Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2010

DO LUTO AOS GRILOS

Henry Lee Battle

 

Quando a Terra geme e suspira, acomoda zonas íntimas pressionada por forças. De tensas, afastam placas, qual capa de tartaruga invisível. Colidem ou sofrem torsões. As rochas, que rejeitam elevada condição elástica, eliminam a energia potencial em excesso. Libertam-na como fisga esticada ao máximo que retoma forma comum. E vão ondas por aqui ou ali. Regiões que as apanhem contam sustos e danos. Gentes soçobram. Patrimónios destruídos. Vidas sem eira ou beira que as recolha pela elevada intensidade do arrumo. Catástrofe natural como outras que, igualmente, apagam o construído em anos por mãos laboriosas de quem fenece com a obra.

 

No drama, que a esperança se aninhe após o luto. Que não sejam também destrutivos espíritos sobreviventes como os nossos assentes numa plataforma mantida em relativo sossego. Mesmo sem tragédias de monta abrangendo milhares de portugueses, resistimos a acreditar no bom advir. A albufeira do Alqueva é exemplo. Muitos tomados por sábios, mas ‘velhos postados no Restelo’ garantiram que jamais a capacidade máxima seria atingida. Foi. É o maior lago artificial da Europa. Cumprido o primeiro objectivo do projecto Alqueva: “reserva estratégica de água, com capacidade para fazer face a três anos consecutivos de seca, com garantia de disponibilidade para abastecimento público, agricultura e produção de energia".

 

Parecemos grilo comum que, sem polinizar, engole flores. Verdade aberta à excepção de uma variedade da família “Glomeremus”: não tem asas, mede entre dois a três centímetros e possui antenas largas. Trata carinhosamente orquídea onde poise – transporta o pólen e ajuda-a a procriar. Assim fossem benévolos os ajustes terrestres!

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Haiti

 

Quando você for convidado pra subir no adro da
Fundação Casa de Jorge Amado
Pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos
Dando porrada na nuca de malandros pretos
De ladrões mulatos
E outros quase brancos
Tratados como pretos
Só pra mostrar aos outros quase pretos
(E são quase todos pretos)
E aos quase brancos pobres como pretos
Como é que pretos, pobres e mulatos
E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados
E não importa se olhos do mundo inteiro possam
estar por um momento voltados para o largo
Onde os escravos eram castigados
E hoje um batuque, um batuque com a pureza de
meninos uniformizados
De escola secundária em dia de parada
E a grandeza épica de um povo em formação
Nos atrai, nos deslumbra e estimula
Não importa nada
Nem o traço do sobrado, nem a lente do Fantástico
Nem o disco de Paul Simon
Ninguém
Ninguém é cidadão
Se você for ver a festa do Pelô
E se você não for
Pense no Haiti
Reze pelo Haiti

 

O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui

 

E na TV se você vir um deputado em pânico
Mal dissimulado
Diante de qualquer, mas qualquer mesmo
Qualquer qualquer
Plano de educação
Que pareça fácil
Que pareça fácil e rápido
E vá representar uma ameaça de democratização
do ensino de primeiro grau
E se esse mesmo deputado defender a adoção da pena capital
E o venerável cardeal disser que vê tanto espírito no feto
E nenhum no marginal
E se, ao furar o sinal, o velho sinal vermelho habitual
Notar um homem mijando na esquina da rua
sobre um saco brilhante de lixo do Leblon
E quando ouvir o silêncio sorridente de São Paulo diante da chacina
111 presos indefesos
Mas presos são quase todos pretos
Ou quase pretos
Ou quase brancos quase pretos de tão pobres
E pobres são como podres
E todos sabem como se tratam os pretos
E quando você for dar uma volta no Caribe
E quando for trepar sem camisinha
E apresentar sua participação inteligente no bloqueio a Cuba
Pense no Haiti
Reze pelo Haiti

 

O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui

 

publicado por Maria Brojo às 06:30
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds