Terça-feira, 24 de Junho de 2014

PARABÉNS CHICO!

 

Autores que não foi possível identificar

 

Setenta anos é obra. Nunca a frase esteve tão certa. E que obra...

 

Estávamos em 66, e o charmoso Henrique Mendes tinha ido ao Brasil e vinha fascinado com a marchinha “qui por lá se cantava". Orgulhoso de ter trazido a gravação para Portugal, passava-a vezes sem conta na Rádio num programa da altura. A qualidade técnica da coisa estava longe de ser boa mas o conteúdo agarrava e entrou no ouvido. Tornou-se rapidamente um êxito por cá atravessando "tanto mar... tanto mar".

 

Era o tempo das minhas descobertas. Primeiro, Elis Regina, depois Chico, Vinicius, tantos outros. Qual Cabral, também eu, na minha frágil casca de noz descobria o Brasil ou antes a sua música. Ainda hoje não fui lá. E no entanto, ele tem vindo até mim. Há poucos dias, aqui por casa, o casal divertia-se a relembrar músicas de outros tempos, algumas entre gargalhadas. E lá veio o "encosta a tua cabecinha no meu ombro e chora" e "será que sou feia? Não é não sinhô". Depois, chegou a vez da marchinha do Chico e vá lá de puxar pela cabeça mas o pessoal já não vai para novo. Não percebo porque se apregoa tanto a sabedoria que a idade traz quando ao mesmo tempo nos rouba o nome das coisas. Enfim, contradições. Entre muitos «lálás»,  lá fomos reconstruindo a letra que a música, essa, estava impecável e afinadinha.

 

Sempre gostei do Chico. Aqui estava apenas a começar. Do seu talento, da sua obra, dos seus olhos claros de oceano num rosto moreno que envelhece bem. Ao vivo, dois concertos apenas. Hoje, procurei o poema no Google. A esta distância, reparo que na subtileza das entrelinhas está ali tudo: a consciência social e política que aquele jovem já na altura semeava na música aparentemente ingénua que  escrevia. Só os "poetas maiores" o conseguem. Lá como cá.

 

Parabéns Chico. Muitos anos de vida feliz.

 

Deve ser bom festejar a vida sabendo que passamos por ele deixando MARCA.

 

Deixo à minha doce parceira a tarefa de nos "trazer" a marchinha.

 

“Andava à toa na vida o meu amor me chamou pra ver a marcha passar cantando coisas de amor.”

NÃO É LINDO?

 

Texto escrito pela mui querida parceira ‘Era Uma Vez’

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:02
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
4 comentários:
De a.reis a 24 de Junho de 2014
Chico Buarque é um compositor e letrista genial incluído no movimento musical brasileiro Bossa Nova. A Banda parece ser uma abordagem lírica dos anos de governação democrática que desaguaram numa ditadura militar em 1964.
Chico Baurque teve a sorte de ter nascido num meio intelectual e musical que despertou o seu talento para a musica e para a escrita. Mas não há bela sem senão, simpatizante do partido comunista brasileiro, parece que nunca ergueu e dedo para criticar os abusos dos regimes cubano e soviético. Tal como todos nós humanos, tem direito a errar nem que seja por omissão.
Gosto de algumas das suas composições e atrevo-me a nomear três: Olhos nos olhos, musica muito harmoniosa e poema implacável; Futuros Amantes e O meu amor.
De Maria Brojo a 25 de Junho de 2014
a.reis - não me recordo bem das que mencionou. Tenho de reavivar a memória indo à procura. Aprecio em particular da "Operário em Construção" com poema de Vinícius de Moraes.

Obrigada pelas dicas que desconhecia.

Comentar post

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds