Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2012

AO DESAFIO DONTEM, RESPOSTA

 

Daniel Del Orfano                                                                                                             Franz Richard Unterberger

 

"Em Veneza - assim sentiram os meus olhos" (História 1)

 

"Foi em Novembro que nos conhecemos.

Emília descia as escadas de San Giorgio Maggiore onde conflui o movimento dos que atravessam o Canal Grande para a Piazzetta San Marco. Sem lhe ver o rosto, coberto pelo guarda-chuva escarlate, cobicei os joelhos nus, magros e ossudos, como peças móveis de uma silhueta franzina, unindo como rótulas a gabardina às botas pretas.

 -Prego signorina.

Emília agradeceu com o olhar o gesto de amparo no antebraço ao entrar na lancha agitada pela calema de uma manhã chuvosa do Adriático.

- Una piccola domanda; non sai che fare; non c'e` niente che io possa fare se ne e` andato via da qui à S. Maria Formosa.

- Si, certo, lei, compagno io.

A voz dela era forte e rouca mas em tom suave e meigo como murmúrio de riacho.

Aqui e ali reverberavam nas poças de água as descargas dos algerozes do Museu Correr.

A meio da longa arcada que circunda a praça, Emília divisou a única mesa livre que se apressou a tomar, dois dedos no ar, a indicar o número de capuchinos.

Fazer fé na reserva metálica da paixão que em semelhantes circunstâncias paralisa todas  as capacidades apreciativas e provoca a admiração exclusiva da pessoa amada, era apelo irresistível. Porém, Emília era casada. Disse-mo a aliança resplandecente qual ave que quebra o silêncio com o seu grito.

Quando saímos, não dei pela falta do guarda-chuva. É mais o tempo que passamos ao serviço do guarda-chuva do que ele ao nosso. Não lamentava tê-lo deixado no bengaleiro do Caffé Florian; segurei, por isso, o dela para que me desse o braço.

No pedaço de céu retangular sobre as fachadas de ocre molhado, a chuva tinha-se distraído e um arco-íris espreguiçava-se em lenta curvatura.

Emília sorria, enigmática, na maquilhagem de paleta renascentista."

 

Texto escrito por JG a quem agradeço a qualidade e a prontidão na resposta.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Pinturas de Franz Richard Unterberger (1838 - 1902)

 

publicado por Maria Brojo às 06:59
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 29 de Novembro de 2012

ACREDITE SE QUISER

 

Malhoa

 

“Um ex-pastor protestante holandês criou na internet uma sex shop para cristãos. Segundo a agência «EFE», esta que pretende ser uma iniciativa pioneira na Europa. Foca o «erotismo sem pornografia» a partir de um ponto de vista «religioso».

A inovadora loja virtual é uma ideia do ex-pastor Marc Angenent, que passou dos sermões às fantasias eróticas, e vende desde preservativos a produtos para melhorar a ereção e mesmo insinuantes vibradores.

«O amor o erotismo e o sexo foram criados por Deus e oferecidos às pessoas, por isso devemos dar-lhes um lugar importante nas nossas vidas», informa mensagem no site da sex shop cristã, batizada «O Jardim do Amor». (www.liefdestuin.nl).

O ex-pastor explica que os compradores podem ver os produtos «sem se confrontarem com imagens pornográficas, fotos de pessoas nuas ou uma linguagem agressiva e vulgar».”

 

Estando próximo o Natal, não fora a ausência de pilim e as encomendas nada católicas seriam mais que pipocas nos cinemas.

 

No lugar onde isto li, e já lá vai meio ano que o anotei pela graçola de truz, constam ainda “temas relacionados”:

- um parque de estacionamento só para fazer sexo (devem estar caríssimos motéis destinados; automóvel isolado com par quente no interior é perigo assente/deitado);

- assalta sex shop para roubar boneca insuflável (para o ladrão, o artefacto deve ser mais precioso que alimento a sério para a boca);

- peça à peça, saiba como fazer uma boneca insuflável (o caseiro nem sempre é bom, mas entretém ócios e desesperos. Boa ideia é reunir a pequenada para pintarem a boneca – divertido momento familiar);

- nem o sexo escapa à crise (enquanto é feito o feito, «têvês» e luzes desligadas, baixam a conta da EDP).

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

Chanson de Jacques Plante et Charles Aznavour, dans la voix de la divine Juliette Greco.

 

"Je vous parle d'un temps
Que les moins de vingt ans
Ne peuvent pas connaître
Montmartre en ce temps-là
Accrochait ses lilas
Jusque sous nos fenêtres
Et si l'humble garni
Qui nous servait de nid
Ne payait pas de mine
C'est là qu'on s'est connu
Moi qui criait famine
Et toi qui posais nue

La bohème, la bohème
Ça voulait dire on est heureux
La bohème, la bohème
Nous ne mangions qu'un jour sur deux

Dans les cafés voisins
Nous étions quelques-uns
Qui attendions la gloire
Et bien que miséreux
Avec le ventre creux
Nous ne cessions d'y croire
Et quand quelque bistrô
Contre un bon repas chaud
Nous prenait une toile
Nous récitions des vers
Groupés autour du poêle
En oubliant l'hiver

La bohème, la bohème
Ça voulait dire tu es jolie
La bohème, la bohème
Et nous avions tous du génie

Souvent il m'arrivait
Devant mon chevalet
De passer des nuits blanches
Retouchant le dessin
De la ligne d'un sein
Du galbe d'une hanche
Et ce n'est qu'au matin
Qu'on s'assayait enfin
Devant un café-crème
Epuisés, mais ravis
Fallait-il que l'on s'aime
Et qu'on aime la vie!

La bohème, la bohème
Ça voulait dire on a vingt ans
La bohème, la bohème
Et nous vivions de l'air du temps

Quand au hasard des jours
Je m'en vais faire un tour
A mon ancienne adresse
Je ne reconnais plus
Ni les murs, ni les rues
Qui ont vu ma jeunesse
En haut d'un escalier
Je cherche l'atelier
Dont plus rien ne subsiste
Dans son nouveau décor
Montmartre semble triste
Et les lilas sont morts

La bohème, la bohème
On était jeunes, on était fous
La bohème, la bohème
Ça ne veut plus rien dire du tout...!"

 

publicado por Maria Brojo às 08:34
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
Quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2012

À SOLTA

 

 

António Costa Santos:

_  Pensamento do Dia à Relvas – A culpa desta vaga do frio é do aquecimento global.

_ ÚLTIMA HORA – António Barreto e Medina Carreira acusam de plágio produtores de “Os Marretas” e apelam ao boicote do filme.

_ O Prado acabou de restaurar a primeira cópia de Mona Lisa, feita ainda na oficina de mestre Leonardo. Separadas a primeira cópia de Mona Lisa, feita ainda na oficina de mestre Leonardo. Separadas à nascença, as Giocondas encontrar-se-ão na oficina de mestre Leonardo, no Louvre. A gémea, agora livre de tintas escuras e vernizes, tem sobrancelhas e é mais cheiinha. Também parece mais nova e rosada, mas isso é porque a de Paris não aguenta mais operações estéticas.

 

Rita Barata Silverio:_ Já contei no twitter que deveria ser anticonstitucional, ilegal, anti-ético e anti-estéstico que me obriguem a sair de casa para trabalhar com este frio. E não gosto de me repetir.

 

Pedro Rolo Duarte: _ Tropecei agora mesmo nesta frase de Stendhal: “O amor é o milagre da civilização.” E pensei: olhando à volta, e vendo o que vai por aí, parece realmente milagre… Já “isto” ser uma civilização, são outros quinhentos... 

 

Telmo Vaz Pereira:_ Quando falo sobre o famigerado governo angolano e a sua corrupção desenfreada e desavergonhada, que tem como principais vítimas os próprios angolanos, há sempre alguém que me acusa de racismo. Quando me refiro aos modos de agir da elite económica angolana, cuja ascensão se deve ao roubo e à corrupção, sou xenófobo.

_ PAGUEM E NÃO BUFEM - O Estado já perdeu cinco acções movidas por professores sem contrato e, em consequência, poderá ter de indemnizar mais de 20 mil docentes nesta situação.

 

Sofia Vieira: _ (note to psi) acordar de um pesadelo em que estava perdida numa espécie de cidade onde tudo pertencia ao nouveaux riche do meu ex, com discotecas, supermercados, uma frota de carros antigos com oficina, uma casa de biliões, you name it (este vai dar trabalho…)

 

Daniel Luís: _ O motorista do Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, tem um contrato que prevê o pagamento de 73 mil euros numa prazo de três anos, ou seja, mais de 2 mil euros por mês. É desta austeridade que tanto falam e apregoam Passos Coelho e Vítor Gaspar?

 

Sérgio Correia: _ Pelo menos 219 dos cerca de 350 passageiros do navio que naufragou ao largo da Papua Nova Guiné foram resgatados. Maioria das pessoas a bordo, eram estudantes e professores estagiários.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 13:49
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 4 de Fevereiro de 2010

MISTÉRIOS DA PRAÇA DE ESPANHA


Ernâni Oliveira – colecção particular


Este lugar ameaça ser, já é?, lugar para meditações superficiais e requentadas sobre o corrido no país e no mundo pequeno que a Teresa C. abrange com ler/ouvir. O ver é diferente: na cidade, travessa e atravessada, regista detalhes grados e miúdos. Aparentes, estes, por ocultarem, mostrando, vidas trágicas ou (des)esperançadas de “gente como nós”.

 

Pelas duas horas após dia meado, deambula na Praça de Espanha. Ao longe e na vez primeira, figura esborratada; braço ao alto. Exibia objecto. No perto, idoso. Samarra coçada. Gola de raposa há muito desfeita em pó na terra. O braço levantado segurava, na mão, saco de plástico contendo meia dúzia de ‘línguas-da-sogra’. Não requeria esmola. Vender, barato, bem que a saudosos das praias d’antanho satisfizesse. Como ele. Origem minhota ou «terreola» do Litoral Norte, suposição. Rosto vincado. Postura digna. Conjecturas outras: transplantado da terra original para meio urbano por conta de filhos entregues ao ganha-pão; reforma pequena.

 

De novo, Praça de Espanha. Sete e quarenta de manhãs mal nascidas. Candeeiros escorrendo luzes no quase desfeito breu. Cinza negro, o carro. Pequeno. Velhice conservada. O relógio pode acertar-se pelo piscar á direita. Fim: estacionamento de terra batida atrás da Comuna. Um minuto de atraso e não se dará pela vida condutora. De onde virá? Acordada desde as seis? Ramerrame quotidiano serra de ilusões (al)quebradas? Entusiasmo por trabalho novo e pontualidade como traço gravado na matriz/personalidade?

 

A Praça de Espanha, tantos sítios mais!, mostra realidades mais ricas que as sustentadas por telas e pincéis. Redutora: o Ernâni Oliveira retrata-as como ninguém.

 

Atentar no folhetim Crespo, isso sim, é falta de assunto. Por hoje, evitei a tentação.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 06:11
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (12) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds