Domingo, 23 de Outubro de 2011

ARTE DESCE À RUA

 

Foi surpresa que Coimbra me reservou voltar às marionetas dos meus amores. E moviam-se com mestria, encantadoras pelos personagens criados, pelo detalhe do cenário e dos figurinos. Havia prazer no homem que pela dança manuseada lhes conferia vida. A música de fundo surgia sem donde conhecido. Ora, se nem pneumonia brava me impedira, há muitos anos, de assistir na Gulbenkian a um espectáculo das “Marionetas de São Lourenço”, como poderia distracção e passar ao lado sem me quedar embevecida? Apaixonei-me cedo pelas oferecidas na infância. A partir daí comprava-as nos lugares andarilhados. Em Florença, um pierrot veneziano, imponente pela beleza e pormenor, pela altura também, viria na bagagem acompanhado por pinóquio distinto dos vistos até então. Altura semelhante à do pierrot, faziam parelha belíssima. Tantas adquiri que o termo colecção descrevia o conjunto. Achei injusto ser uma adulta a gozá-la - ofertei-as a crianças nas quais o fascínio transbordava. A última foi o pierrot.

 

 

Chegada à Igreja de Santa Cruz, descoberta a fonte da música. Era um virtuoso à altura da monumentalidade do largo. Numa esplanada fruí do inusitado prazer, comum fora de portas, ainda raro em cidades portuguesas que não as capitais do trabalho e do país. Arte também nas castanhas assadas a preceito, no simbolismo sazonal que representam.

 

 

Nas ruelas que de Santa Cruz partem rumo à Baixa Velha, foi imposto, pela pressa, ir adiante do muito a registar. Mas não há celeridade que resista a cerâmicas, aos velhos símbolos do “aqui há comes e bebes”. As prostitutas circulam misturadas com outros passantes nem mais nem menos impudicos do que elas. A cada um seu ofício e caminhar.

 

 

Já na área verde ribeirinha, pela Aguieira e pelo açude o Mondego no seu melhor, é apuro o design que embeleza a margem. Reminiscências estrangeiras e míticas na arte do vender e consumir.  

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Sugestões do Cão do Nilo.

 

publicado por Maria Brojo às 08:12
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
4 comentários:
De Cão do Nilo a 23 de Outubro de 2011
O seu a seu dono...
Se por mais não fosse, estes seus escritos sobre quotidianos de antanho e de hoje (casas azulejos etc. etc.)de Alfamas a Coimbras passando por Alentejos e Algarves seriam só por si motivo de orgulho (seu).
Esperando reunir em mim todos os "estetas"que lhe dão troco no SPNI e sem modernas pinoquices (p,. ex. nariz do Sócrates e narigaças outras) aqui lhe deixo parabéns e um bem haja.
(Se bem que às vezes e em croniquetas outras, me apetecesse mandá-la curtir para bandas outras.
Mas como dizem nas faldas da sua (nossa) da Estrela Serra no melhor pano cai a nota (perdão a nódoa).
Stay good.

Musca dominical

http://youtu.be/oxSnV2Yxvu8

De c a 23 de Outubro de 2011
com coisas destas tão comezinhas (mendicidade disfarçada de arte) levanta-se a questão: o que é arte?

então, saia o artesão, o artista do grosso e do fino, e vejamos arte em tudo que nos rodeia, não apenas nas cidades onde há de tudo para todos os gostos e onde todos os gostos andam à ventura de tudo que lhes possa por ventura agradar

http://www.youtube.com/watch?v=NcJC4CboeoE

De Cão do Nilo e da Líbia a 23 de Outubro de 2011
Ainda os" bonecros e os bonecreiros":
Descobri-os hà muitos quilos atrás através da minha prof de literatura dos antigos 6º e 7ºs anos de seu nome Aliete Galhoz, a maior pessoana deste país.(aqui fica o agradecimento que espero não seja póstumo)...
Dizem daquele que chamavam o mestre, Domingos Moura, de Matosinhos, que nos anos 50 era fácil de encontrar com o seu teatro de robertos nas praias, feiras e romarias do norte do país e nos jardins do Porto.
Um outro mto famoso é António Talhinhas, o último de uma geração de bonecreiros de Santo Aleixo. Tendo em mestre Salas, o apresentador, e em padre Chanca, o clérigo desonesto, os seus mais distintos personagens, os bonecros de Santo Aleixo são porventura a mais representativa marioneta portuguesa. Com a postura e as técnicas retiradas do teatro medieval, as peças baseiam-se em textos retirados da bíblia, onde se mistura o divino e o profano, histórias sagradas e vivências do meio.
Os bonecreiros eram poetas populares de improviso,que conseguiam conseguiam estabelecer uma relação com o público, incentivando-o a sugerir deixas e a responder aos piropos. Essa ligação estreita com o povo, porém, nunca foi bem vista pelas autoridades. Não conheço nenhum bonecreiro que não tenha sido perseguido ou preso - Domingos Moura é disso um exemplo - e na idade média alguns chegaram mesmo a ser queimados. Diziam o que não convinha, enxovalhando as figuras representativas da sociedadeí.
Apesar da popularidade, a sobrevivência era difícil. O público sempre foi constituído maioritariamente por crianças, fazendo com que vivessem praticamente de esmolas, ou do 'migalho', como a elas se referiam.
A marioneta tradicional encerra diversos segredos. Um deles esconde-se na voz alterada dos bonecreiros, conseguido através de uma palheta bocal que confere os tons esganiçados e divertidos que emprestam às personagens. Uma técnica mantida tão estrita ao longo dos tempos, explicam, e que muitos morreram sem a revelar. Outra das facetas secretas é o som da guitarra que acompanha os espectáculos dos bonecros de Santo Aleixo, afinada especialmente para o instrumento adquirir uma sonoridade quase mágica.
Aqui vai bonecrada...arte da boa...
http://youtu.be/e2DB_GsVTr4
De c a 23 de Outubro de 2011
para quem quiser saber (ainda) mais...

http://www.apagina.pt/?aba=7&cat=70&doc=7413&mid=2

pagavam p'ra ver

http://www.youtube.com/watch?v=OdwAnyyoWvE

se o mundo fosse bom

http://www.youtube.com/watch?v=kZ_GWX5uzEU

Comentar post

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds