Sábado, 13 de Fevereiro de 2010

CABIDES MASCARADOS

Boris Artzybasheff


Escuro. Cabides brancos. Muitos. Rascas. Vazios ou com pendures invisíveis. Ininteligíveis. Os cabides eram paredes, tecto e chão. Rodeado por eles, vulto em contra-luz. Curvado, afastava-os à mão e aos pontapés. Abria caminho até à porta entreaberta por onde se atrevia feixe mingolas. À medida do desbravo, mais surgiam. Tentativa continuada. Do mesmo lugar, não arredava pé. Os cabides também não. E o breu persistia. Estorvada a compreensão. Qual o dono do vulto, sombra entre sombras?


Olho meu dentro, outro fora, perscrutava. Teima: perceber o escuro, o mexer sem resultado à vista. O fio luminoso não bastava. E a porta que não abria! Sem claridade, como ver? Quando um sentido embota, outros se espicaçam. Revi, um a um, os cabides. Dei fé: pretensa homossexualidade como «pecado» maior. Noutro: "licenciatura falsa concluída num domingo". Ao lado: “reabertura de mina em Aljustrel dura seis meses”. Mais um: “obras na Guarda assinadas por quem delas não foi autor”. Lateral: “investimento de investimento publicitário por parte de ministérios, institutos e empresas públicas”. Em baixo: Freeport. Sobre a cabeça: Face Oculta. Em frente: culpado da desgraça nacional. Amotinados os cabides.

 

O vulto esbracejava. Desajeitado. Corda desce de insuspeito furo no tecto. O homem olha-a. Enforco-me ou tento fuga? Grita e nenhum som escapa. Pode e não pode clamar socorro. À beira de se esboroar, mais frágil que salitre, o rectângulo governado. Cabides intactos. Ocultam saídas e favorecem liquefacção das paredes que sólidas deviam permanecer. Envoltos em lençóis e apoiados em andas surgidas do nada. Fantasmas ou gigantones de Carnaval.

 

CAFÉ DA MANHÃ
 

 

publicado por Maria Brojo às 08:27
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds