Domingo, 18 de Janeiro de 2015

OS LOCAIS MAIS FOTOGRAFADOS EM PORTUGAL

ng3204761.jpg

ng3204768.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

10º: Santuário de Fátima. É um dos mais importantes santuários marianos do Mundo.

9º: Museu de Arte Nova, também conhecido como «Casa do Major Pessoa», em Aveiro. É um exemplo de arquitetura civil em estilo Arte Nova, e encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1997.

 

 

Portugal é uma das zonas do globo mais fotografadas do mundo, segundo o site sightsmap.com. Os dados estão em permanente atualização no sightsmap.com, que usa as tags de geolocalização inseridas pelos utilizadores no site de partilha de fotografia da Google, o Panoramio. O resultado é um mapa interativo que não só mostra as zonas mais fotografadas do globo, mas também permite descobrir qual o local ou atração turística mais fotografada em determinada região ou cidade. Veja quais os pontos de interesse mais fotografados em Portugal, em contagem decrescente.

 

ng3204775.jpg

ng3204776.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8º: Cabo de São Vicente, no extremo sudoeste de Portugal continental, na freguesia de Sagres.

7º: Praça Oito de Maio, em Coimbra.

 

 

ng3204777.jpg

ng3204782.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

6º: Óbidos ocupa o 6º lugar, não com um local ou monumento, mas com o Festival Internacional de Chocolate de Óbidos.

5º: Miradouros da Nazaré. As vistas captadas a partir dos miradouros da Nazaré ocupam o 5º lugar.

 

ng3204789.jpg

ng3204795.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4º: Farol-Museu de Santa Marta, em Cascais.

3º: Cabo da Roca, em Sintra. É o ponto mais ocidental de Portugal continental, assim como da Europa continental.

 

 

ng3204796.jpg

ng3204797.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2º: Zona Ribeirinha do Porto.

1º: Elevador de Santa Justa, em Lisboa. Foi inaugurado a 10 de julho de 1902 e é o único elevador vertical em Lisboa que presta um serviço público.

 

 

 

Nota – Esta é a fonte da publicação.

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

(O vídeo permite legendas em inglês)

 

 

 

publicado por Maria Brojo às 08:00
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (3) | favorito
Domingo, 29 de Maio de 2011

MERCAR E AMAR

 

Havia sol. A Região do Oeste em frente. Piso e traçado maus da A8 percorridos em amável conversa. Quando os vinhedos bem tratados e subindo leves encostas foram constantes dum e doutro lado da estrada, quando a floresta e campos viçosos desembocaram na cidade, ala peregrinar e mercar nas Caldas da Rainha.

 

 

Subindo e descendo empedrados que a chuva ensopara, presenças vetustas, arquitectura nobre. As glicínias terminam em gomos verdes, os troncos enlaçados nas grades/limites. Por detrás, monumentos, casas solarengas, algumas abrigando instituições que servem a comunidade. Iniciada a última descida, eis que surge, multicolor, o cerne da vida citadina num sábado.

 

 

É mercar, senhores, é mercar os produtos da terra cultivados amorosamente por mãos dedicadas! Chapéus-de-sol aparam a chuva teimosa e miúda. Salvam-se os cordões de pinhões que desde a infância não via, frutos secos e frescos, produtos da terra que maioritariamente idosos vendem. E há o senhor da padaria improvisada com a broa doce, a senhora atrás dum balcão com bolaria variada a meter cobiça.

 

 

As primícias alinhadas têm como enfeite folhagem das árvores donde foram colhidas. Vasos com manjericão perfumam, o artesanato em cerâmica feito lado a lado com braçadas de flores cortadas de madrugada. Gotas de água perlam folhas e pétalas, reflectindo o sol entretanto aparecido.

 

 

Nada falta, tudo existe do que a terra devolve após o cultivo. As maçarocas de milho maduro em cesto surpreendem a incauta doutro lugar habituada a outros mercados e mercadorias.

 

 

Os preços rondam dois terços, metade, vezes muitas, dos comuns nas cidades grandes. Cereja boa a dois euros por quilograma, gente séria vendedora. Tendo caído a caixa dos peros, derramados estes pelo empedrado e logo após perfilados no lugar próprio, arriba cliente. Pergunta quem vendia: _ São para comer hoje ou amanhã? Ai não? Melhor é comprar outros que estes caíram e não se aguentam dias. Semelhante com a senhora dos ovos: _ Molharam-se com a bátega de água. Agora já não se conservam. Compre antes os que salvei enxutos. E a incauta visitante que nada merca comove-se.

 

 

 

Na Casa Bordallo Pinheiro, as maravilhas sucedem-se. O que do barro é engendrado, deuses! A par da tradição, design adequado ao hoje. Revira-se o olhar duma prateleira, duma mesa para outra. Amei as magnólias, a minúcia, o colorido esfumado do trabalho. Ficaram na mesa, não as lascasse o pano de limpeza da ágil e rápida Cila.

 

 

A Igreja de Santa Maria aguardava casamento. Enfeitada a preceito, os convidados com ela. Tempo para oração enquanto o sacerdote abençoava o casal a partir dali sério perante Deus como se antes o não fosse ao deitarem o amor com eles na cama. No longe/perto, a muralha de Óbidos, os ‘frescos’ deteriorados na frontaria rente ao adro da igreja.

 

 

Começada, havia pouco, a tarde, a fome badalava. Os claustros conduzem ao Vila Infanta. Iguarias esperam o viajante. O dono é anfitrião como poucos – atento, conversa inteligente se necessária, humor fino, idoso com postura elegante, olhos azuis afáveis que mais parecem espelho da alma. A preço módico, refeição digna, cuidada, com o sabor único da comida caseira. Paz dentro do espaço antigo que o restauro não desmentiu.

 

 

 

Enfim a Columbeira! A serra do Picoto é moldura da aldeia. Pessoas conversadoras, afáveis, alegres, risos prontos. Mimos para a dona da dona de duas casas, memórias buscadas da infância e juventude da mulher que por ali fruía alguns dias de férias. Como companhia, abrangeu-me a simpatia reservada à família por todos gostada. Emoção transbordante nas faces de quem há demasiado tempo não via a querida menina/mulher.  

 

 

 

 

Limoeiros, hortênsias carmim, laranjas e vinhos, móveis sem grão de pó cuidados pela Sr.ª D. Luísa. A lindeza das madeiras, o bom gosto decorativo, os detalhes que dum espaço fazem casa apetecível. Obrigada, amiga, pela partilha.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 17:13
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds