Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010

BRANCO SUSPENSO NO AR


Autores que não foi possível identificar


Primeira pedra no chão. Onze dias passados. Avenida da Índia. Belém. Lisboa."Pavilhão de exposição em cristal e aço como testemunho da evidência do Homem no Universo". Autor: Paulo Mendes da Rocha, arquitecto brasileiro, prémio Pritzker, em 2006. Sugerido por Eduardo Souto de Moura.

 

A “caixa do tesouro’ tem conclusão prevista para Outubro do ano próximo. Sem interromper o eixo pedonal Ajuda-Belém, prolonga-o num passadiço com fim na Estação Fluvial. O ‘museu branco suspenso no ar’ apresentará dez metros de pé direito, parede branca suposta infinita, sala maior que relvado de futebol. Alojada a colecção de coches mais representativa no mundo: 130 viaturas, 54 das quais se encontram no actual Museu dos Coches e 32, das 76, do palácio de Vila Viçosa. No antigo museu - o mais visitado em Portugal - fica um núcleo de coches do século XVIII.

 

Solo projectado livre para não entupir a fruição ribeirinha. Quase cinco metros acima, aos passeantes nada impede o caminho. Preservar e engrandecer zona preciosa da 'Grande Alface' é notícia boa.

 

Ondas de choque se alevantam. Afirmado existir melhor destino para o custo estimado dos 31,5 milhões de euros. O movimento/petição “Salvem os Museus Nacionais dos Coches e de Arqueologia e o Monumento da Cordoaria Nacional!” fundamenta:

- projecto ocioso que impede aplicar verbas urgentes e necessárias em projectos culturais de verdadeiro interesse público;
- o novo museu “constitui um verdadeiro 'terramoto' de efeito ricochete na museologia nacional, pois implicará a obrigação de deslocar os serviços do antigo IPA (actual IGESPAR) da arqueologia subaquática, do depósito de arqueologia industrial, para a Cordoaria Nacional e, por esta via, uma eventual transferência do Museu Nacional de Arqueologia para a mesma Cordoaria, que é Monumento Nacional desde 1996.”

 

Requerido:
- intervenção rápida no sentido de travar o projecto em curso do novo museu dos coches, garantindo assim a manutenção, nos espaços actuais, do Museu Nacional dos Coches e do Museu Nacional de Arqueologia e a conservação da integridade física e técnica original da Cordoaria, enquanto monumento nacional de interesse internacional.

 

Duvido, como princípio derivado da experiência – o projecto do Centro Cultural Belém foi lição entre muitas – dos ‘profetas de mau agouro’ postados em «Restelos». Porque a concha da minha mão deixa escapar verdades, divulgo o novo e seu oposto. 

 

CAFÉ DA MANHÃ
 

 

publicado por Maria Brojo às 08:58
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds