Terça-feira, 25 de Novembro de 2014

HORA DE PONTA

 

Tamara Donahoe

 

Final de dia. Regresso a casa. A cidade entupida, os acessos às periferias vazam pelas bordas. Nos automóveis, a impaciência do condutor soma-se ao cansaço do trabalho, à pesporrência do chefe, ao desconsolo do salário congelado ou demasiado frio para permitir o direito à alma de se aquecer num sonho. Em casa, esperam os miúdos inquietos. Exigem atenção, cumprimento dos rituais, reclamam ténis novos, aulas de um desporto esquisito ou chinesice do consumo. Do parceiro(a) o olhar é baço e sem vestígio de aconchego. Dia igual ao de ontem, igual à previsibilidade do amanhã. Dias em carreira. A submissão a remoer por dentro, o incómodo crescente, silêncio por desabafo.

 

 

O detrás apita e faz manobra louca e irrita e consome a última fatia de calma e solta a tampa que comprimia pico de fúria e desilusão. Esvaiu o resto da energia na injúria ao desaforo sofrido. Da náusea, destilou a certeza de a vida urbana ser potencial assassina do conforto da esperança. O pavão surgiu na via lateral do Campo Grande. Leque armado e vagar na passada. Olhar fixo no verde em frente. Ficaram imobilizados veículos e condutores. E o pavão subiu com majestade o passeio. Em silêncio, arrastou a hora de ponta da cidade e desapareceu no jardim. O silêncio com ele.

 

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 08:45
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
Sábado, 25 de Janeiro de 2014

64 METROS ACIMA

 

 

   

Carolee Clark – Fashion on Sale                                                      Carolee Clark – Dress Fancy

 

Balanço: animação, multidão, segregação social aqui e ali, estrangeiros como moscas em pote de mel. Manifestações étnicas nem uma!

 

Fazia ideia mínima daquilo a que ia. Mencionaram noite das etnias, espectáculos de rua, do Marquês para baixo portas de capelas de moda abertas até à meia-noite. E fui, curiosa por saber o como da ‘coisa’. Entre o levo automóvel, não levo, o vou de metro e regresso de táxi, ida e vinda com chofer pago ao minuto e ao quilómetro, optei pela hipótese última. Má decisão! Avenida da República empanturrada desde início; no Saldanha um inferno de latas, o mesmo na Avenida dita da Liberdade que era prisão para milhares de automobilistas. Pasmava eu e o motorista, ambos conjecturando razões para tal ajuntamento – a nenhum dos dois passou pela leda cabecinha que o programado pela autarquia tivesse repercussão assim. “Marinheiros de primeira viagem” de acordo com a lenda, fomos presas fáceis das sereias que antes do S. Jorge já se mostravam. Decidido fazer a pé o resto do percurso, doeu-me deixar o senhor enfiado no seu táxi, sem cliente dentro ou à vista, mergulhado naquela assombração.

 

A ignorância motiva admirações ridículas. Foi o caso. Porque imperava o sexo feminino como se os homens considerassem o evento bruxaria, as senhoras enfeitadas para festa de truz luziam strass nas malas, nas minifaldas, nos sapatos com saltos «himalaicos», noutros adornos. À porta das clínicas da moda, meninas imensas em altura total e de pernas sedutoras eram chamariz _ Se fora é assim, imagine o dentro! Dentro era o espumante e vinhos e cocktails e presentes simbólicos. Um destes consistiu numa pen que permite aceder ao último grito da marca. Rosnei em silêncio: _ E se fosses à cata de pinhas para acender no Inverno a lareira?

 

Mulheres de todas as idades entravam naquela dos 20% de desconto permitirem compra de luxo por menos euros. Cedo desistiam: de que valia o abatimento num par de sapatos de 650 euros? Bobones & Lilies alçavam a perna abraçando mocetões sem defeito à vista para fotógrafos bajuladores captarem o momento. Certo é que sem olharem o custo duma peça, diziam: _ “É linda! Ó Paula, reserve-ma.” Duvidei que o propósito tenha sido compra, mas sim empréstimo para embasbacar incautos numa festa.

 

No Chiado e no Camões a gentiaga aumentou. Romper, flûte na mão, a mole humana exigia habilidade e determinação. Gritavam animadores de rua, música ou o que dela fazia vezes. Pessoal muito alegre, sorridente, subia e descia o Bairro Alto. Não fora comiscar umas tapas e fornecer descanso aos pés e jazz em forro da noite cálida e o diálogo que entre muito amigas sempre apetece, soçobraria. Assim não. Já de volta, no táxi, entretive-me a ler altitudes no GPS pespegado nas costas do assento do pendura. Vi que o cimo da Rua do Alecrim está a 64 metros acima do nível médio do mar, o final da Rua da Misericórdia e começo da de S. Mamede a 86, da Politécnica para o Rato baixa até 79, continua a descer até à Avenida para atingir 120 no final do Campo Grande. Habito 130 metros acima das águas marítimas. Neste tempo de excessos meteorológicos que zangam oceanos, bem bom!

 

CAFÉ MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:06
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds