Sexta-feira, 26 de Dezembro de 2014

A 26 DE DEZEMBRO DE 2004

ng3806889.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Freiras passam por uma fogueira em Velankanni, no estado indiano de Tamil Nadu. Centenas de voluntários apressaram-se a prestar auxílio aos milhares de vítimas do tsunami (Reuters/Kamal Kishore)

 

 

 

“O tsunami de 2004 foi o maior desastre natural dos últimos cem anos, desde que há registos. Provocou pelo menos 230 mil mortos e 1,5 milhões de desalojados. A energia total libertada pelas ondas do tsunami foi equivalente a mais do dobro do total de explosivos usados na segunda guerra mundial, incluindo as duas bombas atómicas. A província indonésia de Aceh, na Indonésia, foi a mais afetada, mas a destruição atingiu também o Sri Lanka, a Índia e a Tailândia. Depois, o tsunami atravessou o Oceano Índico e chegou às zonas costeiras da África Oriental. O maremoto foi igualmente observado na África do Sul e produziu ainda pequenos tsunamis ao longo das costas ocidentais da América do Norte e do Sul.

 

 

 

O tsunami foi precedido de um terramoto com epicentro no mar, a 30 quilómetros de profundidade e a cerca de 160 quilómetros a oeste da ilha indonésia da Samatra. O sismo, com uma magnitude de 9.1 a 9.3 na escala Richter, foi o terceiro maior registado num sismógrafo e o mais longo - entre 8,3 a 10 minutos -, e deu origem a outros terramotos em locais tão distantes como o Alasca, nos Estados Unidos. A deslocação das placas tectónicas também alterou a rotação do planeta, tornando os dias mais pequenos em 6,8 microssegundos, modificou a posição do Polo Norte em 2,5 centímetros e tornou a Terra ligeiramente mais redonda.

 

 

 

Dez anos após o tsunami, o Sri Lanka é um país recuperado. A onda gigante que chegou no dia a seguir ao Natal matou perto de 40 mil pessoas. Dois dias depois de as águas terem tomado conta de tudo, chegava a Colombo a equipa da Assistência Médica Internacional liderada por Fernando Nobre. O médico sempre foi fascinado pelo país.

 

 

 

O primeiro encontro entre Fernando Nobre e o Sri Lanka aconteceu no pior dos cenários. Na ressaca do tsunami, mas como explica o médico da AMI «foi uma oportunidade de conhecer um país mítico para mim, por isso de imediato parti para lá». A fúria da natureza devastou a ilha no dia 26 de dezembro de 2004. Dois dias depois, Fernando Nobre já lá estava. Quando aterrou na capital, Colombo, não viu sinais de devastação, mas não precisou de andar muito para a realidade ser outra. «A 15 a 20 quilómetros a sul de Colombo fui de imediato confrontado com uma enorme devastação, porque havia muita construção precária ao longo da costa. Era um cenário de profunda devastação ainda com corpos visíveis, com estradas bloqueadas», recorda o responsável da AMI.

 

 

 

Na viagem até à localidade onde a equipa se instalou, no sul da ilha, Fernando Nobre viu uma paisagem e um povo sem chão e sem teto onde «as pessoas estavam completamente apáticas. Não olhavam. Estavam em choque profundo. Depois vi pessoas com olhares perdidos que ainda não tinham bem assimilado o que lhes tinha acontecido, porque muitos tinham perdido imensos familiares».

 

 

 

Fernando Nobre regressa ao país todos os anos. Uma década depois do tsunami, o que vê é um novo Sri Lanka porque o país «está completamente transformado. Em termos de hotelaria, porque é um destino turístico forte. Por outro lado há muitas autoestradas, o que não havia de todo». A missão da AMI no Sri Lanka não foi um ato isolado. Nasceu uma ligação de amizade e ajuda tornou-se permanente, Fernando Nobre explica que, nos últimos dez anos, a AMI já investiu neste país 2,4 milhões de euros em reconstrução de casa, na compra de bicicletas e barcos para ajudar a população a sobreviver».

 

 

 

Aparentemente tudo está ultrapassado. Apesar da memória afetiva que os habitantes do Sri Lanka guardam os olhares perdidos deram lugar a sorrisos.”

 

Nota – O texto e 15 imagens aqui.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 10:22
link | Veneno ou Açúcar? | favorito
Segunda-feira, 20 de Junho de 2011

À MODA DO CALIMERO

Autor que não foi possível identificar, Graham-McKean

 

Primeiro dia na Assembleia para muitos deputados. Dispostos a aprender os mistérios de leituras e falas novas, das contas de somar votos, entrarão empertigados e compostinhos na farda/’fato de ver a Deus’ como meninos de bibe que iniciam o pisar no átrio da escola.

 

Antes, como os infantes com bibe não entornem a sopa nos calções, foram amestrados para salamaleques que presumem costumados, e são. Dispostos a brilharetes que lhes garantam a cadeira por mais anos e bons, salto para voos impressivos, começam por améns ao líder parlamentar. Assim continuarão até a competência ou a lábia os impor junto dos pares. Talvez deixem de ser eleitos por muitos Alguidares-de-Cima e subam a candidatos europeus, ou à presidência de autarquias maiores, ou a estrelas políticas nas rádios e televisões. Com olho arregalado, absorvem cada gesto anódino dos veteranos que os inspiram. E ainda há quem duvide dos vários fazeres destes representantes do povo e lhes chamem madraços! “Uma injustiça é que o é” à moda do Calimero, o infeliz pinto negro enchapelado por casca de ovo.

 

No dia de hoje, novatos e sabidões de muitos anos têm prova dura: ouvir a consciência, o líder, ou seguir a cartilha e eleger Fernando Nobre como Presidente da Assembleia da República. Olha se dá o tanglomanglo ao Professor Cavaco! Que se cuide ou estamos metidos em alhada com funestos resultados.   

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 08:58
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (25) | favorito
Sábado, 20 de Fevereiro de 2010

NEM UM PARDAL!


Privedentsev Gennady

 

Sem partidos acólitos ou carreira política antecedente, não há presidência para ninguém, dizem. Afirmam prova os 7% dos votos da candidatura de Maria de Lourdes Pintassilgo entalada por dois tubarões: Freitas do Amaral e Mário Soares. Talvez. Mas é perigoso esquecer a fadiga dos cidadãos pelos atropelos à dignidade democrática da sociedade rotulada como civil. Nódoa atribuída a candidatos apartidários e sem caminho traçado nos ‘passos perdidos’: falta de experiência política. Apetece gargalhar após insulto burgesso e tamanho às capacidades dos cidadãos. Salvé o carimbo popular no atestado de incompetência passado a demasiados espantalhos no cultivo das governações. Nem um pardal afasta(ra)m, quanto mais bandos de parasitas!

 

A candidatura de Fernando Nobre mostra que a anemia da vontade de intervir dos portugueses começa a diluir-se. Glóbulos vermelhos frescos e por contaminar auguram navegação livre de falsas bússolas. Desejo generalizado: vassourar as moscas que nem voar alto conseguem e apenas rasam chão poeirento. Em decadência, a decência e outros valores morais. Lote de políticos e jornalistas e gentes incluídas no ‘deixa andar’ são alvo que merecem setas expeditas. Todos ganhamos com o anúncio no Padrão dos Descobrimentos.  

 

Meses pela frente, mais haverá para saber e decidir. Preocupação séria é o pesqueiro desaparecido ao largo de Peniche; para cima, o mar ainda não devolveu corpos que o lavraram.

 

Nota: a Felícia Cabrita é arrogante ou somente impressão minha?

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 11:05
link | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (8) | favorito

últ. comentários

Olá Tudo bem?Faço votos JS
Vim aqui só pra comentar que o cara da imagem pare...
Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds