Quarta-feira, 10 de Março de 2010

GAIOLAS OU GRADES OU CELAS

Gil Elvgren

 

Apetite: «piquenicar». Cedo, sair dos lençóis. Desjejum tranquilo. Olhos cerrados a urgências profissionais que engasgam momentos arrolados como inúteis. Na cozinha, ousar petiscos. Mochilas que acondicionem merenda, toalha campestre, papel em guardanapos. Após a carícia da água na pele, rosto sem artifícios, cabelo molhado e seco na viagem. Botas coladas ao solo. Traje de acordo com a fruição do simples e bondoso, contrário à imagem. Esquecer menoridades e complicações, tantas vezes!, inventadas. Gaiolas ou grades ou celas. Portas que o «dentro» não encontra. Perdida a chave, os limites agigantam-se. Mas existe. Se procurada, o ouro que a faz encadeia. E o sol e o frio e a estrada e a floresta e o mar, prados e regatos alargam o círculo máximo da esfera que o olhar abrange. Que seja estendida a toalha. Que a manta/assento/mesa cubra o chão. Que o alimento alimente o sólido e o volátil. O diálogo. Risos. Que a tarde caia. Adormeçam os livros de estudo e prazer.

 

A produtividade exacerbada, ou imposta pela conjuntura, ameaça o equilíbrio de cada um submetido às normas globalmente reguladoras e aos superiores interesses que depositam salários e PECs. Abandonados ócios vitais. Avatar faz das almas engrenagens mecânicas pejadas de roldanas que chiam. Lamuriam. Queixam-se do atrito pela falta de cuidado na manutenção. Oleá-las é desprezado. E gemem. Com elas, a pessoa. Evito ser mais uma que frio arrepie. Quentura d'alma e corpo muito bem engaiolada na diferença com a insípida apatia perante o aventurar.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 06:47
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
2 comentários:
De António a 10 de Março de 2010
venenos, açucares & vitaminas:

1 - porque nunca mais é sáááááááááábadooooo !

2 - porque a indiferença mata !!

3 - porque de ilha em ilha é que a alma brilha !!!

;_)))


De Maria Brojo a 16 de Março de 2010
António - não lhe dado razões para aqueles, tão seus, magníficos complementos ou, melhor, «metatextos».
Quando uma mulher está imersa em trabalho sem fim à vista, a escrita ressente-se. Eu sei.

Comentar post

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds