Terça-feira, 15 de Março de 2011

ALANVANQUEMOS, ENTÃO!

 

Mario Mariotti

 

Alavancar. Alavanca-se tudo e nada – a economia, o sistema financeiro, a cidadania, a poupança, o arrojo empresarial. Termo/moda em esperantos novos. Ida a época do ‘na medida em que’, a do ‘ruído social’ inaugurada por Jorge Sampaio, a do ‘paletes’, do ‘vai lá, vai’, do ‘bazar’ - as três últimas no linguajar que aportuguesa expressões da estranja, arremeda anúncios, momentos de «têvês». Hoje, é o tempo de alavancar sem alavancas interpotentes, inter-fixas, ou inter-resistentes. Presumo os «alavancadores» fartos de 'incentivar' ou de 'fomentar'. Deduzo fazerem ideia limitada do que seja uma alavanca e na categoria consagrem, sendo optimista, apenas o pé-de-cabra ou a pinça ou a tesoura – pranto dúvidas que delas conheçam, em detalhe, a ciência da função. Do Arquimedes devem ter ideia dum «gajo» redundante que estabeleceu o princípio de que um objecto mergulhado em água vai ao fundo. "Dêem-me uma alavanca e um ponto de apoio e levantarei o mundo penso remeterem para o FMI ou para Angela Merkel.

 

Quando os ilustres que por tal se tomam ou são tomados, vêem banalizada a pretensa originalidade introduzida no discurso e julgam sua ou, no mínimo, à la page, a modernice, alteram-na copiando outra para, depois, serem copiados. «Impantes», presumem-se referências. Uns tristes a necessitarem de nadas que lhes confiram diferença superlativa.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 06:21
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (6) | favorito
Terça-feira, 26 de Outubro de 2010

PILHÉRIAS ALHEIAS

John Rogers Cox, Colleen Ross

 

Gosta da pilhéria. Do exagero. Do não sistemático como prova do ‘eu existo’. Reparte-se entre o «está-a-dar» e a originalidade. Na obediência aos lugares-comuns, almeja graça. Segue caricatura de Miguel Sousa Tavares anterior às Scuts pagas.

 

“Segunda-feira passada, a meio da tarde, faço a A-6, em direcção a Espanha e na companhia de uma amiga estrangeira; quarta-feira de manhã, refaço o mesmo percurso, em sentido inverso, rumo a Lisboa. Tanto para lá como para cá, é uma auto-estrada luxuosa e fantasma. Em contrapartida, numa breve incursão pela estrada nacional, entre Arraiolos e Borba, vamos encontrar um trânsito cerrado, composto esmagadoramente por camiões de mercadorias espanhóis. Vinda de um país onde as auto-estradas estão sempre cheias, ela está espantada com o que vê:

- É sempre assim, esta auto-estrada?

- Assim, como?

- Deserta, magnífica, sem trânsito?

- É, é sempre assim.

- Todos os dias?

- Todos, menos ao domingo, que sempre tem mais gente.

- Mas, se não há trânsito, porque a fizeram?

- Porque havia dinheiro para gastar dos Fundos Europeus, e porque diziam que o desenvolvimento era isto.

- E têm mais auto-estradas destas?

- Várias e ainda temos outras em construção: só de Lisboa para o Porto, vamos ficar com três. Entre S. Paulo e o Rio de Janeiro, por exemplo, não há nenhuma: só uns quilómetros à saída de S. Paulo e outros à chegada ao Rio. Nós vamos ter três entre o Porto e Lisboa: é a aposta no automóvel, na poupança de energia, nos acordos de Quioto, etc. - respondi, rindo-me.

- E, já agora, porque é que a auto-estrada está deserta e a estrada nacional está cheia de camiões?

- Porque assim não pagam portagem.

- E porque são quase todos espanhóis?

- Vêm trazer-nos comida.

- Mas vocês não têm agricultura?

- Não: a Europa paga-nos para não ter. E os nossos agricultores dizem que produzir não é rentável.

- Mas para os espanhóis é?

- Pelos vistos...

Ela ficou a pensar um pouco e voltou à carga:

- Mas porque não investem antes no comboio?

- Investimos, mas não resultou.

- Não resultou, como?

- Houve aí uns experts que gastaram uma fortuna a modernizar a linha Lisboa-Porto, com comboios pendulares e tudo, mas não resultou.

- Mas porquê?

- Olha, é assim: a maior parte do tempo, o comboio não 'pendula'; e, quando 'pendula', enjoa de morte. Não há sinal de telemóvel nem Internet, não há restaurante, há apenas um bar infecto e, de facto, o único sinal de 'modernidade' foi proibirem de fumar em qualquer espaço do comboio. Por isso, as pessoas preferem ir de carro e a companhia ferroviária do Estado perde centenas de milhões todos os anos.

- E gastaram nisso uma fortuna?

- Gastámos. E a única coisa que se conseguiu foi tirar 25 minutos às três horas e meia que demorava a viagem há cinquenta anos...

- Estás a brincar comigo!

- Não, estou a falar a sério!

- E o que fizeram a esses incompetentes?

- Nada. Ou melhor, agora vão dar-lhes uma nova oportunidade, que é encherem o país de TGV: Porto-Lisboa, Porto-Vigo, Madrid-Lisboa... e ainda há umas ameaças de fazerem outro no Algarve e outro no Centro.

- Mas que tamanho tem Portugal, de cima a baixo?

- Do ponto mais a norte ao ponto mais a sul, 561 km.

Ela ficou a olhar para mim, sem saber se era para acreditar ou não.

- Mas, ao menos, o TGV vai directo de Lisboa ao Porto?

- Não, pára em várias estações: de cima para baixo e se a memória não me falha, pára em Aveiro, para os compensar por não arrancarmos já com o TGV deles para Salamanca; depois, pára em Coimbra para não ofender o prof. Vital Moreira, que é muito importante lá; a seguir, pára numa aldeia chamada Ota, para os compensar por não terem feito lá o novo aeroporto de Lisboa; depois, pára em Alcochete, a sul de Lisboa, onde ficará o futuro aeroporto; e, finalmente, pára em Lisboa, em duas estações.

- Como: então o TGV vem do Norte, ultrapassa Lisboa pelo sul, e depois volta para trás e entra em Lisboa?

- Isso mesmo.

- E como entra em Lisboa?

- Por uma nova ponte que vão fazer.

- Uma ponte ferroviária?

- E rodoviária também: vai trazer mais uns vinte ou trinta mil carros todos os dias para Lisboa.

- Mas isso é o caos, Lisboa já está congestionada de carros!

- Pois é.

- E, então?

- Então, nada. São os especialistas que decidiram assim.

Ela ficou pensativa outra vez. Manifestamente, o assunto estava a fasciná-la.

- E, desculpa lá, esse TGV para Madrid vai ter passageiros? Se a auto-estrada está deserta...

- Não, não vai ter.

- Não vai? Então, vai ser uma ruína!

- Não, é preciso distinguir: para as empresas que o vão construir e para os bancos que o vão capitalizar, vai ser um negócio fantástico! A exploração é que vai ser uma ruína - aliás, já admitida pelo Governo - porque, de facto, nem os especialistas conseguem encontrar passageiros que cheguem para o justificar.

- E quem paga os prejuízos da exploração: as empresas construtoras?

- Naaaão! Quem paga são os contribuintes! Aqui a regra é essa!

- E vocês não despedem o Governo?

- Talvez, mas não serve de muito: quem assinou os acordos para o TGV com Espanha foi a oposição, quando era governo...

- Que país o vosso! Mas qual é o argumento dos governos para fazerem um TGV que já sabem que vai perder dinheiro?

- Dizem que não podemos ficar fora da Rede Europeia de Alta Velocidade.

- O que é isso? Ir em TGV de Lisboa a Helsínquia?

- A Helsínquia, não, porque os países escandinavos não têm TGV.

- Como? Então, os países mais evoluídos da Europa não têm TGV e vocês têm de ter?

- É, dizem que assim entramos mais depressa na modernidade.

Fizemos mais uns quilómetros de deserto rodoviário de luxo, até que ela pareceu lembrar-se de qualquer coisa que tinha ficado para trás:

- E esse novo aeroporto de que falaste, é o quê?

- O novo aeroporto internacional de Lisboa, do lado de lá do rio e a uns 50 quilómetros de Lisboa.

- Mas vocês vão fechar este aeroporto que é um luxo, quase no centro da cidade, e fazer um novo?

- É isso mesmo. Dizem que este está saturado.

- Não me pareceu nada...

- Porque não está: cada vez tem menos voos e só este ano a TAP vai cancelar cerca de 20.000. O que está a crescer são os voos das low-cost, que, aliás, estão a liquidar a TAP.

- Mas, então, porque não fazem como se faz em todo o lado, que é deixar as companhias de linha no aeroporto principal e chutar as low-cost para um pequeno aeroporto de periferia? Não têm nenhum disponível?

- Temos vários. Mas os especialistas dizem que o novo aeroporto vai ser um hub ibérico, fazendo a trasfega de todos os voos da América do Sul para a Europa: um sucesso garantido.

- E tu acreditas nisso?

- Eu acredito em tudo e não acredito em nada. Olha ali ao fundo: sabes o que é aquilo?

- Um lago enorme! Extraordinário!

- Não: é a barragem de Alqueva, a maior da Europa.

- Ena! Deve produzir energia para meio país!

- Praticamente zero.

- A sério? Mas, ao menos, não vos faltará água para beber!

- A água não é potável: já vem contaminada de Espanha.

- Já não sei se estás a gozar comigo ou não, mas, se não serve para beber, serve para regar - ou nem isso?

- Servir, serve, mas vai demorar vinte ou mais anos até instalarem o perímetro de rega, porque, como te disse, aqui acredita-se que a agricultura não tem futuro: antes, porque não havia água; agora, porque há água a mais.

- Estás a dizer-me que fizeram a maior barragem da Europa e não serve para nada?

- Vai servir para regar campos de golfe e urbanizações turísticas, que é o que nós fazemos mais e melhor.

Apesar do sol de frente, impiedoso, ela tirou os óculos escuros e virou-se para me olhar bem de frente:

- Desculpa lá a última pergunta: vocês são doidos ou são ricos?

- Antes, éramos só doidos e fizemos algumas coisas notáveis por esse mundo fora; depois, disseram-nos que afinal éramos ricos e desatámos a fazer todas as asneiras possíveis cá dentro; em breve, voltaremos a ser pobres e enlouqueceremos de vez.

Ela voltou a colocar os óculos de sol e a recostar-se para trás no assento. E suspirou:

- Bem, uma coisa posso dizer: há poucos países tão agradáveis para viajar como Portugal! Olha-me só para esta auto-estrada sem ninguém!”

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 06:19
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (53) | favorito
Domingo, 24 de Janeiro de 2010

NA FÍMBRIA, “EL DORADO”


Huang Zeng Yan


Acorda. Na obscuridade, luz invisível revela o conhecido. Novo pelo despertar. Como se fora estranho pelo sono e o antes dele. Pestanejar vigia o relógio. Esquece. Ronrona no quente benfazejo. Tempo ainda de sonhar. El Dorado perdido na fímbria da vigília doce. Pelo serão, pelos dias completados em clima de fim-de-semana. A madrugadora recolhida no calor que deseja e contribui para a dose de felicidade que necessita para ser quem é. E é. Feliz. Às vezes. Muitas. Algumas. Poucas se o blue empardece, raramente, o mood/modo/estar.

 

Na casa dormida, evita movimentos bruscos. A fantasia arrebata-a como “The Lost City of Z” -  El Dorado, a capital  de tesouros ocultos na Amazónia. Entre eles, espécies julgadas extintas que ali sobreviveriam. Lenda, talvez. Ou livro: "O Mundo Perdido", de Conan Doyle.

 

Suave, muda de posição. Encolhe uma perna sobre a estendida. Enfia a mão sob a almofada. Ajeita a cabeça. Semi-dobrada, a macieza dos lençóis e da véspera presente transporta-a para «estórias». A do bandeirante português que, em 1753, após sair do interior da floresta amazónica, jurou ter visto do cume duma montanha ruínas de civilização antiga. De tal dimensão e majestade, deduziu, somente pertença de cidade populosa e opulenta. Localizada pelo Google Earth em regiões desflorestadas da Amazónia e no tempo: de 2 a.C. a 13 d.C.

 

Talvez a Cidade Z nunca tenha existido. Mas a mulher é. Sente e inspira pertença. El Dorado que, em cascata, lhe acaricia a pele e faz tremer.
 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 11:12
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (10) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds