Segunda-feira, 8 de Setembro de 2014

COBERTA PELA NOITE A CIDADE

  

Karin Jurick

 

Esbofeteá-lo era pouco. Demais para o gelo que sentia. A (des)conversa colada ao ouvido deixara-a assim: fria e ferida. Enrodilhada no sensível, na sétima nota da escala diatónica. Tom inteiro que os cinco semitons, separados pela distância, a fúria ignorava. Silenciara o jazz das noites suaves em que delas geria o fluir e um corpo era ausência.

Não o queria sempre. Que viesse, que fosse, que lhe deixasse tatuado na pele um arrepio louco. Que, após a partida, fosse tempo de anular vestígios, as máculas ansiadas, depois inúteis. Retomaria, então, a ela outra que rejeitava espartilhos.

   

Nos pés nus sentiu a madeira do soalho _ macia, genuína, indulgente. O contrário da fraga arrogante que acabara de ouvir. Um nada fora o rastilho que fizera arder a pólvora sem fumo. Na partilha do dia quase extinto, descrevera, ligeira, o almoço de trabalho. Por via da mesa conhecer o possível duma alma que o rosto e a fala sempre denunciam. Intrigara-a o pintor. Traço gráfico definido pelo óleo. Explosão de sentidos. Telas com arrojo e falo falado. Curvas e renda, talvez ligas, talvez intrincado labor debruando sutiã ou combinação antiga.

 

Resistia à crueza do comércio. Teima que encontrara abrigo no Largo do Picadeiro. Estilhaçava a alvura nas paredes do retângulo modesto com o amor/vício pelo sentir. Luzia cor e coragem nas pegadas suspensas. Antes de lhes ceder o branco vertical, carecia de entender quem o pincel manobrava. Quais as partes de enxofre e salitre, a qualidade do carvão mineral que dela e doutros fariam explodir os espíritos. Por isso o almoço. Outro entre muitos que a desviavam da galeria. O Mário como novidade e companhia.

 

A meio, ele ligara. Pelo relógio, supunha-a absorta na galeria, imersa na luz fria, os troncos despidos e a calçada e o limite de São Carlos como fundo. A porta por moldura. Mas fora ruído que ele ouvira, a voz dela, prática, esquecida da doçura costumada. Vira, sem o ver, brilho cortado em diamante nos olhos, sorriso bailarino nos lábios cheios donde vertia mel que (...)

 

Nota - Artigo publicado integralmente aqui.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:45
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds