Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2012

DA ‘PANTERA’ A BOCELLI

Autores que não foi possível identificar

 

 “Da sanzala para o mundo” veio Eusébio da Silva Ferreira que hoje comemora setenta anos. Foi responsável por muitas alegrias do povo português em tempo de desespero. É dito ser inspiração para musical encenado por Carlos Fragateiro que, deseja, reproduza o ambiente de um estádio, com cantores, actores e acrobatas, porque o futebol também pode ser isto.

 

Podemos desvirtuar a data, dar-lhe somenos importância por se tratar de um ‘homem da bola’. Injustiça - nenhuma actividade é menor quando cumpre o sonho nacional de levar longe o nome do país. E todos precisamos de alegria e esperança chegue donde chegar desde que talento e mérito o justifiquem.

 

Curiosidade: além de trazer para o desporto crianças e jovens arredando-os doutros caminhos, foi mito no mundo, em particular para Andrea Bocelli. A história adaptada: Bocelli sofria de glaucoma congénito e, lentamente, perdia a visão. Aos doze anos, jogava futebol, foi atingido na cabeça, perdeu definitivamente a visão. O ídolo de infância era Eusébio da Silva Ferreira. Quando Andrea Bocelli se tornou famoso, foi Eusébio que o quis conhecer: as posições inverteram-se.

 

Hoje, o ‘Pantera Negra’ celebra aniversário e é homenageado na Luz também pelo lançamento do livro escrito por João Malheiro que afirma: _ “Pretende ser uma «biografia popular e barata» do «maior jogador português de todos os tempos». Cavaco Silva e Luís Filipe Vieira assinam os textos de abertura e o prefácio é do maestro António Victorino d’Almeida.” Algumas «têvês» ajudam à festa – “a TVI emite um especial com Judite de Sousa a entrevistar Eusébio no restaurante A ‘Tia Matilde’, onde almoça há 50 anos; a RTP terá às 21h outro especial com Cecília Carmo a entrevistar ‘O Rei’.”

 

Parabéns Eusébio!

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:24
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 31 de Março de 2011

DIAS DE INOCÊNCIA

Damon Denys, Ennio Montariello

 

Num dia, numa noite, num sonho, a menina inaugurava outra inocência – gosto novo interrompeu momento. Aconchegou as coxas. O sábio instinto apertava-as mais um pouco. Ignorava o que advinha. Mas apertava as pernas de seda infantil sem mais saber. Ondas de prazer desconhecidas tremiam-na. E ela ia com os fluxos repetidos. Vazias ondas cerebrais, em tumulto as do corpo. Quando o vir e ir terminou, quando a lucidez tornou, sobreveio inquietação – que fazer daquele sentir nascente? Deixou-se ficar gozando o orvalho cujo nome não sabia.

 

Mais tarde, prazeres semelhantes acudiam inesperados. Interrogava a menina qual a razão de instantes/séculos que dela faziam outra sendo a mesma. Atenta, percebeu a reacção do corpo quando a surpresa chegava. Como se movia. Donde vinha. Que fazia sem fazer. Tomou a iniciativa – não era garota de esperar futuros. Reproduziu o sentido. Soquetes brancos e pernas nuas no estio que ainda não era. Vestido curto terminado com folhos. Amedrontava-a dependência do não controlado. Experimentou a posição iniciática, o ritmo das coxas - nada. Relembrou detalhes do sonho, do que fizera sem saber que fazia. Voltou o ribeiro alegre que dos penedos e seixos no leito ria em cascata. Sem que o adivinhasse, fez-se mulher nesse dia.  

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Na minha Piazza di Spagna, Trinità dei Monti em cima, sempre retorno.

 

 

CAFÉ DA TARDE

 

Cortesias do Cão do Nilo e Veneno C..

 

 

publicado por Maria Brojo às 07:53
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (11) | favorito
Sexta-feira, 11 de Junho de 2010

ONDE É FALADO PAPEL DE HIGIENE ÍNTIMA E MAIS

Max Middleton

 

No spot publicitário ela ou ele pedem beliscos como forma de se reconhecerem acordados e não protagonistas de sonhos/ilusões. A base é presença na exposição de Xangai a bordo da fragata Vasco da Gama. Quem dera sorte idêntica!

Tema da nossa representação: "Uma Praça para o Mundo, um Mundo de Energias ". Pavilhão de Portugal revestido a cortiça congeminado por Carlos Macedo e Couto. Um dos 15 mais vistos, em duas centenas. Cativa os chineses. Divulga preocupação com uma economia sustentável. Dentro, quinhentos anos da relação Portugal/China. Arrojo na concepção arquitecta, nos menus alvo de degustação a lembrarem sabores e ingredientes tradicionais. Falta o bacalhau; presentes os pastéis de nata que, mornos, deliciam os visitantes. Como em Londres e noutras partes deste mundo pequeno.

 

Mariza, os Amália Hoje, folclore minhoto enfeitaram a delegação/plataforma de negócios com a majestade económica da China. Também eles, travo e canela. O fado, enigmático para o Oriente, seduz pela nostalgia vocal ou pela melodia. E há os cinco séculos de presença tímida e nossa no País do Meio que tanto inovou e o Ocidente recolheu. Prosaica, desajustada talvez, a referência de uma, entre muitas, dívida à China: o papel de higiene íntima. Folhas perfumadas, dimensões de 90x60 cm, mais tarde reduzidas e transformadas em rolos pelos irmãos Scott. “Aquilo que não é mencionável”, segundo os ingleses de antes do XX, é conquista civilizacional. Badalhocos e longínquos idos em Versalhes, na Velha e Boa Europa, foram ultraje a civilizações mais limpas. «Chinocas» são chineses. Menosprezá-los, bem como o empreendedorismo provado, é contrafacção do real.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:19
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
Quinta-feira, 29 de Abril de 2010

ROSNA E RONHA

Autor que não foi possível identificar

 

Olha a desgraça! Trabalha e rosna e ronha povo inteiro. Sai desgrenhado da cama. Em pijama, engelhado pelas voltas insones na cama, mira-se ao espelho _ olheiras até meio da face. Engole desjejum porque é ido tempo de o pagar na leitaria da esquina. Sabe da moinha na cabeça que sol e caloraça não disfarçam. Liga rádio ou televisão como despertador dos sentidos. Ouve:

_ Portugal à beira de ruptura financeira. Espanha, Itália e outros da 'Zona Euro' ao molho no mesmo saco de gatos. Endividados até ao pescoço. Sócrates e o clone Passos Coelho em reunião apressada.

 

Pelas sete e vinte da matina, Peres Metelo clarifica: ou o governo e a oposição se entendem enviando sinais credíveis para os lojistas de penhores internacionais, ou o ataque do dólar ganha a batalha. E o desgraçado, a custo cumprindo despesas fixas mensais pela ameaça de 'adeus gás', duches quentes, luz e água corrente, mais a prestação da casa e do automóvel comprado em terceira mão, rasteja até à fatiota que tapa vergonhas e desânimos.

 

_ Ora se trabalhei ror de anos, nada roubei ou omiti ao fisco, porque raio tenho dívida de quase vinte mil euros por ter nascido português?

 ortados

Chegado ao emprego, rosna e ronha _ não tem motivos para empenho. Produz mínimos. Tem razão. 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Que do vídeo sejam esquecidos «Jesuses» e pombinhas.

 

 

publicado por Maria Brojo às 06:51
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (6) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds