Segunda-feira, 13 de Agosto de 2012

FINARAM-SE OS OLÍMPICOS

Georgeta Blanaru

 

"Terminaram os Jogos Olímpicos de Londres 2012 com outro espetáculo fabuloso de brio nacional e de orgulho pelo que de melhor Inglaterra deu ao mundo no campo da cultura e do entretenimento. Claro que gostei e muito. Gostei sobretudo de ver as escolhas feitas, a biodiversidade cultural e humana, a ausência de preconceitos, o chamar a primeiro plano a cultura e o trabalho, os motores que tudo movem e que nunca criaram crises financeiras fraudulentas. Não vi a exaltação da emigração nem nada que se pareça com o encerramento de fundações culturais, não vi o desfile de banqueiros a acenar, a acenar, nem o elogio das empresas de rating, não vi o orgulho na ganância nem no nepotismo, vi o afirmar da Liberdade, da inteligência, da Paz, da música que nos faz sentir melhor, do humor que nos liberta. Não vi a cultura de elites versus a cultura popular. Não vi os alternativos a desprezarem os que o não são, nem vi o pimba triunfante. Vi e ouvi alguns dos melhores. Não vi o pregão da austeridade como forma de combater a dívida. Vi Churchill, não vi nenhum vilão entronizado. Vi um musical cheio de ritmo, de imaginação, de criatividade, de invenção. Vi os atletas a entrarem em grupo compacto, sem distinção. Vi as bandeiras erguidas e os hinos cantados por quem os merece. Vi o passado e o futuro exaltados por igual. Não vi nada de que me envergonhasse como ser humano. E vi o despontar do Brasil, com igual orgulho. Daqui a quatro anos não sei se estarei cá para ver os Jogos Olímpicos de 2016, mas fiquei com a certeza de que serão como o Rio: continuarão lindos.

 

Em altura como estas, não tenho pena de sermos um povo pequeno e pobre ao pé de Inglaterra, mas lamento a falta de visão de certos governantes que não sabem fazer explodir, aqui e lá fora, a nossa grandeza, que é tanta e tão diversificada para a pequenez e a pobreza nacional. Em vez de apostarem no que vale a pena, apostam no aferrolhar de uns cobres, ainda por cima, sempre para os mesmos, ignorando que os cobres se ganham, tal como a prata e o ouro, apostando na qualidade e no que há que único num povo: as suas formas de expressão artística, cultural, intelectual, científica, desportiva… Tenho muita pena de ver um país, o meu país, a ser estrangulado pela miopia, pela incompetência, e não sei se pela simples fraude de uns tantos, toldados pela obediência cega à finança internacional.

 

Tal como em tudo que é humano, também os Jogos Olímpicos não estão isentos de desvios desagradáveis. São também comércio e indústria, claro. Mas os atletas choram e riem com lágrimas pelos êxitos e insucessos. São por igual os melhores entre os melhores. Os que atingem o sucesso e os que falham no momento decisivo. Mas para estarem lá, entre os melhores, tiveram de lutar até ao sofrimento para o conseguirem. O que é sempre bonito de ver."

 

O estimado amigo Lauro António  apresenta mais um texto brilhante que não resisto a publicar na íntegra.

 

CAFÉ DA MANHà

 

publicado por Maria Brojo às 15:57
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds