Terça-feira, 23 de Junho de 2009

QUANDO ELES FOGEM

 

James Cochram
 
Fogem de casa ou, simplesmente, não regressam. Nos cinco primeiros meses deste ano, quatrocentos adolescentes entre os doze e os dezoito anos de idade renegaram, por intervalos de tempo variáveis, o suposto aconchego familiar. No ano passado, cerca de meio milhar de adolescentes andaram fugidos. Nos últimos dias, após a publicação das pautas com os resultados escolares do 11º e 12º Anos, dezasseis desapareceram até arribar coragem de os revelarem aos pais.
 
Razões diversas na base dos factos enunciados. Consciência do fracasso ou de culpa pelo reduzido empenho durante o ano lectivo; famílias disfuncionais que esperam dos filhos o que não traduziram em exemplo de vida. Autoritarismo em vez de pedagogia e acompanhamento. Pressão exacerbada para os rebentos continuarem ou elevarem os pergaminhos familiares – as projecções injustas contaminam-nos e acrescem culpabilidades de modo cruel.  
 
_ Fazemos isto para o teu bem.
_ Pressionamos pelo amor que te temos.
_ Esperamos muito porque são vários os sacrifícios que fazemos para teres futuro melhor que o nosso.
_ Não fazes mais nada. A tua obrigação é estudar. Se a cumprires, as notas finais condizem.
_ Vê se não deslustras o apelido que deves respeitar.
 
E os adolescentes divididos entre a sociedade do «curte», que vem a calhar, e a voz da consciência. Que abafam. Como o mesmo vêem fazer, quantas vezes, aos pais. Supostamente educadores pelo exemplo e coerência. Que não concretizam. Palavras desarmónicas com as práticas leva-as a brisa e os ventos. E se os miúdos atentam nelas! Se estão prontos a espetar dedo acusatório! Alijar culpas, aprendem cedo demais.
 
A par dos amores de Verão, aquelas e esta são causas sazonais para as fugas. O pulo das hormonas que a internet ajuda a ir mais alto e além, é razão outra. A polícia dá uns dias de espera. Regressam, invariavelmente, diz, quando a desilusão sobrevém, o dinheiro acaba ou o falta o «bem bom» habitual. Valha-nos isso! Tão medíocres as causas do voltar!
 
No entretanto, convém repensar que pais somos e filhos temos. Sem lamechices. Com objectividade.
 
CAFÉ DA MANHÃ
 
publicado por Maria Brojo às 09:33
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
6 comentários:
De Sobral da Costa a 24 de Junho de 2009
Olá pessoal,

Tinha esquecido a língua. Faz uns dias vim aqui por primeira vez e gostei. Algo no ar. E comecei a ler e, até penso encomendar uma copia do VÊ SE ME ERRA, TA . Não quero igual claro, só a 'suspensão', à lápis por artista noviço. 40 paus.

Se digo à Graça? Ela já sabe por que eu contei para ela, as mulheres estão ai para isso e ela entende.
Que ando vendo coisas pela internet; que o que léio 'mencaixa' como si fosse coisa criada pel'O Lagarto. Se permitis, contar-lhes-ei as finuras do bicho. Tremendo bicharalhão. Parece como olhar e ver-los lá: 53 Cardeais em Púrpura, das cabeças à patas! Reptilíneo. Por detrás e para marcar, 3 janelas de ferro que dão para um horizonte com bosques e uma pintinha de azuli, com pássaros?

O bicho é réptil.
De Teresa C. a 27 de Junho de 2009
Sobral da Costa - entendo sempre, direitinho, todos os seus comentários. Aprecio-os. Este deixou-me perplexa. Fiquei aquém do que pretendia dizer.

Comentar post

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds