Domingo, 7 de Novembro de 2010

ELAS, AS FATAIS

Colecção "Outono nos Parques de Lisboa - 2010"

 

Investem nos rubros sob a forma de bagas ou filamentos macios como seda. Desdobram-se numa euforia lasciva de recônditos expostos e, pudor descartado, reagem aos preliminares soalheiros do amanhecer outonal. Durando a noite, engoliram o suco abundante que o solo/membro ofertou. Até se diluírem nele. Até a noite amansar desejo por mais e mais. Acordadas, da brisa leve quiseram o tremor e ternura, evitando das gotas o sacrifício - pérolas de suor que não desdenharam porque a Oeste o frio só é quando lhe é permitido ser.

 

 

As que pendem, falsamente cansadas ou com vergonha, bebem a água da luz após noite de vela e cheia. E não brincam às pudicas ‘senhoras donas’ -  olham o chão que as penetra, donde se erguem; por ele levantadas e abertas e risonhas ao saudarem a madrugada cujos segredos dominam sem deles contarem minúcias. Voluptuosas, ainda dura a preguiça quando o dia é meio.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Cortesia de Veneno C.

 

publicado por Maria Brojo às 10:47
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds