Terça-feira, 13 de Dezembro de 2011

A VERDADE DA MENTIRA

Autor que não foi possível identificar, Ossi Hiekkala

 

“Dos fracos não reza a história”. Injusto e baralhado dito por não valorizar os comedidos e resistentes, por confundir fortes e arrogantes, fracos com medrosos, estes como sacos ambulantes de terrores e dúvidas sistemáticas nos outros e nos amanhãs. O ideal seria personalidade sólida temperada pela contenção. Identificamo-nos com os fortes, mas quão inseguros e perdidos e receosos e tímidos nos sabemos... Rejeitamos a fraqueza, porém é a comum inspiração dos comportamentos. Somos mistura de força e fragilidade. Como uma pedra de sal - poderosa nas ligações eléctricas que a unem, fracturada à mais leve tracção.

Na pujança dos castelos, gentes procuravam-nos como abrigo; sob as fundações encontravam refúgio, enquanto outros cumpriam penas nas masmorras negras. Das ameias, era abarcado o horizonte e feita vigilância que atemorizasse agressores; por ali, defesa e ataque. Duas portas ligavam o castelo ao exterior: a principal, vigiada e porventura servida por ponte levadiça, a segunda tradicionalmente conhecida pela «da traição». Dissimulada, fácil de proteger; todavia vulnerável - bastava um espião ou traidores dentro do castelo na posse da chave adequada. E quem somos perante a encastelada personalidade construída, senão espiões e traidores do «ser» à custa de artimanhas várias? Bem podemos julgar-nos, zelosamente, protegidos de ferimentos que nos auto-infligimos. É mentira!

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:07
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
3 comentários:
De c a 13 de Dezembro de 2011 às 14:13
crua mente: será a maior confusão teclada que já li neste monitor?

e vai ficar... ?

"Dos fracos não reza a história" ponto final parágrafo!

e não há comparação possível com a pedra de sal física :-(

dá vontade de 'xurar'...

http://www.youtube.com/watch?v=-GEaa9QGOd4

http://consultoriodepsicologia.blogs.sapo.pt/30107.html

http://soporumalagrimatua.blogspot.com/
De c a 14 de Dezembro de 2011 às 23:59
claro que não somos fracos ;-)

«Portugueses são dos mais activos e espontâneos na cama»

Ler mais: http://aeiou.activa.pt/sexo/2011/12/14/portugueses-sao-dos-mais-activos-e-espontaneos-na-cama#ixzz1gYZ877Ju
De Veneno C. a 13 de Dezembro de 2011 às 23:05
Terá sido um momento de autoflagelação ou de desencanto com a solidão do amado Prado?

Não haverá qualquer injustiça nem baralhação no dito 'Dos fracos não reza a história' pois rezará dos outros todos porque alguma coisa representam e a história só falará de quem se fez notar. Os fracos serão anónimos, bons ou maus, não serão recordados por serem vulgares para o que a história regista.

Há quem o tenha dito doutra forma:

"Bom mesmo é ir à luta com determinação,
abraçar a vida com paixão,
perder com classe e vencer com ousadia,
pois o mundo pertence a quem se atreve,
e a vida é MUITO para ser insignificante"»
Charles Chaplin

Do mesmo, algum veneno açucarado:

A vida é maravilhosa se não se tem medo dela.

Amo as mulheres, mas não as admiro...

Pensamos demasiadamente
Sentimos muito pouco
Necessitamos mais de humildade
Que de máquinas.
Mais de bondade e ternura
Que de inteligência.
Sem isso,
A vida se tornará violenta e
Tudo se perderá.

Que os vossos esforços desafiem as impossibilidades, lembrai-vos de que as grandes coisas do homem foram conquistadas do que parecia impossível.

Se o que você esta fazendo for engraçado, não há necessidade de ser engraçado para fazê-lo.

Num filme o que importa não é a realidade, mas o que dela possa extrair a imaginação.

Se matamos uma pessoa somos assassinos. Se matamos milhões de homens, celebram-nos como heróis.

A beleza é a única coisa preciosa na vida. É difícil encontrá-la - mas quem consegue descobre tudo.

A humanidade não se divide em heróis e tiranos. As suas paixões, boas e más, foram-lhe dadas pela sociedade, não pela natureza.

Conhecer o homem - esta é a base de todo o sucesso.

Se tivesse acreditado na minha brincadeira de dizer verdades teria ouvido verdades que teimo em dizer brincando, falei muitas vezes como um palhaço mas jamais duvidei da sinceridade da platéia que sorria.

Amo o público, mas não o admiro. Como indivíduos, sim. Mas, como multidão, não passa de um monstro sem cabeça.

O assunto mais importante do mundo pode ser simplificado até ao ponto em que todos possam apreciá-lo e compreendê-lo. Isso é - ou deveria ser - a mais elevada forma de arte.

http://www.youtube.com/watch?v=xoKbDNY0Zwg

O puto não era fraco: ficou na estória ;-))

http://www.youtube.com/watch?v=qNseEVlaCl4

Eles foram fortes:

http://www.youtube.com/watch?v=Ps6ck1ejoAw

Comentar post

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds