Segunda-feira, 13 de Setembro de 2010

SANDES DE PEPINO

Douglas Hofmann, Jack Vettriano

 

Ler Eça e absorver a fusão entre romantismo e realismo. Apetitosamente mordaz nas personagens tipificadas, deliberadamente escolhidas para intocável retrato do país. Desfolhada a última página, tirar um café e estender visão íntima pelo que éramos e somos. Antes e agora, um sítio, este Portugal de ambições que a história enumera e soube, infelicidade nossa, desbaratar o havido. Começou o imbecil D. Fernando I e dele até agora, à custa da miséria do povo, só o narigudo Salazar comporia os cofres do Estado. Tenho para mim que poder nas mãos de bem apessoados reinantes (literal ou metaforicamente), exaurem as finanças públicas. Salazar tinha aquele ar de judeu das caricaturas que lendas e contos associam a avareza e a olho longo sobre o alheio. O nariz ajudava, a origem beirã complementava o modo como era e é lido nos feitos e defeitos.

 

Lá fora, Jane Austen, nascida, aproximadamente, três quartos de século mais cedo que Eça, não lhe ficou atrás. Através de ficções românticas, como era de bem para mulher filha da sua época, lidava com as palavras melhor do que com feitura de sandes de pepino. Intervinha cirurgicamente na sociedade que a envolvia – escrita cortante, subtilmente irónica. Sem piedade esventrava a desinteligência dos normativos públicos, tanto mais rígidos quando o estatuto económico subia ou era almejado trepar na rígida escada social. Desenhava homens perfeitos, mulheres frágeis e vítimas de tentação.

 

O texto despretensioso (Sexo? Sim, mas com orgasmo!) em que a Teresa C. aborda inquietação e dúvidas femininas sobre o constatado nos comportamentos de alguns homens sem que sobre eles teça vilanias, não foi genericamente entendido. Tomado como panfletário, súmula de queixas e mágoas de mulheres consignadas pelo estereótipo em uso. As argumentações dos comentadores provam-no. A razão última do ruído na comunicação escrita prende-se com a falta de talento em objectivar questões pela imitação rafeira de cronista que, querendo ou sem querer, a Teresa C. é.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 07:54
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
31 comentários:
De António a 13 de Setembro de 2010 às 10:14
lima - é (também o Eça, ou a sua invocação) uma forma de sublimação!

hortelã - se bem entendo, não há baixar a guarda, nem com evocação do botas e a sua oliv'arenta ascendência judaica!!

limão - o pepino que teimam botar no Hendrick's desperdiça ambos!!!

;_)))


De Maria Brojo a 14 de Setembro de 2010 às 17:38
António - limão, mais que lima. Adoro limonadas e capirinhas comme il fault. Vai uma? Take your pick, please.
De Veneno C. a 13 de Setembro de 2010 às 13:25
À procura do desconhecido

«Jane Austen (Steventon, Reino Unido, 16 de dezembro de 1775 – Winchester, Reino Unido, 18 de julho de 1817) foi uma proeminente escritora inglesa, que representa o exemplo de uma vida que, sem grandes sobressaltos, em nada reduziu a estatura da sua ficção. A ironia que utiliza para descrever as personagens de seus romances a coloca entre os clássicos, haja visto sua aceitação, inclusive na atualidade, sendo constantemente objeto de estudo acadêmico, e alcançando um público bastante amplo.

Nascida em Steventon, Hampshire, de uma família pertencente à burguesia agrária, sua situação e ambiente serviram de contexto para todas as suas obras, cujo tema gira em torno do casamento da protagonista. A inocência das obras de Austen é apenas aparente, e pode ser interpretada de várias maneiras. Os meios acadêmicos a têm considerado uma escritora conservadora, apesar de a crítica feminista atual reconhecer em suas obras uma dramatização do pensamento de Mary Wollstonecraft sobre a educação da mulher.»

Mais ou menos dúvidas?
Valha-nos Eça. É nosso!
De Maria Brojo a 14 de Setembro de 2010 às 17:40
Veneno C. - que me valha quem tal pode, seja Eça ou mestre sério em paciência. :)
De perseu a 13 de Setembro de 2010 às 15:27
Desculpe Teresa,mas qualquer referencia ao ultramontano provoca-me revolta e ódio.
A qualidade da crónica,a qulidade do video e o jogo geométrico nele contido foram largamente compensatórios de referencia ao manhoso.
De perseu a 13 de Setembro de 2010 às 15:28
QUALIDADE!
De Anónimo a 13 de Setembro de 2010 às 17:13
culidade, ça patero
De Anónimo a 13 de Setembro de 2010 às 17:25
Ultramontano (Espanha) partidário do ultramontanismo, ou seja, aquele que defende um maior poder temporal para a Igreja Católica, em detrimento do Estado.

Ultramontanismo refere-se à doutrina política católica que busca em Roma a sua principal referência. Este movimento surgiu na França na primeira metade do século XIX. Reforça e defende o poder e as prerrogativas do papa em matéria de disciplina e fé.

Destacaram-se como líderes deste pensamento Joseph de Maistre, Lamennais, Louis Veuillot, dentre outros.

Este movimento católico pretendia contrariar o fenómeno de que “na França, como em outras partes do mundo católico, a Igreja estava se tornando inexoravelmente um departamento do Estado.” (Eamon Duffy)

Por qué no te callas, huevón?

Vete a descansar desenchúfate de una vez! (http://s234.photobucket.com/albums/ee35/asbu/?action=view&current=los10mandamientosdelhuevon.jpg&newest=1)
De Maria Brojo a 14 de Setembro de 2010 às 17:41
Perseu - que refrescante alguém que por sistema não me bota abaixo! Obrigadinha. Obrigada.
De -pirata-vermelho- a 13 de Setembro de 2010 às 17:04
Veja-se-m'então lá bem bem só ao qu'isto chegou...


1
a autora -Teresa C- fala de si na 3ª pessoa, majestática
2
diz que foi tido por panfleto aquilo que... será o quê?
3
(ora, nem crónica nem panfleto; cá pra mim...)
4
'e tudo' num quadro de referências implícitas que não se contanta com menos que a Jane Austen.
5
ah, qu'a ganda lata!
&
é não esquecendo que o, assim dito, tema era aquela conversa sobre ameaços e fodilanços que nada tem a ver com a arte disso mesmo de tão estafada que está no palavreado fiado qu'a gente pr'aí usa.
De Maria Brojo a 14 de Setembro de 2010 às 17:43
Pirata-Vermelho - Ok, sexo é tema maldito, muito do resto é tido por copianço, falta de criatividade e bom uso do escrever português são pecados da dona da Teresa C. Que bom para ambas!
De Anónimo a 13 de Setembro de 2010 às 20:06
Agora... a pobre é que paga? E a mulher que se esconde por trás? Inquietações? Súmulas de queixas e mágoas? Estereótipo em uso... da mulher ou do homem? Há bons manuais publicados. Há organizações de apoio. Organizem-se e façam pela Vida.

o Corpo e a Cabeça (http://www.youtube.com/watch?v=R8DrXK8WS4k)
De -pirata-vermelho- a 13 de Setembro de 2010 às 20:18
Não se esteja a sabujar...
De Anónimo a 13 de Setembro de 2010 às 23:41
Pois é... precipitou-se e mostra bem que é demasiado lesto a molestar. Muito paternalista... Avôzinho? Nem isso. O comentário não é ao seu comentário. Até parece a autora a defender-se da Dona. ;-))
De -pirata-vermelho- a 14 de Setembro de 2010 às 00:02
Pois é... o comentário foi ao seu palavreado. Quando não copia, não porfia, mnina, mostra-se débil ou bajuladora.

Vá, faça lá vint'cinco anos qu'a gente espera um bocadinho...
De Anónimo a 14 de Setembro de 2010 às 00:25
Querias...

Olha m'este! Que lhe saiba bem... E meta a debilidade e a bajulice onde lhe disse ;-))

Oh... les belles senteurs, mon dieu

Além doutros que vai acumulando, também 'coltiva' a velhice como um posto.
De -pirata-vermelho- a 14 de Setembro de 2010 às 12:18
'Olha-m'este' pensei eu; antes de si, sem si mas a pensar em si, incipiente, há uma data de tempo!
Vê-se que actua com'o papagaio ou como o macaquinho qu'imita sem saber o quê.
Já viu um chimpazé?
Tal e qual... só não 'googla'.


(o verbo 'googlar' foi aprendido em texto seu, já antigo; uso para que possa perceber o que digo)
De Anónimo a 14 de Setembro de 2010 às 13:30
Ganda novidade. Previsível ao máximo. 'Googlar' incomoda? Que pena... Copiar também? Peníssima.
Faço o que me agrada e que cumpre com os meus objectivos. Divirto-me, também. Quais são as regras do jogo? Não copiarás... Não 'googlarás'... apenas arrotarás as postas que bem entenderes... ditarás acima dos outros as tuas normas. Isto é um concurso de exibição de 'sapiência'.
Conheço figuras bem mais antipáticas que a do chimpanzé (não sei se está a ver... ) e nutro especial simpatia pelo papagaio (acabei de lhe dar girassol) e pelo macaquinho, que encontro a cada momento... sabe-se lá onde? Passe bem, não (se) incomode.
De Anónimo a 14 de Setembro de 2010 às 14:03
Lapsus teclae - Reparo que terá aludido (involuntariamente?) a uma figura inovadora e que poderá estar-lhe no sangue (vermelho?): chimpazé.

Com essa não simpatizo nada... e convirá tomar providências.

Admito que o seu 'status' permita enxergar a realidade, mas... na dúvida... lá vou recorrer mais uma vez à 'googlagem' e enriquecer (ilustrar?) esta imitação com uma bela imagem, à semelhança dum grande pensa-dor da nossa 'praça' (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Lightmatter_chimp.jpg)
De Anónimo a 14 de Setembro de 2010 às 14:23
A fechar a cena, um ar de graça, vale bem a pena:

«Uma mulher foi com o marido ao zoológico e, quando chegaram perto da jaula do chimpanzé, seu marido lhe contou que o chimpanzé tem o apetite sexual parecido com o do homem, inclusive se excita com mulheres.

A mulher ficou toda assanhada e resolveu experimentar, chamando o chimpanzé e passando a mão nas coxas... O chimpanzé arregalou os olhos para a mulher e esta, satisfeita com a reação do chimpanzé, resolveu levantar a saia e mostrar a calcinha para ele. O chimpanzé começou a urrar e gritar. A mulher, mais empolgada ainda, resolveu tirar a blusa para o chimpanzé e ele gritou e começou a balançar a grade da jaula.

O marido lhe advertiu para que parasse, mas ela prosseguiu:

— Quero ver o que ele faz agora!

E tirou por completo sua roupa, ficando nua na frente do chimpanzé. Este gritou, não aguentou e arrebentou a grade, vindo na direção da mulher:

— E agora, querido, o que que eu faço?

E o marido respondeu:

— Por que você não tenta explicar para ele que está com dor de cabeça, ou que acabou de fazer as unhas?»

Maldito Google! Embora possamos recorrer a muitos outros malefícios das novas tecnologias... este está institucionalizado e ajuda muito (até a irritar os que pensam ter algum exclusivo sobre o dom de 'axiomatizar'). TARRENEGO!

De Maria Brojo a 14 de Setembro de 2010 às 17:56
Anónimo - importa-se de me deixar por fora da diatribe?
De Anónimo a 14 de Setembro de 2010 às 20:23
Importo, claro. Não foi essa a intenção... Só comparei reacções.
De Maria Brojo a 14 de Setembro de 2010 às 17:44
Anónimo - cacofonia que repete. Já cansa.
De Anónimo a 14 de Setembro de 2010 às 20:26
Não estou a ver... a mim também me cansam as repetições e os despropósitos, como as imprecisões. Com isso sofro, não apenas me canso.
De Leonor a 13 de Setembro de 2010 às 23:58
Teresa, "no way" :)
Na minha opinião, o referido post não foi tomado por panfletário. Os comentários apenas atestam o desconforto que o tema (ainda) provoca em alguns homens. E que é uma ilusão imensa dizer que se pode debater questões de sexualidade com "naturalidade".
E lembrei-me (imagine) de um artigo do J Cesar das Neves sobre a "ditadura do orgasmo". Logo algumas "mentes abertas" apareceram a barafustar. Mas, será que estamos assim tão longe da referida "ditadura"? Se o um texto brilhante refere que a expressão física do desejo e do afecto pode não ter como objectivo supremo o orgasmo (foi assim que interpretei o post da Teresa) e suscita comentários embaraçados e muito cautelosos?
Vou reflectir :)
De António a 14 de Setembro de 2010 às 08:57
reflectir é sempre bem, tomo também medida do princípio activo receitado e subscrevo inteiramente a nota do desconforto observado, que aliás ouvi em comentários não escritos ao mesmo post - sim, a audiência do SPNI é mais vasta que a lista de comentadores!

porém, não se poderá, sem hesitar, restringir tal desconforto a "alguns homens", partilhado que é por muitos homens e muitas mulheres

oportuno é, pois, o texto de Dario Fo, também assim a sua encenação, como a sua corajosa representação - e, obviamente, a referência e realce em que o post sob comentário se traduz

num comentário inicial, procurei unificar, sem exegese nem qualquer pretensão, as abordagens dos diferentes temas que inspiraram o post: Moçambique, a reforma, a comédia (genial, tratar a rir um assunto sério, precisamente para o descomplicar e nos descomplexar) sobre o orgasmo

as reacções provam o nervosismo, mais que mero desconforto

o tema é ou pode ser múltiplo, simultâneo e explosivo, já sabemos

ou vamos já saber...

;_)))


De Veneno C. a 15 de Setembro de 2010 às 03:29
Reflectir é sempre bem (quando não é mal).
Reflectir será bom fazê-lo antes de de concluir, antes de publicitar. Ou, simplesmente, opina-se, sendo-se livre de pensar, opinar, exprimir.

Mas há o respeito pelas diferenças e pelas consequência e pelas circunstâncias.

Dois homens, duas mulheres, cada par/casal/ocasião, cada trio/quadra/etc., terão sexo (relação sexual) com resultados diferentes (melhores/piores) emocional e fisicamente, com suas alegrias/tristezas, sem que isso deva ser tema de confronto por pior/melhor desempenho dum ou dos dois.

Como noutras situações do foro pessoal (íntimo?).

Para quê a salvaguarda do dados pessoais? Só para evitar/dificultar que o fisco cobre aquilo que deve? Para permitir esconder/forjar iegalidades?

Não consigo entender onde se quer chegar, reflectindo. Entendo a comédia, como diversão. Tema fácil, por irreverente, como a gaguez, a coxice, o estrabismo, a obesidade... e tantas outras anomalias do foro pessoal/humano.

As anomalias/doenças tratam-se sem ser na 'praça pública' (hemorróidas, mau hálito, tuberculose, cancro, sida) ou então acabe-se com o sigilo profissional.

Hoje discute-se (e recrimina-se) que os jovens alunos mais carenciados possam vir a sentir-se diminuídos/excluídos/traumatizados por não receberem os livros nas mesmas condições que os 'mais favorecidos'.

Há auto-estima em jogo? Há riscos de danos causados por complexos inferioridade/superioridade? Reflitamos... O que se ganha/perde humana/socialmente? Não importa? Mostarda é refresco? Sinceramente, a 'piada' é pouca ou é negra.

A orelha do Sousa Franco ficou menos feliz na boca do Paulinho, como a sua falta de descendência ficou baixa na língua do Louçã.

Como a irreverência do Herman... já foi (bem pior).

http://www.youtube.com/watch?v=2uJoWlke_5w&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=fO1gJT_iEX4&feature=related

De Veneno C. a 15 de Setembro de 2010 às 04:27
Lá que foi incomodativo foi...

«1994-95 In October, Franca opens in Milan with "Sesso? Grazie, tanto per gradire!", by Franca Rame and Jacopo and Dario Fo, based on Jacopo Fo's book Lo zen e l'arte di scopare (more than 300 000 copies sold). In the grotesque and ironic text, Franca Rame - departing from her own first sexual experiences - illustrates how we are kept in the dark as we grow up, with the idea that sexuality - above all women's sexuality - is something indecent. At first, the Ministerial Commission for Censorship bans the performance for minors under 18 years. After two months of press campaigns and litigation, the ban is dropped, and the performance is described as "brimming with profound maternal love and therefore recommended to minors".»

in http://nobelprize.org/nobel_prizes/literature/laureates/1997/fo-bio.html

Tal como nos vários programas de ensino... vale (quase) tudo em nome duma mudança, pela mudança, pelo romper com o passado, pelo publicar/vender sempre mais, sem preservar valores essenciais, anarquizando até. Família? Bem estar? Ah... estamos em crise!
Big Brother (1, 2, 3, ...), Morangos (com Veneno), ...

http://www.youtube.com/watch?v=u-rJ-6hBfSo

De António a 15 de Setembro de 2010 às 10:09
sim, diferença!

e que distância...

o exemplo de tratar de doenças (sida, cancro...) fora da praça público falha completamente a componente de percepção colectiva e dos comportamentos sociais, quantas vezes preconceituosos até um esforço adequado, ainda que por via de teatralização ou assimilação noutras esferas artísticas ou da intervenção cívica

também assim quanto a outros comportamentos: a corrupção, o abuso de poder, etc., de que ninguém passa recibo e muitas vezes são abafados ou não reconhecidos até à sua denúncia e discussão públicas

porque o problema está precisamente em muitos não entenderem que há um problema

e quando é o caso...

;_)))


De Maria Brojo a 14 de Setembro de 2010 às 17:48
Leonor - entendeu muito bem o que quis transmitir. Que ninguém julgue que me abate pelo refúgio nos ataques comuns. Coitados dos eles que mais rejeitam expor, conquanto vejam - digo eu, porque optimista.
De Anónimo a 14 de Setembro de 2010 às 21:45
Vox populi (http://www.youtube.com/watch?v=fnE5gMbPTps&NR=1)

Comentar post

Recomendo:

Exposição de Artes Plásticas - Conceito

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds