Sexta-feira, 30 de Novembro de 2012

BRAVOS DO PELOTÃO

 

Frida Kahlo (Frida-Diego)                                                                                   Frida-Diego-marriage

 

Os bravos do pelotão. Não é lembrado Platoon do benquisto Oliver Stone. Nem Chris Taylor (Charlie Sheen), jovem e ingénuo americano, ao compreender que no Vietname a luta real era com o crescendo do medo, exaustão física e raiva. Antes são trazidos à colação homens e mulheres comuns que avançam de peito feito, sem temeridade insana, conscientes de que fuga ao passo em frente só a mando de cobardia. Recusar o desafio, o risco, negar atitude com receio de ferida ou morte dolorosa, não é com eles. E ao sinal de chamada avançam, gritando em silêncio: _ Seja o que a vida quiser.”

Num tempo em que amar alguém num mundo tão precário como este, significa ansiedades e temores, por medo alguns restringem afetos ao efémero. Como bivalves, higienizam o espaço contendo abertura ao ambiente exterior. Fecham-se ao pressentirem toque que ambicione atingir mais do que a pele. Partilhar o corpo, o riso, a fruição da dádiva que de outros advém, sim, não recusam - abrem-se como pétalas no pico da floração. Mas, quando a roda engrena marcha atrás, eles, de mansinho, como quem nada viu ou sabe, recuam pela cobardice que os amarra à concha protetora. Ou egoísmo. Ou opção, dizem.

No Discurso sobre a Felicidade, afirma Madame du Châtelet "A sabedoria deve ter sempre os trunfos à mão: pois quem diz sábio, diz feliz, pelo menos no meu dicionário; há que ter paixões para ser feliz; mas há que colocá-las ao serviço da nossa felicidade e existem algumas às quais devemos proibir qualquer acesso à nossa alma."

 

Que me desculpe a Madame, mas sábio quer dizer feliz apenas para eremita. E depois, por via da sapiência alcançar mestrado, doutoramento e demais graus académicos na arte de bem usar as paixões é conversa da treta que qualquer Maria reproduz. A paixão mobiliza, inteiros, corpo e espírito. Usa quem domina. Impensável enformá-la no molde da razão. Até um dia.

Árduo e sábio é não desistir quando o íntimo arrepia e gela. Arrebanhar lenha e caruma que mantenha acesa, por modesta que seja, a faúlha, talvez berço de lume duradouro. Havendo vontade e combustível, a doçura dos afetos ressurge. Ou não. Sapientes os que resistem à simplicidade da fuga. Nem sempre felizes, mas os bravos do pelotão.

 

Nota: texto publicado aqui, há breves istantes.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:05
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds