Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2015

OS FILMES QUE JÁ VI EM 2015

Julianne-Moore-by-Bouguereau--79689.jpg

Eddie Redmayne marius_art.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Julianne Moore a partir de uma obra de Bouguereau                    Eddie Redmayne by Marius

 

 

"Está aí a noite dos Oscars. Con­fesso que é das noi­tes para onde durmo melhor. Dos fil­mes de 2014, já falei. Só que, alguns dos fil­mes can­di­da­tos vi-os este ano. Por­tanto, ou falo agora, ou me calo para sem­pre.  Não é con­versa para almas sen­sí­veis. Saiu-me, como vão ver, um minu­eto alle­gro molto, a come­çar em vénias e outras mesu­ras e a aca­bar em sodo­mia. Olhem, aguentem-se.

 

 

 

Ah, pois é, ainda estou à espera que 2015 me lave os olhos. Mas tenho de agra­de­cer aos acto­res do filme de Ale­jan­dro G. Iñar­ritu. No seu  Bird­man, Michael Kea­ton , Edward Nor­ton e Emma Stone são sober­bos. É pena que haja “estilo” a mais na rea­li­za­ção (não era pre­ciso tanto Iñar­ritu), mas isso já é aquela con­versa da treta de que­rer ser eu a fazer o filme que outro tipo fez. E ia já falar de Whi­plash e do Ame­ri­can Sni­per e da série True Detec­tive. Refreiem-se os cava­los, que Roma e Pavia não se fize­ram num dia. Já falo (e só por esta pri­meira pes­soa do indi­ca­tivo se vê como a lín­gua por­tu­guesa é uma lín­gua daquilo que estão a pen­sar, isto é e ame­ni­zando, traiçoeira).

 

 

 

Em Janeiro, fui ver o Fox­cat­cher. A rea­li­za­ção é de um Ben­nett Mil­ler, com quem não fiquei com von­tade nem sequer de tomar o pequeno almoço. É um filme emper­ti­gado, de um ricaço e mui­tos pobres, de wres­tling, domi­na­ção e sub­mis­são, com um tiro no bucho a fechar. Os acto­res não têm culpa nenhuma: Chan­ning Tatum e Mark Ruf­falo, tudo pon­de­rado, estão muito bem. Steve Carell, que é no filme um mili­o­ná­rio, para os meus pobres olhos está agar­rado e ver­gado ao que a rea­li­za­ção e argu­mento acham que é uma ideia e a mim me parece que é um espar­ti­lho. Estou de cer­teza enga­nado, mas quem dá o que tem, como eu vos estou a dar, a mais não é obrigado.

 

 

 

Tam­bém vi Adieu au Lan­gage (Adeus à Lin­gua­gem), de Jean-Luc Godard. Vi o filme em 3D, mas os meus olhos já não são o que eram e a ideia de 3D de Godard, de uma radi­ca­li­dade des­cons­tru­ti­vista, pôs o meu olho direito a olhar para uma câmara e o meu olho esquerdo a olhar para outra. Até gosto, como já várias vezes con­fes­sei, de fechar os olhos nos fil­mes, mas a ideia não é fica­rem a doer-me. Se bem per­cebi a pul­são esté­tica do filme — e Godard é mesmo um dos gran­des cri­a­do­res do cinema da segunda metade do século XX, digam lá o que quei­ram dizer — gos­tava de lem­brar que um peque­nino filme seu, uma enco­menda da France Tele­com a que cha­mou “Puis­sance de la Parole”, há uns 20 e picos anos, já fazia do cinema pin­tura, já con­ver­tia toda a lin­gua­gem em puro afo­rismo, numa deriva nietzs­chi­ana a roçar-se pela voz e pela lin­gua­gem de Deus. Ainda assim, nin­guém ou quase nin­guém filme o corpo de uma mulher, a sua funda e negra ori­gem do mundo, como Godard o filma. Tam­bém aqui em “Adeus à Linguagem”.

 

 

 

Foi em Janeiro que vi The Imi­ta­tion Game (Jogo de Imi­ta­ção). O filme tem um rea­li­za­dor, mas tanto se dá ou tanto faz. Sei que vou cau­sar o maior des­gosto ao Pedro Nor­ton, mas “O Jogo de Imi­ta­ção” é um daque­les pas­te­lões ingle­ses que se des­lum­bra com a his­tó­ria que quer con­tar e se esquece do que eu me habi­tuei a cha­mar cinema. Este “Jogo de Imi­ta­ção” foi a sala de cinema, a cores, e já não digo em 35 mm, que isso agora não inte­ressa nada, mas podia ser uma série da BBC, um docu­men­tá­rio, ou podia ser só um gajo inte­res­sante com uma voz bonita a con­tar tudo a uma miúda que gosta de o ouvir, mas que só pensa “este gajo está tão encan­tado a ouvir-se que vai ficar a falar umas duas horas e nunca mais me salta para cima”. Faço notar que estou a falar de um filme em que entra Keira Knigh­tley — ora a boca entre­a­berta de Keira é, aten­dendo à minha idade e meios, a única coisa que hoje me tira sexu­al­mente do sério. No filme, tam­bém entra, azar dele, Bene­dict Cum­ber­natch: faz boqui­nhas intestinais.

 

 

 

Veio, depois, o mês de Feve­reiro. Vi Whi­plash, (Whi­plash, Nos Limi­tes). Belo filme. É uma luta entre dois acto­res. Os acto­res, como se sabe, têm de ser alguma coisa. Em “Whi­plash” há um jovem bate­rista de jazz em pro­cesso de apren­di­za­gem e há um pro­fes­sor razo­a­vel­mente esta­li­nista ou, para que toda a gente me com­pre­enda, nazi. São muito bem fil­ma­dos por Damien Cha­zelle, que tam­bém assina o argu­mento, e é pena por que devia ter pedido ajuda. Para mim, “Whi­plash podia já ser um dos fil­mes de 2015, se a namo­rada e o pai do bate­rista tives­sem só mais um boca­di­nho de den­si­dade, e se a per­so­na­li­dade dos pro­ta­go­nis­tas ganhasse algu­mas nuan­ces.

 

 

 

Em roma­ria amo­rosa, fui à Cine­ma­teca ver um docu­men­tá­rio. Chama-se João Bénard da Costa– Outros Ama­rão as Coi­sas que eu Amei. É um doc de Manuel Mozos, que conheço muito mal, mas por quem tenho uma irre­du­tí­vel sim­pa­tia. Por João Bénard tenho amor. Escuso, por isso, de vos dizer — ou melhor, digo mesmo — que vi com estre­me­cida emo­ção o João a falar, a falar dele, a falar de fil­mes, aos bei­jos à Gene Tir­ney, à Joan Craw­ford e até à mal­vada Mer­ca­des McCam­bridge (e é pre­ciso que se diga que essa mulher que nem parece bonita no “Johnny Gui­tar”, exsuda  uma valente e rija sexu­a­li­dade de alto — e oh se está alto — lá com ele). É o melhor João, o melhor escri­tor de e sobre cinema, a sua silhu­eta mítica, que o Manuel Mozos nos dá a ver.

 

 

 

Vi e tal­vez fosse melhor não ter visto, The Canyons. Realizou-o Paul Sch­ra­der, o mesmo Sch­ra­der que rea­li­zou “Ame­ri­can Gigolo”, o mesmo Sch­ra­der, obses­sivo, psi­có­tico, cal­vi­nista que escre­veu “Taxi Dri­ver”.  Pois é, já não é o mesmo. Ou pelo menos não foi o mesmo. O argu­mento é de Brest Eas­ton Ellis, um escri­tor com que andá­mos ao colo ali pelos anos 80. Juntaram-se, se assim posso dizer, dois mora­lis­tas. Ora, dois mora­lis­tas jun­tos não fazem faísca. O cató­lico Scor­sese e o pro­tes­tante Sch­ra­der, em “Taxi Dri­ver”, faziam faísca. Aqui, neste “The Canyons”, por onde tan­tas vezes pas­sei e de que tanto espe­rava, nem há blas­fé­mia, nem há tesão. É só a cir­cuns­tan­cial e muito eco­nó­mica puta da vida. Adiante.

 

 

 

Dei comigo e estava na sala do El Corte Inglès a ver o Ame­ri­can Sni­per. É, com o “Whi­plash”, o melhor filme de fic­ção que vi este ano. Não é per­feito, nem é Ford, como já para aí ouvi dizer (digam mer­das des­sas e depois admirem-se que o velho irlan­dês se levante da cova funda e vos venha aba­nar pelos cola­ri­nhos). “Ame­ri­can Sni­per” é um filme colado ao mais não-empático dos heróis. Clint Eastwood, rea­li­za­dor de meia-dúzia de obras-primas (“Mys­tic River”, “A Per­fect World”, “Abso­lut Power”, “Grand Torino”, etc…), esco­lheu muito bem ao esco­lher o básico Bra­dley Coo­per, que é in-charmoso todos os dias. Afi­nou depois a mira para uma ideia pre­cisa, a de um homem com um dom. Lembrei-me do De Niro do “Deer Hun­ter” a elo­giar a sublime lim­peza do “one shot” com que abate vea­dos. Eastwood trans­fere para o Ira­que as mon­ta­nhas da Pen­sil­vâ­nia de Michael Cimino e caem vea­dos que nem tor­dos, se assim se pode, impi­e­do­sa­mente, dizer. É quase tudo irre­pre­en­sí­vel, menos o equi­va­lente sni­per islâ­mico que é uma coi­si­nha tipi­fi­cada e ane­dó­tica, menos algu­mas mon­ta­gens cru­za­das, de con­traste for­çado, a meter dedos pelos olhos aden­tro, como sói dizer-se. Nos tem­pos que cor­rem, belo filme, quand même.

 

 

 

Tam­bém fui ver The The­ory of Everything (A Teo­ria de Tudo). Estava a ver e “ói, onde é que eu já vi isto?” Pois é, vi isto no “Jogo de Imi­ta­ção”. Os mes­mos cená­rios, a mesma ideia nar­ra­tiva, tudo ao ser­viço da “his­tó­ria”, da puté­fia da men­sa­gem, dos temas sérios com’ ó caneco. Cinema, viste-o, não viste? Tudo como se  o dig­ni­fi­can­tís­simo drama, vida e obra de Stephen Haw­kings esti­vesse a pas­sar no canal His­tó­ria e a recons­ti­tui­ção viesse ser­vida com aquela ele­gân­cia de chá, tor­ra­das, e  um boca­di­nho de empro­ada pane­lei­rice de Oxford do “Bri­deshead Revi­si­ted”. Nem digo o nome do rea­li­za­dor que é para a mãe dele não se obri­gar a vir aqui des­pe­jar comen­tá­rios impróprios.

 

 

 

Este fim de semana, feliz no fute­bol, no amor e no dinheiro, saíram-me mais duas rifas no cinema. Vi um tal Wild Tales (Rela­tos Sel­va­gens), uma co-produção hispânico-argentina, de fábrica almo­dó­va­ri­ana. Percebe-se a ideia — mais ou menos indig­nada — tão ade­quada a estes tem­pos em que se pro­cura encon­trar num palheiro a treta da afi­ada agu­lha que se per­deu na cozi­nha. É uma cam­bada de short sto­ries, rea­li­za­das pelo argen­tino Damián Szi­fron , todas elas engra­va­tando de humor negro situ­a­ções do mal estar con­tem­po­râ­neo, da auto-estima à buro­cra­cia, pas­sando pela intrin­cada afec­ti­vi­dade que nos leva a casar e a divor­ciar. Tanta men­sa­gem, tanta denún­cia, tanta bufaria.

 

 

 

Hoje mesmo, fui ver Inhe­rent Vice (Vício Intrín­seco). É um filme de Paul Tho­mas Ander­son. Frag­men­tado, cons­truído em mosaico, creio que como no livro que não li de de Tho­mas Pyn­chon em que se baseia. Ou um tipo se deixa levar e se ri (ri algu­mas vezes, sobre­tudo de metade do filme para a frente quando per­cebi que se não me risse, o bilhete e o tempo tinham sido um mau inves­ti­mento) ou um tipo não se deixa levar. A bem dizer, não me dei­xei levar. Falando de Joa­quin Pho­e­nix, o pro­ta­go­nista, diria que muito pro­va­vel­mente não pode­ria estar mais cabo­tino. Ainda assim, lá para o fim daquele “Vício” todo, vem-lhe cair no colo, lite­ral­mente, a Kathe­rine Waters­ton, lin­da­mente nuí­nha, de mami­nhas per­fei­tas, de pom­bi­nha, em espesso intu­mes­ci­mento (perdoem-me a ten­ta­tiva de des­cri­ção grá­fica, mas faço-o com pro­pó­si­tos crí­ti­cos a roçar o cien­tí­fico), aca­bando tudo em mode­rada sodo­mia — a meu ver mais mode­rada do que parece, mas é claro que cada um sente as coi­sas à sua maneira.

 

 

 

Às vezes é pre­ciso dei­xar o cinema para se encon­trar o cinema. Já aqui tinha gabado True Detec­tive. É tele­vi­são, dir-me-ão, não conta. Conta, pois. Os oito epi­só­dios de “True Detec­tive”, de que é autor Nic Piz­zo­latto, são, até agora, o melhor filme que vi em 2015. Vi-os todos em três dias segui­dos„ como quando ia à Gul­ben­kian, às pro­gra­ma­ções do João Bénard, ver um filme à 6ª à noite, três ao sábado, das 15 à meia-noite, e dois fechar o domingo. “True Detec­tive” tem crime, tem pedo­fi­lia, tem sexo, tem ritu­ais satâ­ni­cos, tem polí­tica, mas tem isso tudo metido numa fabu­losa cons­tru­ção nar­ra­tiva, com mise-en-scène e mon­ta­gem, efei­tos sono­ros e música. E tem acto­res. Matthey McCo­naughey e Woody Har­rel­son não ser­vem o argu­mento, reescrevem-no. Nos olha­res, na ten­são dos cor­pos, no movi­mento, seja o mais natu­ra­lista, seja o mais codi­fi­cado e tea­tral dos movimentos.

 

 

Daqui a mais um mês, temos mais con­versa ciné­fila."

 

 

Nota – Texto escrito por Manuel S. Fonseca no Escrever é Triste.

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

 

publicado por Maria Brojo às 11:53
link do post | Veneno ou Açúcar? | favorito
Recomendo:

Exposição de Artes Plásticas - Conceito

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

últ. comentários

Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos
ABANDONODAVID MOURÃO FERREIRAPor teu livre pensame...
Ainda?Isso aí no Inverno é gelado ;-)

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds