Segunda-feira, 31 de Outubro de 2011

“NÃO VENHAS TARDE!”

T J Verschaeren, Enzia Farrell

 

"Não venhas tarde!",
Dizes-me tu com carinho,
Sem nunca fazer alarde
Do que me pedes, baixinho

 

“Não venhas tarde” cantou Fernando Farinha, Carlos Ramos e outros. “Não venhas tarde Justiça!” diz o povo sem carinho, com alarde e brado.

 

"Não venhas tarde!",
E eu peço a deus que no fim
Teu coração ainda guarde
Um pouco de amor por mim.

 

Mas qual amor, qual respeito pode merecer a Justiça portuguesa que pela demora espezinha os cidadãos que dela carecem?

Tu sabes bem
Que eu vou p'ra outra mulher,
Que ela me prende também,
Que eu só faço o que ela quer,
Tu estás sentindo
Que te minto e sou cobarde,
Mas sabes dizer, sorrindo,
"meu amor, não venhas tarde!"

 

E a Justiça, traidora, não pune crimes contra o país de presumidos culpados, figurões mandantes deste e doutro tempo, que serve com desvelo e salamaleques. Perante mentiras e cobardias o povo não sorri, sofre.

 

"Não venhas tarde!",
Dizes-me sem azedume,
Quando o teu coração arde
Na fogueira do ciúme.

 

Mas sim, há azedume nas gentes e, em vez de ciúme, desespero. Em carreira, dias sofridos não perdoam o descaro daqueles que levaram (levam?) à pobreza quem era remediado, à mais porca miséria os pobres.

  
"Não venhas tarde!",
Dizes-me tu da janela,
E eu venho sempre mais tarde,
Porque não sei fugir dela

Tu sabes bem

 

De cada janela, de cada porta saia a bem ou fugindo a indignação e faça alarido proporcional aos muitos anos injustos.

 

Sem alegria,
Eu confesso, tenho medo,
Que tu me digas um dia,
"meu amor, não venhas cedo!"

 

O cedo da Justiça e da equidade social não existe. Vozes lúcidas se ergue(ra)m prevendo levantamentos populares. Também para estes o cedo escoou-se.


Por ironia,
Pois nunca sei onde vais,
Que eu chegue cedo algum dia,
E seja tarde demais!

 

E sem ironia, olhares duros nas faces, sabemos por onde vais Justiça! Não te multipliques em códigos que para nada servem excepto para atafulhar «papelões» e endrominar inegáveis direitos dos cidadãos.

 

CAFÉ  DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:24
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds