Quinta-feira, 26 de Maio de 2011

RASTEIROS, RASCAS, RANÇOSOS

Autor que não foi possível identificar

 

Sobre a influência da meteorologia no psiquismo humano coexistem os saberes tradicionais: o empírico e o científico. Do primeiro, damos conta sem grandes cogitações – alegria maior se o sol é esplendor, nostalgia, semblante meditabundo havendo tecto cinza pelas nuvens coladas. Do segundo, tratam investigadores cujas conclusões vêm à tona dos dias e condizem, parcialmente, com o senso comum.

 

Ora, campanhas eleitorais têm sobre o meu estar consequências semelhantes às experimentadas quando a atmosfera concentra vapor de água que ameaça, a qualquer instante, desabar sob forma líquida. Durante um par de semanas, as tormentas «campanheiras» sucedem-se e entram cabeça dentro. Concentram o já sabido, normalmente disseminado ao longo do ano, nas andanças da governação e das oposições: políticos rasteiros, estratégias rascas, discursos rançosos.

 

Os políticos não são subespécie dos humanos: pensam, sentem como qualquer outro. Estão mais expostos e congregam julgamentos de todos, difamações incluídas. Todavia, o exercício do poder e dos «poderzinhos» é viciador. A muitos perverte. Na maioria, comportam-se como pilotos dum avião que a metros e metros de altura tem invariavelmente sol glorioso, ainda que os concidadãos estejam abafados por tectos de nuvens pingonas. Porém, bastar-lhes-ia diminuir a altitude do voo para que a realidade fosse perceptível e os interpelasse. Poucos o fazem. A estes rendo homenagem.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 07:58
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
Quarta-feira, 16 de Setembro de 2009

O “PAULINHO DAS FEIRAS”

Alberto Herrera Arana

 

Designação pejorativa a remeter para a opção pelas feiras onde também faz campanha. Paulo Portas distinto de quase todos os outros candidatos que centram a propaganda eleitoral em comícios, almoços e jantares. Alguns, poucos, cedem a arruadas. Bem acompanhados pelas juventudes partidárias e figuras nobres e/ou locais da política. Reduzido ao mínimo o confronto popular. Porque é intempestivo, por incluir beijocas e apertos de mão e impropérios e queixas e, quiçá, encontrões ou atitudes mais agressivas. Depois, falar com a verdade do povo não é fácil. Atemoriza quem prefere pedestais e carrões.

 

Não subscrevo a demagogia dos candidatos, de Paulo Portas em particular. Aprovo o facto de procurar feirantes e lugares onde encontra humildes não orquestrados. É importante que o povo conheça de viva voz e pela presença aqueles que podem vir a governá-los. Que perguntem, que sejam politicamente incorrectos, que satisfaçam dúvidas sem maquilhagens de estúdio ou palcos/cenários. Não reúnem condições para pagantes ou convidados, com mesa e cadeira à espera, nos comícios que envolvem sopa e prato raso.

 

O saber estar com todos os portugueses também define o carácter de um político. Saber ouvir. Saber utilizar linguagem simples para esclarecer importâncias necessárias a qualquer. Sem guião, sem assessores a soprarem ao ouvido respostas exemplares. Sem anjos da guarda a comandarem atitudes. 

 

CAFÉ DA MANHÃ


Deolinda - Fado Toninho

 

 

publicado por Maria Brojo às 06:25
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (13) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds