Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011

SENTIMENTOS RELES?

G. Boersma, Ross Watson

 

Estudos internacionais provam duas características fundamentais dos portugueses: péssima relação com o tempo e com o sentimento de culpa. O ‘agora’ traduzimos por ‘amanhã’, a culpa é enxotada para quem estiver a jeito. Ambas responsáveis pela reduzida produtividade, pelo desejo e encosto a um Estado-Providência zelador e, de todos, procurador que estenda a bandeja das necessidades satisfeitas, nos substitua no empreendedorismo, alije de cada um a culpa se o caminho entortar.

 

Tomemos como exemplo a falência duma empresa. No Japão, nos Estados Unidos, é tida por consequência dum erro colectivo que engloba a entidade gestora e os trabalhadores. Por todos os intervenientes é feita a análise crítica da situação. Detectadas as falhas dos diferentes sectores. Em Portugal, o culpado é o dono colectivo ou solitário coadjuvado pelas estruturas cimeiras; os assalariados com menor grau de diferenciação dizem-se vítimas, bem como os eventuais credores. Um dos vértices trágicos é, recorrentemente, estes últimos continuarem a fornecer bens ou serviços mesmo sabendo que a empresa, se nacionalizada melhor, caminha para a ruína. Confiam uns e outros no Estado-Providência que, com o suor de todos os portugueses, os indemnizará do risco voluntário. Por outro lado, a nossa gestão empresarial soe não apreciar transparência da contabilidade e das situações correntes que mantenham conscientes os trabalhadores. Prefere a ditadura do silêncio, do mistério/recurso de usos e abusos. As abissais diferenças de salários entre empregadores e empregados constituem parte dos motivos desculpabilizantes que os demasiado mal pagos alegam. Desta, com razão.

 

Alguém mais sabedor dos meandros labirínticos das micro e macro economias me avalie o arrazoado e aponte os logros/tropeços. Adianto: experimento sentimentos progressivamente mais reles contra as excessivas mordomias dos excessivos príncipes sociais.

 

CAFÉ DA MANHÃ

  

publicado por Maria Brojo às 06:53
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
16 comentários:
De António a 14 de Janeiro de 2011
mesmo pouco sabedor, ouso partilhar:

1 - elevemos os sentimentos, do mesmo passo que, mesmo ante diferenças remuneratórias gritantes e outras injustiças mais ou menos evidentes, importa analisar informadamente, discutir e criticar, propondo alternativas, de preferência construtivas e exequíveis, nomeadamente que todos possam aceitar e compreender ou, no mínimo, irrefutáveis por quem não aceite ou entenda

2 - diferença fundamental na origem da vitimização de trabalhadores e outros credores em muitos casos de insolvência, face aos exemplos indicados, é a incompreensível demora do processamento judicial - se um caso de falência demorar 5 anos a resolver (todos os dias ouvimos nos media situações de adiamento de julgamentos ou audiências, por vezes com nova data para o ano que vem ou mesmo sem nova marcação - mas a realidade, que não passa nos media, chega a ser muito pior) arrastando e prejudicando tudo e todos, exaurindo o património em custas, peritagens e em créditos preferenciais, eis o desencanto justificado e a maior desconfiança quanto à "revitalização" por via falimentar

acresça, ao pandemónio, que os patrões falidos continuam a vogar de mercedão em mercedão quando não o ferrari em que o País é estranhamente campeão de vendas, e por acaso abriram outra fabriqueta ao lado, porventura com as mesmas máquinas senão mesmo com os mesmos fornecedores sem lhes pagar (porque vão buscar uns subsídios catitas) e os mesmos trabalhadores sem os indemnizar (que, em alguns casos, estão à sorrelfa a receber do desemprego...)

3 - quanto à culpa, estamos de acordo, livramos-nos dela mesmo antes de a termos, assacamos a peçonhenta aos demais e, as mais das vezes, é imputada a entidade abstracta (eles ou, de preferência, o Estado), a alguém sem nomear (quem manda ou "vocês sabem de quem estou a falar") ou ... ao morto e são raras, mesmo no mundo do jornalismo de que se esperaria muito mais, a indicação clara de factos e do nome dos envolvidos, para nosso informado julgamento, mas também das autoridades

eis a barca do sortilégio em que navegamos, se bem que a inteligência, a lucidez e alguma combatividade sejam velas capazes de bolinar

;_)))


De Maria Brojo a 14 de Janeiro de 2011
António - O meu escrito foi a introdução, o seu é o Texto.
De -pirata-vermelho- a 14 de Janeiro de 2011
Oh mnina, a mnina parece um salta-pocinhas - elenca o agora-amanhã e a culpa-do-outro e salta para o EstadoProvidência para continuar no Japão?
Só pode estar a atirar poeira p'ós olhos do leitor...
ou pagam-lhe para dizer essas coisas, para lançar cortinas de fumo e a mnina não resiste a mais uns trocos?

(ai o caraças...!)
De Maria Brojo a 14 de Janeiro de 2011
Pirata-Vermelho - Terá muita razão, mas das suas suspeições, em particular da última, não gostei.
De -pirata-vermelho- a 14 de Janeiro de 2011
Não se trata de uma suspeição, trata-se de chamar a atenção para mecanismos dessa natureza, conhecidos, praticados por muita gente e que assumem esta mesma forma.
Se houvesse suspeição tratá-la-ia consigo directamente e nunca neste ambiente partilhado.
Ou não tratava... tout court.
De -pirata-vermelho- a 14 de Janeiro de 2011
Registo que regista que tenho alguma razôncia

Não por mim...
De Maria Brojo a 16 de Janeiro de 2011
Pirata-Vermelho - teve 'razôncia', sim. Entre nós, desencontro com memória não existe. Mas sim, sei que se rebela quando, e tantas vezes são, sou insignificante.
De perseu a 14 de Janeiro de 2011

Parece-me que esses estudos internacionais,mais uma vez,opinam sobre o que desconhecem:desconhecem a realidade daquilo que são 95% dos ditos empresários,desconhecem a baixa qualificação técnica do trabalhador,desconhecem que o empresário português não prima pela inteligencia nem tão pouco pelo conhecimento técnico-académico.
De Maria Brojo a 16 de Janeiro de 2011
Perseu - nem sempre, nem nunca. Mas tem parcela de razão na realidade que descreve.
De MUITO DENSO... a 15 de Janeiro de 2011
E LOGO POUCO LEGÍVEL

ALém de ser irrealista
De perseu a 15 de Janeiro de 2011

Neurónios muito densos não significam inteligencia.
Depois não me dirigi a si ,mas à cronista,logo perdeu uma excelente oportunidade para estar calado.
Favoreça-me com a sua ausencia e feche a porta por fora.
De teseu a 15 de Janeiro de 2011
Faculdade exclusivamente psíquica e, portanto, espiritual, para compreender em evidência a ordem causal da ação ou do fato. Faculdade que conhece e identifica as formas essenciais e causais de qualquer coisa ou evento.

"Os indivíduos diferem na habilidade de entender ideias complexas, de se adaptarem com eficácia ao ambiente, de aprenderem com a experiência, de se engajarem nas várias formas de raciocínio, de superarem obstáculos mediante o pensamento. Embora tais diferenças individuais possam ser substanciais, nunca são completamente consistentes: o desempenho intelectual de uma dada pessoa vai variar em ocasiões distintas, em domínios distintos, a se julgar por critérios distintos. Os conceitos de 'inteligência' são tentativas de aclarar e organizar esse conjunto complexo de fenômenos."

Se dúvidas restassem, aqui vai uma narrativa circunstancial

http://pepitas2a.blogspot.com/2010/05/teseu-e-o-minotauro.html
De Maria Brojo a 16 de Janeiro de 2011
Perseu - julgo que o comentário me era dirigido e não a si. Pelo menos, assim o tomei.
De Maria Brojo a 16 de Janeiro de 2011
Muito Denso - pejado de razão. Escrevi para mim e não para o leitor. Ora, ninguém tem obrigação de adivinhar o que pretendo comunicar.
Crítica justa. Obrigada.
De teseu a 16 de Janeiro de 2011
Quem são esses 'príncipes' sociais?
E 'excessivos' como? Em quantidade?
Se forem (mesmo) príncipes, não haverá que sentir relesmente por eles. Príncipes são nobres e magnânimos!
Se lhe retirarmos o acento e lermos em francês, fica o problema resolvido em português: princípios sociais é o que está mesmo em causa. E não são excessivos, antes pelo contrário, estão em forte crise.
E reles vai sendo a crescente indiferença com que tais 'excessivas mordomias' são consentidas na (nossa) sociedade.
De Maria Brojo a 17 de Janeiro de 2011
Teseu - aqueles que recebem mordomias privando o povo de vida melhor; aqueles que, de cima, lhas conferem; aqueles que se tomam por elite intelectual e social, deliberadamente esquecendo que a dignidade existe.
Que estão em falência sabemos nós. E é reles não questionar a existência de tanta chulice dos anónimos que oprimem.

Comentar post

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds