Segunda-feira, 13 de Agosto de 2012

FINARAM-SE OS OLÍMPICOS

Georgeta Blanaru

 

"Terminaram os Jogos Olímpicos de Londres 2012 com outro espetáculo fabuloso de brio nacional e de orgulho pelo que de melhor Inglaterra deu ao mundo no campo da cultura e do entretenimento. Claro que gostei e muito. Gostei sobretudo de ver as escolhas feitas, a biodiversidade cultural e humana, a ausência de preconceitos, o chamar a primeiro plano a cultura e o trabalho, os motores que tudo movem e que nunca criaram crises financeiras fraudulentas. Não vi a exaltação da emigração nem nada que se pareça com o encerramento de fundações culturais, não vi o desfile de banqueiros a acenar, a acenar, nem o elogio das empresas de rating, não vi o orgulho na ganância nem no nepotismo, vi o afirmar da Liberdade, da inteligência, da Paz, da música que nos faz sentir melhor, do humor que nos liberta. Não vi a cultura de elites versus a cultura popular. Não vi os alternativos a desprezarem os que o não são, nem vi o pimba triunfante. Vi e ouvi alguns dos melhores. Não vi o pregão da austeridade como forma de combater a dívida. Vi Churchill, não vi nenhum vilão entronizado. Vi um musical cheio de ritmo, de imaginação, de criatividade, de invenção. Vi os atletas a entrarem em grupo compacto, sem distinção. Vi as bandeiras erguidas e os hinos cantados por quem os merece. Vi o passado e o futuro exaltados por igual. Não vi nada de que me envergonhasse como ser humano. E vi o despontar do Brasil, com igual orgulho. Daqui a quatro anos não sei se estarei cá para ver os Jogos Olímpicos de 2016, mas fiquei com a certeza de que serão como o Rio: continuarão lindos.

 

Em altura como estas, não tenho pena de sermos um povo pequeno e pobre ao pé de Inglaterra, mas lamento a falta de visão de certos governantes que não sabem fazer explodir, aqui e lá fora, a nossa grandeza, que é tanta e tão diversificada para a pequenez e a pobreza nacional. Em vez de apostarem no que vale a pena, apostam no aferrolhar de uns cobres, ainda por cima, sempre para os mesmos, ignorando que os cobres se ganham, tal como a prata e o ouro, apostando na qualidade e no que há que único num povo: as suas formas de expressão artística, cultural, intelectual, científica, desportiva… Tenho muita pena de ver um país, o meu país, a ser estrangulado pela miopia, pela incompetência, e não sei se pela simples fraude de uns tantos, toldados pela obediência cega à finança internacional.

 

Tal como em tudo que é humano, também os Jogos Olímpicos não estão isentos de desvios desagradáveis. São também comércio e indústria, claro. Mas os atletas choram e riem com lágrimas pelos êxitos e insucessos. São por igual os melhores entre os melhores. Os que atingem o sucesso e os que falham no momento decisivo. Mas para estarem lá, entre os melhores, tiveram de lutar até ao sofrimento para o conseguirem. O que é sempre bonito de ver."

 

O estimado amigo Lauro António  apresenta mais um texto brilhante que não resisto a publicar na íntegra.

 

CAFÉ DA MANHà

 

publicado por Maria Brojo às 15:57
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds