Quarta-feira, 3 de Julho de 2013

DE 2 EM 2

 

Autor que não foi possível identificar

 

Desde o século XV, são conhecidos baralhos de cartas em Portugal. A aventura marítima levá-los-ia ao Oriente. Indianos, japoneses e indonésios adaptaram o baralho português às respetivas culturas. Consta terem jogado à fartazana enquanto os marinheiros aproveitavam a confraternização para largarem sementes em jogos outros com as nativas. Quatro séculos depois, finou-se o baralho nacional em favor do baralho francês. Desistimos de nos impor na jogatana e aceitámos de mão-beijada a novidade do coração da Europa. Provaria o futuro, continuarmos servis ao domínio da «estranja». Se rica e pomposa, melhor. A lusa espinha curvada pelos salamaleques, exceto se em perigo fronteiras geográficas e políticas que nos dessem aparência de país. Gostávamos, então e hoje, de alardear autonomia, embora copiando descaradamente as modas externas nas artes e nos usos. Uns tansos!

 

Conta a lenda(?) que o baralho francês foi encomenda do rei Carlos VI ao pintor Jacquemin Gringonneur que cuidaria de representar as classes sociais nos naipes: espadas a nobreza, copas o clero, ouros a burguesia, paus os camponeses. É recontado terem sido posteriormente acrescentados significados bíblicos e/ou históricos às cartas com figuras que honrassem a elite de antanho e da época. O joker era exceção – representaria os jograis dos castelos medievos. Sobre os ases apenas é sabido o valor e serem os números 1em cada naipe.

 

Configuro jogo com dois baralhos diferentes e incompletos. No todo, um só. Se num dia desaparece um ás, no seguinte, outro, vão dois sumiços de monta. Se ao terceiro dia uma rainha e um rei renunciarem à função, mais dois. Contabilizando dois mais dois valetes e damas em fuga, reforçada a condição de baralho sem préstimo. Em causa a sanidade da «psi» de quem julga possível continuar a jogatina. Mesmo eu, habituada que estou às minhas gratas loucuras, reconheço a transcendência desta.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:42
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds