Sexta-feira, 25 de Julho de 2014

WHO KNEW IT WAS SO FUN TO BE A HOOKER?

 

Who knew it was so much fun to be a hooker?” é pergunta associada à inesquecível cinderela do século XX, Julia Roberts. Indiscutível o paralelismo entre a versão contada por Charles Perraut no final do século dezassete e o guião escrito por J. F. Lawton aproveitado por Garry Marshall no filme “Pretty Woman”. Neste, homem de sucesso intimida a jovem prostituta Vivian; na história da gata borralheira, existe a omnipresente e cruel madrasta. Ambas, Vivian e a Cinderela, conhecem os respetivos príncipes no baile da vida. Pas de deux na coreografia do tempo o encontro da prostituta com o rico empresário que a contrata como acompanhante. Cinderela e Vivian angulam o percurso ao depararem com mescla de inesperado amor romântico e poder.

 

Na película, o vestuário da responsabilidade de Marylin Vance-Straker é o aspeto mais visível da progressiva mudança da jovem acompanhante. Como «mulher-da-rua», minissaias, licras, tops acima da cintura, decotes generosos, cabeleiras postiças e botas de ‘vou ali «swingar» e volto já’. Aparência de ostensivo descaro. Aos poucos, adquire postura melhorada a que não são alheios os crescentes afetos por Edward e pelo gerente do hotel. Vivian adquire maneiras, bom gosto no vestir, alivia a maquilhagem e educa, sem perder, a natural espontaneidade. A transformação culmina em Rodeo Drive.

 

A minha cena favorita é a do Richard Gere (Edward) abrindo uma caixa. Nela, colar destinado a Julia (Vivian) para que aprimore a figura, entre no avião privado e assista ao espetáculo de La Traviata em São Francisco; num repente inventado por Gere, este fecha-a quase entalando os dedos de Vivian. Surpresa, Julia encanta com o riso solto e natural naquele momento como noutros. Não admira que há vinte e cinco anos, tenha sido a girl nest door dos States. Por outro lado, que bem casou o excerto da La Traviata com o enredo! Nada de espanto, poderá argumentar-se, ao ser dito, como quem não diz que disse, que o guionista buscou inspiração no libreto desta ópera de Verdi baseada no livro “A Dama das Camélias” de Dumas.

 

Sem a perfeição corporal exigida – nalgumas cenas teve a body double Shelley Michelle –, Julia Roberts fascinou pela jovialidade e pureza. O já antigo tema musical de Roy Orbison,”Oh, Pretty Woman”, viria a batizar o filme. Garry Marshall não podia ter encontrado melhor padrinho.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

A minha cena favorita do "Pretty Woman"                         O único vídeo de "Oh, Pretty Woman”disponível para blogs

 

publicado por Maria Brojo às 08:16
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (2) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds