Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2014

CESARIANA QUE TENHO PRESSA

 

 

  

Jan Esmann 

 

Pouco depois dos olhos piscarem decididos a abrirem-se para o dia, depois dos rituais básicos das manhãs, o comum: ligar a rádio e ouvir novidades matutinas raramente quentes e boas como castanhas saídas do assador.

 

Do que ouvi, além da mais sumarenta, quatro notícias merecem destaque :

- morreu Paco de Lucía, o génio musical e mestre da guitarra andaluza;

- pelo segundo ano consecutivo, anulada a Feira do Livro no Porto;

- as declarações do nosso seráfico Presidente em São Francisco perante assembleia de jovens portugueses altamente qualificados. Descreveu Portugal como oásis distante do negrume que a imprensa internacional soe relatar;

- o Parlamento Europeu discute criminalização e multas a que estão sujeitos clientes de prostitutas, agravadas as penas se as «meninas de aluguer» tiverem idade inferior a 21 anos. De imediato, estas e o sindicato a que pertencem rebelaram-se. Presumo que por estarem em jogo os respetivos proventos e o direito a disporem livremente do seu corpo.

A estas e outras lá irei em dias próximos.  

 

O relevo do acontecido em Portugal vai direto para um estudo de duas investigadoras da Universidade de Aveiro. Transcrevo a notícia da Agência Lusa, pela convicção de que se deixar com rédea solta a minha subjetividade desaparece a essência objetiva do assunto. E merece-a.

“Um estudo hoje divulgado conclui que o elevado número de cesarianas efetuado no serviço público de saúde deve-se ao facto de os hospitais não terem profissionais suficientes "para que haja tranquilidade" na hora de decidir.

O estudo sobre a realização de partos, elaborado pelo Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial (DEGEI) da Universidade de Aveiro, conclui que a preferência pela cesariana é tomada muitas vezes num contexto de cansaço por turnos prolongados e partos morosos.

"No setor público, os médicos ganham uma remuneração fixa, independentemente das consultas ou das cirurgias efetuadas. Assim, a preferência pela cesariana em detrimento do parto natural não se deve a questões económicas mas organizacionais. A opção pela cirurgia deve-se ao facto de os hospitais não terem profissionais suficientes para que haja tranquilidade na tomada da decisão mais apropriada", refere o estudo.”

 

Mais refere:

- por cada parto natural, um parto cirúrgico;

- aumento de 70% no número de cesarianas efetuadas no último ano;

- no privado, o número e substância dos exames requeridos durante mais consultas que o habitual no seguimento das grávidas, envolve proventos acrescidos para os médicos e para a instituição;

- ainda no privado, parto cirúrgico requer prolongar o internamento.

 

Repito: desde há alguns anos a esta parte, Portugal mais se afunda no rótulo de sítio mal frequentado.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Nota: porque morreu Paco de Lucía, homenagem merecida.

 

publicado por Maria Brojo às 09:24
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds