Terça-feira, 18 de Junho de 2013

EFEITOS DA COISA/CRISE NA SAÚDE PORTUGUESA

 

Andre Kohn, Paola Angelotti

 

Porque os idosos falham nas tomas diárias dos medicamentos receitados ou nem aviam nas farmácias a medicação prescrita ou não adquirem aparelhos auditivos e óculos pela falta de recursos económicos, segue cópia dum texto de hoje na edição online da TSF.

 

“O alerta é do Observatório Português dos Sistemas de Saúde no relatório anual. A denúncia surge pelo segundo ano consecutivo, baseada no aumento da ansiedade e depressão dos portugueses.

 

O documento cita dados nacionais e regionais para concluir que em paralelo com a crise assiste-se a «um aumento da depressão, da taxa de tentativa de suicídio e das mortes prematuras».

 

Os investigadores dizem que os efeitos da crise sentem-se, por exemplo, nas despesas: 20 por cento dos portugueses estão a gastar menos com a saúde, numa percentagem que duplica entre os desempregados.

 

O relatório sublinha que várias fontes apontam ainda para um aumento da ansiedade e da depressão no país. O estudo citado de seguida foca-se na Unidade Local de Saúde do Alto Minho onde vivem 250 mil pessoas. Nessa região, o último ano teve um aumento de 76% nos casos de internamento compulsivo, o que pode dever-se ao agravamento das situações clínicas de doença mental ou à má adesão aos tratamentos.”

 

Nuno Guedes

 

Nota: recomendo a leitura da crónica “Desejos Perversos do Invejoso” publicada na “Dobra do Grito”. Excelente!

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:41
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (4) | favorito
Sábado, 16 de Fevereiro de 2013

CONJUGAÇÃO DO TER E SER

 

Andre Kohn

 

Poupar foi palavra e ato esquecido nas últimas décadas portuguesas. A reboque dos milhões que ao extremo ocidental do respetivo continente a Europa rica enviava, a primavera económica floriu esperanças de vidas novas. Como frutos, ilusões de bem-estar traduzidas em consumo. Pela deficiência na política de habitação, o mercado de arrendamento definhou e a “casa própria” adquiriu contorno de regra social. A “segunda habitação” seguiu os passos da primeira. Os senhorios foram substituídos pelo sorriso dos bancos – compre hoje, pague depois, passe para cá o depósito do ordenado e tome lá o cartão de crédito para comprar e pagar ainda mais tarde.

 

Nas gerações anteriores, a poupança era estimada pelas famílias. Em cada mês, o cinto das despesas mantinha-se apertado e sobravam tostões que em cima de outros faziam pé-de-meia. “Para uma aflição”, era dito. Depois dos cravos, o “chapa ganha, chapa gasta” viria a estar na moda.

 

Pelos gastos ociosos, pela deseducação económica nas famílias, pelos imaginários servidos à la carte e condimentados por beldades douradas entre palmeiras, pela atávica pobreza nacional, a bocarra dos credores engole o salário recém-chegado. As mal-afamadas dívidas foram rebatizadas – crédito. Suavizou a penúria real e estendeu no tempo o “faz de conta”. Até um dia. Até agora. Arruinadas as finanças individuais e coletivas, que os sonhos deixem de conjugar o ter e elevem o ser.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:43
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds