crónica publicada.. Tenha paciência, e que Deus perdoe quem não sabe fazer mais nada do que fazer perder tempo aos outros com os despropósitos que escreve..
De Maria Brojo a 5 de Outubro de 2011
Cão Enraivecido - obrigada pelo seu comentário e solidariedade nele manifesto. Mais não digo por sentir que adivinha o resto.
De Cão do Nilo e O seu a seu dono a 6 de Outubro de 2011
Os acima identificados Cão do Nilo e O seu a seu dono (uma e a mesma pessoa, declaram assinam e datam que não assinaram (hoje) nenhum post em que se identificassem como Cão raivoso.
De Cão do Nilo e o seu a seu dono a 6 de Outubro de 2011
Onde selê cão raivoso leia-se p.f. cão enraivecido
De justo a 5 de Outubro de 2011
Deus nos deu (e creio até que não somente ao homem, quiçá a todos os seres vivos) o livre arbítrio. Desde o instante que aprendi o que significava isto passei a perceber que é justamente isto o que mais se deseja tirar de nós...
Ao longo dos anos a opinião do próximo interessa cada vez menos e mergulhar em nosso interior é cada vez mais proveitoso.
Quando alguém nos DÁ um pouco deste interior, seja em forma de prosa, verso, literatura ou arte deveriamos agradecer tanta generosidade.
Woody Allen em Midnight in Paris nos dá poesia, romance e beleza... mas principalmente uma lição: Devemos viver o presente... o passado ao passado interessa e nada mais.
Beijos a ti querida Tati...

http://vimeo.com/28628638

Linda a Paris... mas realmente à meia-noite é pura magia...
De Veneno C. a 5 de Outubro de 2011
Este título entre aspas constitui uma dupla derrota: nem o Google, apoio quase infalível, nem as escolas, da vida e do saber, me esclareceram.

Além disso, uma terceira tampa: o texto não leva a qualquer cartilha... apenas a uma cena das Escrituras e que aqui é pedra mal atirada.
À semelhança duma há pouco atirada por um deputado duma Autonomia, dizendo que o Governo 'tem telhados de vidro' e por isso...

Pois é, há interpretações que, às vezes, nos convêm...
mas, assim, não vamos lá, ou antes, continuamos a ir...

Quanto às cenas de miséria humana aqui trazidas, ficcionadas e reais, ficará sempre aberta a hipótese de ter sido apenas por 'pura' diversão ou só para 'cumprir calendário' ?

http://www.youtube.com/watch?v=ZRaAjTyIO4Q
De Veneno C. a 5 de Outubro de 2011
Consegui uma ligeira desforra das derrotas sofridas:

A Sylvia chamou-lhe "The greatest invention" e o texto diz "Ella giunse e levò ambo le palme,
ficcando li occhi verso l’orïente,
come dicesse a Dio: ‘D’altro non calme’."

Belas reflexões para tirar ainda mais proveito/s do/s incidente/s.

Purgatório

http://www.youtube.com/watch?v=ptnL3TMNJ2s
De Acuçar C. a 6 de Outubro de 2011
Como sempre, entre cães falsos e verdadeiros, salva-se 'a Voz do Dono' ;-)

E como é velho e sabido: Os cães ladram e a caravana passa ;-)

Parabéns para a Amiga que vira a desgraça em graça, de forma muito engraçada ;-)

E a propósito da pintora que evocou, uma grande artista-trabalhadora, vamos dar-lhe uma mãozinha, com votos de bom sono e concretização do seu sonho:

"At present, I finally finished the manuscript for Conquering the Third Dimension, a discussion of the history of painting. It is not the usual kind of history of painting wherein the author discusses who painted what when. Instead it's a much-needed examination of the evolution of painting ideas and the implicit philosophical principles that guide every representational painter. In the history of painting, Conquering the Third Dimension is unique. Soon, I will begin to look for a literary agent and/or publisher."

Beijos
De she a 6 de Outubro de 2011
Todos erramos na identificação de outros- o lidar-se todos os dias com real shit, por vezes, suja-nos o filtro. A única forma de redenção não passa por algum passo que seja- basta uma uma conversa com Deus, pedindo perdão, caindo em si, tentando compreender as situações de forma humana e isenta- só isso é, per se, um Milagre. Tudo acontece por uma razão, todos somos instrumentos uns dos outros de autosuperação.
De c a 8 de Outubro de 2011
seguindo a corrente do elevado pensamento que corre actualmente e brindando à saúde que continua a emanar do SPNI, aqui vai uma colagem fresquinha do face

Eu posso não ser a primeira escolha de alguém mas sou, de certo, uma boa escolha.
Não preciso fazer de conta que sou uma pessoa que não sou, porque sou bom a ser o que sou.
Posso não me orgulhar de algumas coisas que fiz no passado, mas tenho orgulho naquilo que sou hoje.
Posso não ser perfeito, mas também não preciso de o ser.
Sou como sou! Quem não gosta..... Temos pena!!!!!

(Coloca no teu perfil, se tens orgulho em ti...)

e outra do Steve

«Não se pode dizer a um peixe como um pássaro se sente»

ele que tanto podia... talvez viesse a conseguir?
talvez venha a ter um iPod5...

Comentar post

últ. comentários

Olá. Posso falar consigo sobre a sua tia Irmã Mar...
Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds