Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2009

O PRIOR DE TRANCOSO

Domenichino

 

Correndo a população do interior para o litoral, segundo dados últimos do INE, é de lembrar idos em que os priores/párocos/padres contribuíam, denodadamente, para o aumento da taxa de natalidade em zonas recônditas do território português. Tivesse Pampilhosa da Serra – campeã da fuga - e mais duzentos concelhos incluídos nos fugitivos para a beira-mar homens tão dedicados ao povoamento, não constariam da lista negra da desertificação nas regiões do interior.

 

SENTENÇA PROFERIDA EM 1487 NO PROCESSO CONTRA O PRIOR DE TRANCOSO

 (Autos arquivados na Torre do Tombo, Armário 5, Maço 7)


 "Padre Francisco da Costa, prior de Trancoso, de idade de sessenta e dois anos, será degredado de suas ordens e arrastado pelas ruas públicas nos rabos dos cavalos, esquartejado o seu corpo e postos os quartos, cabeça e mãos em diferentes distritos, pelo crime que foi arguido e que ele mesmo não contrariou, sendo acusado de:

 

- ter dormido com vinte e nove afilhadas e tendo delas noventa e sete filhas e trinta e sete filhos;

- de cinco irmãs teve dezoito filhas;

- de nove comadres trinta e oito filhos e dezoito filhas;

- de sete amas teve vinte e nove filhos e cinco filhas;

- de duas escravas teve vinte e um filhos e sete filhas;

- dormiu com uma tia, chamada Ana da Cunha, de quem teve três filhas, da própria mãe teve dois filhos.

 

Total: duzentos e noventa e nove filhos, sendo duzentos e catorze do sexo feminino e oitenta e cinco do sexo masculino, tendo concebido em cinquenta e três mulheres".

 

 [agora vem o melhor:]

 "El-Rei D. João II lhe perdoou a morte e o mandou pôr em liberdade aos dezassete dias do mês de Março de 1487, com o fundamento de ajudar a povoar aquela região da Beira Alta."

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 06:31
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
17 comentários:
De António a 14 de Dezembro de 2009
dos factos:

- é na beirAmar que se concentra a vida, em número de espécies e indivíduos, a que o Homem não tem como escapar...

- a inteligência, a capacidade de aprender, a poderosa forma de locomoção, a adaptabilidade e, tudo conjugado, as formas sofisticadas de organização social permitem à espécie humana tirar partido de uma ampla extensão territorial, que os novos meios de comunicação aliás potenciam: projectos como o "Novos Povoadores" (vide http://inovacaoeinclusao.blogspot.com/) apoiam quer o empreendedorismo quer a realização deslocalizada de tarefas, além de diversos apoios estaduais, municipais e de entidades do terceiro sector (nomeadamente certas Fundações), sendo que o mercado também contribui pois à medida que avança a desertificação do interior, também os preços baixam para muitos bens de equipamento e de consumo, habitação e alimentação incluídas

- depois há de facto o vector "planeamento territorial", que tem assinalável complexidade e implica políticas coerentes de infraestuturação, de estabelecimento industrial e dos serviços, de mobilidade - é hoje mais fácil ter um jovem com 17 anos e 17 de média de candidatura universitária a estudar medicina em Espanha, Reino Unido, Irlanda ou república Checa, e que depois ficam por lá ou se instalam em países vizinhos, do que abrir umas vagas umas vagas nas faculdades portuguesas de medicina, ou abrir/incentivar o curso ao sector privado, pois na realidade temos médicos estrangeiros nos nossos hospitais (nada contra, mas significa a existência de vagas!) e carência de médicos no interior...

e como não nos falta mobilidade, adaptabilidade nem inteligência, há que recorrer a outro factor condicionante: a vontade política e a luta pertinaz contra o corporativismo!!!

;_)))
De Maria Brojo a 16 de Dezembro de 2009
António - anunciada Faculdade de Medicina em Aveiro como remedeio para a falta de médicos no interior, pasmei. Sobram medicinas universitárias e faltam hospitais bem equipados humana e tecnologicamente no interior.

Acabada a especialidade em hospitais urbanos e centrais - Lisboa, Porto e Coimbra - não é aos 31 anos de idade, sem algum ano repetido, que os médicos migram para «nenhures». Entretanto, constituíram família e assentaram arrais com apartamento incluído.

Ou estão bem equipados hospitais interiores e garantem formação e progressão científica adequada desde a entrada na «especialidade», ou faculdades mais de Medicina preservam, em vez de remediar, o problema.

Comentar post

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds