Terça-feira, 29 de Julho de 2014

PAIXÃO PELO BRANCO ESTICADO

 

Maria Brojo (Detalhe de uma das primeiras telas)

 

Há uma tela por comprar. Sonho-a. Nela fiz esboço imaginário. Olho-a de dentro para dentro. Deteto erros e corrijo-os. É experiência nova. Amadurecida. Segue ordem diferente da habitual: apaixonar-me pelo branco esticado, pela dimensão, no instante, pensar obra, adquirir e, em casa, arrebanhar óleos, pincéis, diluentes e cavalete. Meses voaram desde que na fantasia pairam traços e cores. Alicia o perigo implícito da concretização em muito se distinguir do idealizado – são dialéticos os viveres seguintes que o ser interpelam. Paleta doce ou agreste tem a faculdade de modificar conteúdo e tons que da tela farão o que será. E, pelo “Princípio da Incerteza” da Agustina Bessa-Luís, uma certeza: pintura acordada com o acontecido e o por acontecer.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 00:29
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
4 comentários:
De a.reis a 29 de Julho de 2014

Onde houver tela, tintas, e um pouco de energia primordial, pode edificar-se uma pintura similar á exposta, mas fruirá de haver “vontade” que é a energia mais poderosa que existe e que pressinto na própria natureza.
De Maria Brojo a 29 de Julho de 2014
A.Reis - Concordo em absoluto. Todavia, é necessária boa dose de estímulo natural e família que desenvolva a inclinação. Comigo, em muitos outras situações que conheço de perto aconteceu deste modo. Não raro, a necessidade de pintar surge tardiamente e com ótimos frutos como é o caso de inúmeros artistas famosos nossos ou não.
De a.reis a 29 de Julho de 2014

Este género de Blues entedia-me. Julgo que como expressão musical popular dos afroamericanos noutros tempos ligados á agricultura e na situação de escravatura, se assemelha no pensamento e em parte, ao fado de Lisboa mais antigo.
De Maria Brojo a 29 de Julho de 2014
A.Reis - Respeito a sua opinião. É exatamente pelas origens que referiu que é muito o meu gosto por este género musical. Em Londres, nas múltiplas visitas e em diversas ruas assisti a coros de Blues fabulosos. Em Harlem, não resisti. Quedei-me por lá quase dia inteiro. Voltaria, tempo depois e deliberadamente, num domingo. É indescritível como permanece viva, entre outras, a tradição das capelines, meias brancas, roupagem e sapatos elegantes, quando as mulheres se dirigem ao culto. Numa das igrejas, assisti ao melhor concerto do género em toda a minha vida. Nem no cinema, nem em gravações jamais ouvi semelhante.

Quanto ao Fado Património da Humanidade, apenas digo que me emociona e adoro sendo, como em tudo, de qualidade.

Comentar post

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds