Terça-feira, 27 de Novembro de 2012

MARIA E MÁRIO

Jan Davidszoon de Heem, Natureza Morta com Violino e Livros,1628

 

Ela, como tantas, mulher Maria. Ele, Mário. Apresentados por terceiros, como soíam dizer, perguntada a origem do conhecimento. Na verdade, fora a «rede» que os capturara num instante de arrojo – intimidade do par que recusava escâncaras do porquê, do como e do onde. Mas não ocultavam da cidade e dos passantes abraços e beijos, mãos dadas, olhares e risos que sempre denunciam amantes.

 

A Maria era livre de atilhos românticos ou do que deles fizessem vezes. O homem Mário estava, até à Maria, gostosamente enredado numa relação estável com anos de histórico e cumplicidade e afeto. Mergulharam fundo nos enlevos preliminares do que julgavam paixão: marcado casamento daí a seis meses. Até seria, não fora o fatum estragar o quadro florido de mimos e beijos e o mais concluído.

 

Figurassem contrariedades, inexistente o comodismo da Maria e do Mário, as peripécias dos adeuses vários e dos regressos em idêntica proporção, a esmo tivessem acontecido monólogos, queixas, rogos e súplicas, inteligência e astúcia, haveria história para romance de cordel. Mas não: ganhou a passividade. Em vez de um protagonista, dois, sendo que nenhum deles desempenhou o papel de infeliz herói, ganhador somente no fim. Foi-se a faca e o alguidar onde o sangue emocional seria aparado. Por tudo não acabou a história pendurada em cordéis e barbantes, com os «cordelistas» arranhando violas enquanto, empolgados, animavam o povo à cata de ‘cobres’ dos compradores.

 

Anos atrás, comentadora deixou registo aqui:

_ “’Romance de cordel’ não tem a ver, precisamente, com as grandes sagas que alimentam o nosso imaginário desde os tempos medievais - "Tristão e Isolda", "A morte de Artur", por exemplo? E que mais tarde, perto do século XIX, quando o romance se assumiu como uma das expressões mais adequadas de uma burguesia cada vez mais poderosa, foi "vulgarizado", e chegou aos consumidores na publicação de jornais - lembro a grande "onda" de romances de Alexandre Dumas, Victor Hugo que em Portugal foram publicadas na imprensa, já no início do século XX.
Creio que se refere à ao nosso gosto por histórias, à necessidade de acrescentarmos à nossa realidade aquele espaço «contrafatual» que permite o sonho e a subversão.”


"Romances de cordel" ou "matéria de que são feitos os sonhos?”

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Do pintor de hoje, Jan Davidszoon de Heem, mostra.

 

publicado por Maria Brojo às 07:46
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds