Segunda-feira, 11 de Maio de 2015

O MISTÉRIO DA SENHORA VAROUFAKIS

varoufakis-dana-stratou-648258.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Já se sabe que Yanis Varou­fa­kis – pelas boas ou más razões, isso fica ao cri­té­rio de cada um — anda nas bocas do mundo. Por arras­ta­mento do fenó­meno mediá­tico em que se trans­for­mou, tam­bém a sua mulher, Danae Stra­tou, pas­sou a ser alvo da curi­o­si­dade geral. Isto fora da Gré­cia, por­que den­tro já o era há muito, antes mesmo de se tor­nar a senhora Varou­fa­kis, por mérito pró­prio do seu tra­ba­lho de artista plás­tica, e por herança – o seu pai era e é um dos indus­tri­ais mais ricos de ter­ras helé­ni­cas. Mas o que até há pou­cos dias nin­guém sabia – tal­vez nem a pró­pria – é que Danae, na ver­dade, já era uma estrela pop à escala mun­dial desde que Jar­vis Coc­ker e os seus Pulp lan­ça­ram o sin­gle Com­mon Peo­ple em Maio de 1995 (can­ção que veio a inte­grar o mar­cante álbum Dif­fe­rent Class do mesmo ano). Para quem não sabe, Com­mon Peo­ple é a mais can­tada e ouvida can­ção dos Pulp. E das mais can­ta­das e ouvi­das can­ções pop de sem­pre – uma das tais can­ções pop cuja pere­ni­dade (já lá vão vinte anos e nin­guém con­se­gue cansar-se dela) con­tra­diz a pró­pria essên­cia de efe­me­ri­dade da pop. Como se per­cebe pela letra da can­ção (ou, mesmo antes, pelo seu título), Com­mon Peo­ple trata de alguém – uma jovem de vida fol­gada, nas­cida num meio social que lhe per­mi­tia todos os luxos e mor­do­mias – que teria como aspi­ra­ção a de viver como “gente vul­gar”, com os recur­sos limi­ta­dos de uma “pes­soa nor­mal” (não levem a mal as expres­sões, as aspas indi­cam bem que não são minhas e me limito a tra­du­zir o que Jar­vis Coc­ker quis dizer atra­vés da canção).

 

 

 

 

Ora, a ser ver­dade o que esta semana con­tou um jor­nal grego, Jar­vis Coc­ker inspirou-se em Danae para escre­ver a can­ção. A pró­pria letra des­venda o mis­té­rio: a jovem em causa vinha da Gré­cia, tinha um pai rico que lhe pagava as con­tas todas, e, nos anos 80, estu­dava (tal como Jar­vis) no St. Mar­tins Col­lege of Art and Design. Acon­tece que Danae, para além de bela e rica, estu­dou escul­tura no St. Mar­tins Col­lege entre 1983 e 1988. E parece que, nesse período, não have­ria outra jovem grega bela e rica no St. Mar­tins (ou, pelo menos, tão bela e rica como ela). Só numa coisa Jar­vis fal­tou escan­da­lo­sa­mente à ver­dade. A miúda nunca o quis levar para cama, o pró­prio já admi­tiu que ele, sim, ten­tou fazê-lo, sem o con­se­guir. Até o facto de Jar­vis Coc­ker ter falhado as suas ten­ta­ti­vas para a levar para a cama bate certo. Só isso explica que tenha ten­tado com­pen­sar o falhanço com uma can­ção tão cínica e mor­daz. Um gen­tle­man – e Jar­vis Coc­ker, ape­sar de lhe dar para a alar­vi­dade em palco, é um gen­tle­man com as senho­ras — nunca faria isso a uma mulher (e muito menos a uma linda senhora como Danae) que com ele par­ti­lhou a cama.”

 

 

 

Nota – Texto publicado por Diogo Leote no ‘Escrever é Triste’.

 

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

 

 

publicado por Maria Brojo às 08:00
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Recomendo:

Exposição de Artes Plásticas - Conceito

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds