Terça-feira, 22 de Janeiro de 2013

EUREKA, EUREKA!

Autor que não foi possível identificar

 

No “Campanha Alegre”, coletânea de folhetins, Eça de Queirós relata o estado da marinha portuguesa no final do século dezanove:

É uma marinha inválida. A D. João tem cinquenta anos, o breu cobre-lhe as cãs: o seu maior desejo seria aposentar-se como barca de banhos. A Pedro Nunes está em tal estado que, vendida, dá uma soma que o pudor nos impede de escrever. O Estado pode comprar um chapéu no Roxo com a Pedro Nunes – mas não pode pedir troco. A Mindelo tem um jeito: deita-se. No mar alto, todos os seus esforços são para se deitar. Os oficiais de marinha que embarcam neste vaso fazem disposições finais. A Mindelo é um esquife a Hélice.”

 

Isto de flutuar tem que se lhe diga. É generalizado o conhecimento do princípio de Arquimedes que afirma todos os corpos flutuarem porque em qualquer líquido, a água é o mais comum, experimentarem força com direção vertical, sentido de baixo para cima e intensidade igual ao peso dos corpos. Consequência: força resultante nula e os corpos flutuam alegremente.

 

Autor que não foi possível identificar

 

Das lendas memoráveis e a propósito, existe aquela de estar Arquimedes banhando-se em tina mais de meia de água, quando sentiu a levez do corpo e os membros inferiores erguendo-se. Cogitava no fazer entregue pelo rei de Siracusa: descobrir se a coroa real encomendada a ourives continha apenas ouro maciço. Saiu do banho, trajou-se, correu em busca dum pedaço de prata e outro de ouro com o mesmo peso da coroa – onde arranjou dinheiro para a ambiciosa experiência não consta da lenda. Sem demora, mergulhou um a um em recipiente a transbordar de água. O pedaço de prata entornava mais água, o de ouro, menos. A coroa real expulsava valor intermédio do líquido. Conclusão: de puro ouro nada tinha. Configurar a fúria do rei, não é difícil. A alegria de Arquimedes também não. Algumas versões mais arrojadas da lenda juram que Arquimedes nem se vestiu a seguir ao banho: correu nu pela cidade gritando “Eureka, eureka!”. Uma Lady Godiva por motivos outros e apeada. Se foram cerradas janelas também fica por saber.

 

Domenico Fetti

 

O mesmo Arquimedes afirmou a propósito das alavancas: “ Dêem-me um ponto de apoio e levantarei o mundo”. A verdade é que os larápios conhecem-nas bem demais: um objeto linear e rígido, ponto de apoio, o fulcro, e a alavanca acionada pela força potente faz o resto no assalto. De volta à imodéstia de Arquimedes: para erguer a Terra, além de necessitar de alavanca tão comprida quanto a distância do nosso planeta à Lua, problema divertido é especular qual o fulcro.

 

Autor que não foi possível identificar

 

Arquimedes acabou mal, como Galileu e outros que do meditar científico fizeram vida – foi morto durante a conquista de Siracusa por soldado romano desgovernado que o apanhou a desenhar diagramas matemáticos na areia. Tivesse desenhado corações entrelaçados e feridos por seta transversa, é possível que o respirar natural tivesse continuado.

 

Nota: texto publicado hoje também noutra «chaminé».

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 11:30
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (2) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds