Terça-feira, 12 de Maio de 2015

OUVINTE DE SILÊNCIOS

 

Rafal Olbinski A.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rafal Olbinski

 

 

Ouvinte de silêncios. Como submarino imóvel que escapa ao radar do espírito interlocutor. O calado traduzo em fala, enganadora talvez. Não me arrogo acutilância ou dons divinatórios, todavia é a palavra suspensa que julgo entender melhor. Ou gestos por concretizar. Ou emoções pairando em limbo de reflexão.

 

 

 

 

Códigos tradicionais conheço alguns – matemático, social, físico, português - do literário, do vernáculo e do rural gostaria saber mais - , um par e meio de línguas alheias, arranho o código económico, o químico trato por tu. Apaixonam-me uns, outros uso com indiferença; de todos recolho vantagens como a de rir com gosto da resposta à pergunta “Porque se dissolve o urso branco na água? - Porque é polar.” Piada seca? - Nem um pouco para quem das partículas ultramicroscópicas conhece a estrutura. A gestão dos silêncios funciona como impressão digital: é exclusiva de um indivíduo. E se as curvas celulares da pele fazem parte do código genético que ignoro e, por isso, pouco me dizem, já as pontes e os fossos dos silêncios são delatores.

 

 

 

 

Na condição de submarino não me incluo nos atómicos que podem esperar anos por reabastecimento de combustível e serem armas letais - preciso de renovado fluido emotivo, de gestos mansos, da âncora da confiança. Sem lua que ao oceano dos sentimentos determine marés vazas e cheias definha o apelo do entendimento. Serão mudos os silêncios. Náufrago o outro. Eu insuflo o salva-vidas e aproveito a praia-mar.

 

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

 

 

publicado por Maria Brojo às 08:00
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
8 comentários:
De Tati a 27 de Maio de 2007 às 21:42
J - E sou lá «piquena» para me amofinar por tão pouco? ;)
De j a 21 de Maio de 2007 às 14:39
Gostava de ter a sua presença de espírito para poder responder sempre do seu modo a todos os tontos que abundam neste meio, como o "distraído" sr. Pedro Morgado.
Um especial e enternecido beijo de reconhecimento e... agradecimento.
De Tati a 21 de Maio de 2007 às 13:16
J. - Adoro senti-lo por aqui. Acrescentos doces à suavidade dos dias.

Katraponga - Que belíssimos textos me tem servido! Que o meu silêncio não seja tomado por desinteresse; aliás, sabe bem da visita diária que lhe faço e de não abdico. Beijo.

Fallorca - Entendi como a dissonância que sempre existe entre indivíduo e a reflexão no espelho ou nos olhos de quem o vê.

Pedro Morgado - Agora que está precavido, cuide de não voltar cá.
De Pedro Morgado a 21 de Maio de 2007 às 00:24
Merda de blog
De fallorca a 20 de Maio de 2007 às 21:39
dissimulada.... obviamente
De fallorca a 20 de Maio de 2007 às 21:04
Estranho, se os lábios são vermelhos no reflexo azul, porque são tão tremenda azuis na vertigem dissulada pelo ocre?
De Katraponga a 20 de Maio de 2007 às 17:26
beijo, Tati.
De j a 20 de Maio de 2007 às 10:42
Quem sou eu para comentar?
Apenas para lhe dizer que passei a sentir-me melhor na sua companhia. Porque gosto mais de falar pelos meus silêncios. ainda bem que tão bem sabe interpretá-los, ouvi-los e responder-lhes de modo idêntico.

Comentar post

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds