Sexta-feira, 26 de Julho de 2013

MISTERIOSAS PELOS VÉUS

 

Audrey Marienkoff

 

Pelas seis, o acordar como “De Profundis, Valsa Lenta”, título do José Cardoso Pires. Noite quase esfumada, azul fundo no céu espreitado pelas étamines bege e fogo. Ela vestida de pele. Sonolenta. Entreaberta a porta-janela, deixou as transparências sobrepostas procurar a brisa ausente. Repetiu as trivialidades de quem madruga e delas faz gosto: o pisca do café, da chávena ao pousar no tabuleiro. Os gestos que acordam músculos e trazem lucidez à manhã/noite.

 

Na véspera, fora longo o dia na cidade bela e autofágica. A noite descera ao compasso de Verão preguiçoso. Desobediente à órbita e aos costumes da Terra. Provocação que a mulher vestida de pele não desmentiu, uma mola afastando o cabelo do meio das costas, vidro aberto, jazz/forro na condução.

 

Atendeu pelo brilho do ecrã, pela proximidade da garagem, pelo anonimato do lugar. Lisboa dentro e longe - os corações da cidade por tantos serem, cinco minutos de compasso até um deles são coisa pouca. Faceiras, mulher e cidade. Garridas. Misteriosas pelos véus que somem quando o querer ordena.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:15
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds