Sexta-feira, 20 de Dezembro de 2013

FUMO BRANCO SAIU DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL

  

João Manta

 

Era esperada. Mas, como em qualquer espera, um lastro de inquietude perpassava nos espíritos. Tinha o nome que soe nestas ocasiões: medo. As janelas do ser postas no Tribunal Constitucional, no fumo branco ou negro que, ontem, sairia da chaminé deste órgão sobre a convergência de pensões entre o setor público e privado. Sendo branco como foi, a salvo pensionistas do regime público. Sendo negro, menos impostos para todos os portugueses que mal respiram neste horizonte fiscal já de si asfixiante.

 

Aos olhos do vulgo, que viesse o Diabo e escolhesse. Para os pensionistas, a necessidade do chumbo constitucional. De facto, acederam a serem esmifrados toda a vida de parte importante do salário com o objetivo de velhice digna. Tomaram decisões de acordo com o princípio estabelecido. Fundamento: confiança nessa entidade enevoada chamada Estado. Até aqui, de pouco lhes valeu pelos sucessivos cortes nas pensões de reforma. À injustiça que mês após mês os vitimava, acresceu mudança na realidade social dum povo que já não obedece à maledicência da definição que dele era feita: “não se governa nem se deixa governar”. A não esquecer que o descalabro das finanças nas últimas décadas, agravada em anos recentes, conduziu a esta profunda crise doméstica, aumentou o desemprego, tornou difícil a inserção dos jovens no mercado de trabalho. Neste contexto, muito idosos abrigam e alimentam filhos sem trabalho e, por isso, obrigados a desfazerem-se das habitações, auxiliam na subsistência dos netos. Seja então configurado o amanhã destas famílias com o diploma do governo aprovado – “corte de dez por cento nas pensões de reforma, aposentação e invalidez e pensões de sobrevivência da Função Pública acima dos 600 euros.”

 

O Tribunal Constitucional ao reprovar unanimemente o diploma do regime, ao argumentar com a «violação do princípio da proteção de confiança» decorrente do Estado de Direito, forneceu esperança aos portugueses. Por terra, a ideia do Presidente da República, Cavaco Silva, deste corte proposto ser apenas «imposto especial». Escandaloso modo de lidar com o problema.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:51
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 12 de Março de 2011

NA CORDA BAMBA

Katherine Doyle

 

Empurrar para a rua este povo adormecido – objectivo do "Protesto Geração à Rasca". E o povo desabituado de em conjunto, sem patronos sindicais ou políticos, contestar o feito e reclamar gestão eficaz do país para salvaguarda dos direitos de todos, tem hoje a possibilidade de iniciar viragem na história portuguesa. Curiosamente, ou não porque ser jovem obriga a ideais e sonhos a cumprir, é a geração Rasca que, anos passados do rótulo, toma nas mãos ligadas a teclas a responsabilidade de acordar portugueses de todas as faixas etárias da letargia que os tem embalado. Salvé!

 

Do ser jovem, tempo não muito atrasado, fazia parte  “Nuclear? Não, obrigado!” Progredindo a ciência e as vontades, o papão radioactivo controlado(?) pelo homem largou parte do sentido – as carências energéticas devidas ao consumo desenfreado dos combustíveis fósseis, os respectivos custos e a degradação ambiental conduziram ao “Nuclear? Talvez!”

 

A tragédia sísmica no Japão lembra que a produção de energia com origem radioactiva tem perigos ainda não passíveis de serem eliminados no actual estado dos conhecimentos. Parte dos muros e do tecto da central que explodiu e a cujo tempo de vida útil faltava uma década, conduziu a evacuação num raio de segurança de 10km. Mas ao nuclear haverá alternativa, sendo incipientes as formas de generalizar energias obtidas por outras vias? Ensinamentos outros o mundo teve: técnicas de construção apuradas que resistem às tremuras febris da Terra, abrigos protectores disseminados nas cidades, pedagogia efectiva das atitudes quando o chão é corda bamba.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:50
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (18) | favorito
Domingo, 25 de Abril de 2010

MÁQUINA DO TEMPO

João Abel Manta

 

João Abel Manta e autores desconhecidos

 

publicado por Maria Brojo às 09:44
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (3) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds