Domingo, 4 de Julho de 2010

DO 'AMARELO DA CARRIS' PARA AS DO 'DUQUE'

William H. Hays, Ron

 

Ao fundo da Luis de Camões, carris encastram o pavimento. Minuto mal passado, e surge o “amarelo da Carris”. Para quem, vergonhosamente, não utiliza os transportes públicos a surpresa: foi-se o vibrar ruidoso do rolamento, a escassez de espaço, o ‘quase varandim’ da saída; idos os ‘bancos dos palermas’.

 

Rente à zona ribeirinha, o eléctrico progride tranquilo. De dentro para fora, a descoberta duma cidade aberta com água cerca. A luz dourada do final de tarde ilumina trajecto e chegada à Praça do Comércio. Neste Terreiro chamado do Paço, o bronze de D. José I empinado na montada ganha cor nova e a História traz à lembrança a subida dos degraus de mármore do Cais das Colunas pelo rebelde Gungunhana a soldo dos ingleses.

Passando pelo Arco da Rua Augusta, volvido de novo o olhar para cima e para o rio, é de ouro, senhores, o arco. A rua fervilha, branda, com gentes fruindo as esplanadas e a calmaria. À direita, no alto, os pinheiros mansos e as muralhas do Castelo de ouro também. Desaparecido o vazio da Baixa aos fins-de-semana, movimentado o Rossio. Subindo as ‘Escadinhas do Duque’, cruzam-se passantes, gargalhadas, línguas de variegadas partes do mundo. É Verão, as pernas libertas caminham nuas. Algumas tomam descanso e janta nas esplanadas no aperto das escadas. Outras continuam o sobe e desce, copo de cerveja na mão, alegria da descoberta nas faces.

 

Já a noite de sábado ganhou ao dia, já o Euphoria satisfez requintadamente a fome com a cozinha marroquina chefiada pela Acinha. No seu francês limpo conversa e despede-se com simpatia dos que entraram fregueses e saíram conhecidos próximos. Do Largo da Trindade em diante, a descida pela do Alecrim. Antes, um Camões tão repleto de vidas como todo o baixio pombalino. Depois, é a noite de sobra que embala quem escolheu a cidade para vaguear com destino.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 13:07
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
9 comentários:
De Maria Brojo a 7 de Julho de 2010 às 17:55
Veneno C. - só de si caríssimo! ;)
De Veneno C. a 8 de Julho de 2010 às 00:05
Deus Bazóphya - Eça de Queirós, em 1872, escreveu n’As Farpas:

Nós estamos num estado comparável somente à Grécia: mesma pobreza, mesma indignidade política, mesma trapalhada económica, mesmo abaixamento de caracteres, mesma decadência de espírito. Nos livros estrangeiros, nas revistas quando se fala num país caótico e que pela sua decadência progressiva, poderá vir a ser riscado do mapa da Europa, citam-se a par, a Grécia e Portugal.

Essa é que é d'Eça ;-) Esta já é fedorenta (http://www.youtube.com/watch?v=vvNwGHVneNE)

Comentar post

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds