Sábado, 8 de Fevereiro de 2014

NO PORTO, SALVOU-SE O "ALEIXO"

 

 

 

The Travelling Companions by Augustus Leopold Egg                                                     Autor que não foi possível identificar

 

“O que mal começa tarde ou nunca tem arranjo”. Adágio certeiro. O povo acumulou sabedoria que traduziu em sínteses rimadas e curtas. Ditos populares, ouvidos desde a infância, merecem reverência.

 

Madrugar num fim-de-semana só por obrigação ou masoquismo. Mas a agenda existia, reclamava cumprimento e, pelas seis, guinchou no despertador. Destino: Porto. Alfa Pendular como veículo – quem aos comboios reserva apreço mítico, não resiste; entre as quatro rodas atentamente comandadas e o descanso na viagem que demora o mesmo, a escolha é simples: comboio. O Oriente recebeu duas mulheres em abafos quentes e providas de chapéus pelo frio mais a chuva anunciada.

 

Já o alumínio embalava sonolência desacomodada havia duas horas, quando parou fora de sítio. Na inusitada Pampilhosa, inquirido o revisor. Explicação:

_ “Um desafortunado, colhido entre linhas, pela morte interrompera o andamento das vidas passageiras. Imprevisível a retoma. Imprevisível espera pela vinda do Delegado de Saúde, identificação da vítima, remoção do corpo.”

 

Os telefones dos passageiros apitavam em cacofonia. Porque nas tragédias inevitavelmente se alevantam líderes, o do momento foi eficaz. Que ele e o sócio, pela urgência duma reunião, sairiam do comboio ali mesmo. Que o revisor no bilhete e por escrito registasse a causa. Saíram quatro passageiros: as duas mulheres, o líder e o sócio. Táxi como remedeio. Pelo conhecimento pessoal do chefe máximo da CP, o líder garantiu o reembolso dos 120 euros da corrida revelada amável pela simpatia e conversa das companhias, disse. Uma delas sugeriu “acompanhamento psicológico e ser indemnizada pela privação da magnífica imagem das escarpas, das pontes que ladeiam e unem Porto e Gaia que nunca vira a partir dos carris.” O «sócio» confessou aversão a comboios porque, pela mesma fúnebre razão, num regresso a Lisboa ficara retido em Espinho três horas.

 

Do dia e meio no Porto, pelo atraso, omitida a exposição em Serralves. Na Miguel Bombarda, chamariz pelas galerias e «movida» artística, houve demora imerecida. Na Foz, compras/fatalidade pelos saldos. Mais: um casaco em Santa Catarina, botas junto ao Aleixo. Nele, os filetes de polvo macios, o vinho verde da casa, a magnificência das rabanadas e da aletria. O mui querido Hotel Boa Vista fruído de menos.

 

No regresso, o equívoco de um Intercidades. A fome aguilhoando o sono pela ausência de serviço de bar, de encostos adequados, das paragens gritadas. À mulher que amava comboios acudiu o sonho impossível de um TGV cómodo, rápido e silencioso unindo, do país, as capitais. 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:45
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds