Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011

SENTIMENTOS RELES?

G. Boersma, Ross Watson

 

Estudos internacionais provam duas características fundamentais dos portugueses: péssima relação com o tempo e com o sentimento de culpa. O ‘agora’ traduzimos por ‘amanhã’, a culpa é enxotada para quem estiver a jeito. Ambas responsáveis pela reduzida produtividade, pelo desejo e encosto a um Estado-Providência zelador e, de todos, procurador que estenda a bandeja das necessidades satisfeitas, nos substitua no empreendedorismo, alije de cada um a culpa se o caminho entortar.

 

Tomemos como exemplo a falência duma empresa. No Japão, nos Estados Unidos, é tida por consequência dum erro colectivo que engloba a entidade gestora e os trabalhadores. Por todos os intervenientes é feita a análise crítica da situação. Detectadas as falhas dos diferentes sectores. Em Portugal, o culpado é o dono colectivo ou solitário coadjuvado pelas estruturas cimeiras; os assalariados com menor grau de diferenciação dizem-se vítimas, bem como os eventuais credores. Um dos vértices trágicos é, recorrentemente, estes últimos continuarem a fornecer bens ou serviços mesmo sabendo que a empresa, se nacionalizada melhor, caminha para a ruína. Confiam uns e outros no Estado-Providência que, com o suor de todos os portugueses, os indemnizará do risco voluntário. Por outro lado, a nossa gestão empresarial soe não apreciar transparência da contabilidade e das situações correntes que mantenham conscientes os trabalhadores. Prefere a ditadura do silêncio, do mistério/recurso de usos e abusos. As abissais diferenças de salários entre empregadores e empregados constituem parte dos motivos desculpabilizantes que os demasiado mal pagos alegam. Desta, com razão.

 

Alguém mais sabedor dos meandros labirínticos das micro e macro economias me avalie o arrazoado e aponte os logros/tropeços. Adianto: experimento sentimentos progressivamente mais reles contra as excessivas mordomias dos excessivos príncipes sociais.

 

CAFÉ DA MANHÃ

  

publicado por Maria Brojo às 06:53
link | favorito
De António a 14 de Janeiro de 2011
mesmo pouco sabedor, ouso partilhar:

1 - elevemos os sentimentos, do mesmo passo que, mesmo ante diferenças remuneratórias gritantes e outras injustiças mais ou menos evidentes, importa analisar informadamente, discutir e criticar, propondo alternativas, de preferência construtivas e exequíveis, nomeadamente que todos possam aceitar e compreender ou, no mínimo, irrefutáveis por quem não aceite ou entenda

2 - diferença fundamental na origem da vitimização de trabalhadores e outros credores em muitos casos de insolvência, face aos exemplos indicados, é a incompreensível demora do processamento judicial - se um caso de falência demorar 5 anos a resolver (todos os dias ouvimos nos media situações de adiamento de julgamentos ou audiências, por vezes com nova data para o ano que vem ou mesmo sem nova marcação - mas a realidade, que não passa nos media, chega a ser muito pior) arrastando e prejudicando tudo e todos, exaurindo o património em custas, peritagens e em créditos preferenciais, eis o desencanto justificado e a maior desconfiança quanto à "revitalização" por via falimentar

acresça, ao pandemónio, que os patrões falidos continuam a vogar de mercedão em mercedão quando não o ferrari em que o País é estranhamente campeão de vendas, e por acaso abriram outra fabriqueta ao lado, porventura com as mesmas máquinas senão mesmo com os mesmos fornecedores sem lhes pagar (porque vão buscar uns subsídios catitas) e os mesmos trabalhadores sem os indemnizar (que, em alguns casos, estão à sorrelfa a receber do desemprego...)

3 - quanto à culpa, estamos de acordo, livramos-nos dela mesmo antes de a termos, assacamos a peçonhenta aos demais e, as mais das vezes, é imputada a entidade abstracta (eles ou, de preferência, o Estado), a alguém sem nomear (quem manda ou "vocês sabem de quem estou a falar") ou ... ao morto e são raras, mesmo no mundo do jornalismo de que se esperaria muito mais, a indicação clara de factos e do nome dos envolvidos, para nosso informado julgamento, mas também das autoridades

eis a barca do sortilégio em que navegamos, se bem que a inteligência, a lucidez e alguma combatividade sejam velas capazes de bolinar

;_)))


De Maria Brojo a 14 de Janeiro de 2011
António - O meu escrito foi a introdução, o seu é o Texto.
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds