Segunda-feira, 31 de Outubro de 2011

“NÃO VENHAS TARDE!”

T J Verschaeren, Enzia Farrell

 

"Não venhas tarde!",
Dizes-me tu com carinho,
Sem nunca fazer alarde
Do que me pedes, baixinho

 

“Não venhas tarde” cantou Fernando Farinha, Carlos Ramos e outros. “Não venhas tarde Justiça!” diz o povo sem carinho, com alarde e brado.

 

"Não venhas tarde!",
E eu peço a deus que no fim
Teu coração ainda guarde
Um pouco de amor por mim.

 

Mas qual amor, qual respeito pode merecer a Justiça portuguesa que pela demora espezinha os cidadãos que dela carecem?

Tu sabes bem
Que eu vou p'ra outra mulher,
Que ela me prende também,
Que eu só faço o que ela quer,
Tu estás sentindo
Que te minto e sou cobarde,
Mas sabes dizer, sorrindo,
"meu amor, não venhas tarde!"

 

E a Justiça, traidora, não pune crimes contra o país de presumidos culpados, figurões mandantes deste e doutro tempo, que serve com desvelo e salamaleques. Perante mentiras e cobardias o povo não sorri, sofre.

 

"Não venhas tarde!",
Dizes-me sem azedume,
Quando o teu coração arde
Na fogueira do ciúme.

 

Mas sim, há azedume nas gentes e, em vez de ciúme, desespero. Em carreira, dias sofridos não perdoam o descaro daqueles que levaram (levam?) à pobreza quem era remediado, à mais porca miséria os pobres.

  
"Não venhas tarde!",
Dizes-me tu da janela,
E eu venho sempre mais tarde,
Porque não sei fugir dela

Tu sabes bem

 

De cada janela, de cada porta saia a bem ou fugindo a indignação e faça alarido proporcional aos muitos anos injustos.

 

Sem alegria,
Eu confesso, tenho medo,
Que tu me digas um dia,
"meu amor, não venhas cedo!"

 

O cedo da Justiça e da equidade social não existe. Vozes lúcidas se ergue(ra)m prevendo levantamentos populares. Também para estes o cedo escoou-se.


Por ironia,
Pois nunca sei onde vais,
Que eu chegue cedo algum dia,
E seja tarde demais!

 

E sem ironia, olhares duros nas faces, sabemos por onde vais Justiça! Não te multipliques em códigos que para nada servem excepto para atafulhar «papelões» e endrominar inegáveis direitos dos cidadãos.

 

CAFÉ  DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 09:24
link | Veneno ou Açúcar? | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds