Domingo, 18 de Julho de 2010

BATOM-COLA

Gil Elvgren

 

Ainda maldigo os serviços que receberam, em meu nome, oferta - monografia do Gil Elvegren  que gentil-homem ofereceu. Até hoje a vi e os receptores devem ter-se aboletado com ela. Soube do caso, por acaso, num tu-lá-eu-aqui com o mandador. Não fosse a conversa ter curvado para o presente, jamais saberia as manhas dos (in)fiéis jardineiros do meu trabalho. Obra que presumo ilustrada e do melhor gosto. Como o que teria ao recebê-la. Mas não, evanouie pour toujours.

 

Fosse pela simpatia de amigos que têm a bondade de me mimar, pelo desafio ou irreverência ‘perplexei’. No momento, nem sim, nem não. Matutada durante par de dias a resposta, foi alcançado assentimento. A medo, que novidade desta jamais havia experimentado. Uma coisa é a balbúrdia no bastidor dos desfiles do mui querido Nuno Baltazar na Moda  Lisboa, outra é a passerelle com gentiaga crítica de olho assestado nos deslizes. Não sendo piquena para medos, a menos que chusma de baratas entupisse a passadeira, compareci. Tema do desfile: Pin-Ups. Substância: Lançamento dum aconselhador d’imagem (personal adviser) para quem, na matéria, precisar dos cuidados. Não eu que gosto de me bastar sem intervenção estranha.

 

Caicai em vermelho, preto e branco. Meias pretas com ligas encimadas por rendas e fitas tão rubras como sangue na guelra. Sandálias pretas compensadas e saltos de 9 cm. Desplante a meio do caminho entre aluguer e ‘todo o serviço’ complementado por bandós dum lado e liso comprido do outro encimado por malmequer. Maquilhagem feita de eyelyner e lápis e carmim nos lábios desenhados em coração. Susto tal – perdoe-me Estefânia -, que se o braço não sincronizasse o espelho a figura podia ser d’outra. À revelia do «conselheiro», óculos de lentes negras e armação branca a disfarçarem impressão digital: o olhar. Nem reclamou por saber do potenciado voltar costas.

 

Acabada a clausura nos bastidores e o desfile, fugi. Qual cocktail, qual festa, qual Indochina, qual quê! Num pulo, casa. Noite doce e manhã de praia. O oceano eliminou sobejos do maldito batom-cola.  

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 16:45
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds