Quarta-feira, 10 de Novembro de 2010

IMPÉRIO DO ‘TEM QUE SER’

Nathalie Picoulet, Mauro Cano

 

Por razões profissionais e voluntárias, veio recambiada para Lisboa. Aluguer de casa, mudança dos púcaros e tarecos, novo ambiente de trabalho. Cidade por dominar nos atalhos e desvios e nos caminhos d’alcatrão que dum lugar levam a outro. Treina percursos, acabada jornada de trabalho. Filha pequena a 300km de distância por ter iniciado actividades lectivas ainda a mãe não mudara do ninho quente que às duas comprazia. Uma vez por mês, está com a sua menina na cidade donde veio, custos descontados no parco vencimento de licenciada com pós-graduações no cume das ondas científicas; na outra é o pai, ex-marido, que lha traz. A renda paga ao senhorio pela casa digna que de Janeiro em diante, acabado o primeiro período escolar, alojará mãe e filha. Do pré, leva a maior fatia. Descompensada afectivamente pela ausência da criança prolongamento do útero e amor maior. Ouve-a ao telefone. Umas vezes chora, raramente espraia no rosto sorriso - apavora-a perder o cordão que unia ambas.

 

Procura escola para a filha. Sobreviver capital na capital. Compatibilizar horário de trabalho com o cuidado de estar na escola a tempo e horas para a menina não sentir esperas de falso abandono. Mulher só na moura urbe. Sem rede de apoio familiar. E quando vierem febres infantis? Faltar pode, mas não deve sob pena de danos profissionais que à pequena família acrescente reveses. Quotidiano difícil para mães e pais isolados com filhos a cargo. Famílias monoparentais, classificação useira. Nelas, o império do ‘tem que ser’ substitui escolhas. Valem, como âncora, afectos - «novam» e renovam o brilho dos dias.  

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 07:42
link | favorito
De perseu a 10 de Novembro de 2010
Não é fácil fazer uma pega à vida quando ela nos dá tarrascadas.
Esta crónica retrata um cotidiano de centenas de mulheres que procuram,com todo o direito,o seu graal.
De Dobra a 10 de Novembro de 2010
Esta crónica revela uma realidade dura. Porque mulheres assumem sozinhas educação dos filhos ou... porque homens/pais se demitem da função essencial para com os filhos. Sabemos que o espírito de sacrifício está do lado de cá mas também sabemos que, muitas vezes, o lado de cá assume responsabilidades por pensar ser o único lado. Mentira. Filhos têm pai e mãe, mesmo que separações sirvam de desculpa para "lavar as mãos" de vínculos eternos.
De -pirata-vermelho- a 10 de Novembro de 2010
Esta crónica revela o desconchavo de uma modernidade apressada e sem entendimento da gente; apesar dos lá referidos píncaros de créditos e de ciências.
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds