Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2013

CONCHITA

 

Jack Vettriano

 

Na vida adulta de avoengos beirões e endinheirados, o pecado da luxúria falava espanhol. Melhor, encantava em espanhol, convencia por gemidos e obtinha através de beicinho e volúpia. Os casinos de Espinho, Póvoa de Varzim e da Figueira da Foz desfaziam fortunas em menos de Pai Nosso rezado com fervor e de joelhos pelas mães e «esposas» devotas e (des)enganadas frente a oratórios pejados de Santos e santinhos.

Os desvios do bom caminho de um ‘rapaz de família’ começavam nas repúblicas coimbrãs, aí prosseguiam até o enérgico «Basta!» do pai de família temendo exaurida a bolsa. Havia interlúdio no casamento, por amor ou «arranjado», que legitimava discretas e ocasionais derrapagens sendo preservada a ignorância da respetiva e ao jantar, servido a horas, ninguém faltasse. Um sossego!

Pelo fastio, a modorra instalava-se. Os negócios entediavam e os ímpetos da carne, outrora vigorosos, murchavam. Os parceiros de tertúlia afiançaram: _ “Do que precisas é ir à Conchita! Ficas outro!”

 

E ele ia. E ficava. E ganhava ânimo. Enrubescia as faces, o olhar coruscava, abria o riso e a vela dos negócios enfunava como se alísio soprasse. Tudo corria de feição até o homem transpor a corrente da lascívia e desaguar na paixão. Aí começava a pensar, gastar, comer e gemer em espanhol sob o imperioso domínio da horizontalidade das artes de nuestra hermana. A Conchita (...)

 

Nota: texto completo aqui.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

publicado por Maria Brojo às 10:32
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 23 de Agosto de 2011

CONTENÇAS, ABRUNHOSA, GOUVEIA

Robbie Bushe, Richard Whitney

 

Pela importância na produção de têxteis e agrícola da região, pela necessidade de a escoar, ficou completa a Linha Ferroviária da Beira-Alta que ligava Figueira da Foz a Vilar Formoso. Inaugurada no dia 3 de Agosto de 1882, distinguia apeadeiros de estações. A de Gouveia distava parcos quilómetros do centro urbano, cumpridos de táxi ou de camioneta em estrada sinuosa que dava voltas a estômagos por resistentes que fossem.

 

Terminado o último período escolar nos princípios de Junho, precedendo o tempo de praia, a pequenita ia de férias para casa dos avós, enquanto os pais, em Coimbra, aguardavam o descanso anual. Senhora amiga da família propôs-se acompanhar a garota e deixá-la no recato devido. Amorosamente, a mãe cuidara dos detalhes emalados: sandálias e vestidos novos para a filha, para as bonecas fatos à medida, seira que as acomodasse forrada a chita florida, folhos e laçarotes nas bordas. Um primor!

 

Passada a estação de Mangualde, o apeadeiro de Contenças, alguns passageiros recolhiam bagagens preparando saída em Gouveia. Ora, durante a viagem, cansada de olhar a corrida da paisagem, a miúda não resistira e, aquiescendo a acompanhante, retirou da mala, seira e bonecas para se entreter e satisfazer a vontade do novo estrear. Ansiosa por chegar, já em Contenças tentara industriar a senhora amiga para se aproximarem das portas. _ Que era cedo demais, que reuniria os pertences após Abrunhosa, estivesse descansada. Mas não estava. Insistiu. Foi-lhe cumprida a vontade - junto à saída, arrebanhadas malas. Na mão, seira e bonecas. Comboio em andamento, portas abertas, vento refrescante da montanha deslizando forte com a velocidade da composição fez voar os brinquedos. Lágrimas contidas por saber dela a pertença da culpa pela teimosia.

 

Chegada a Gouveia, os avós tristes com a mágoa da neta deram conhecimento ao chefe da estação. Mulher mandada percorrer a linha até encontrar o perdido. Encontrou e fez chegar à menina caixa com os mimos. Jamais esqueceu a Linha da Beira-Alta que, adolescente, percorreria vezes algumas, bonecas substituídas pelo Paris Match ou o Jours de France.

 

Até ao desactivar do envio de mercadorias por comboio a partir da estação de Gouveia, receberia na "Grande  Alface" sacos de batatas, cabazes com fruta colhida nas propriedades. Eram um pouco das raízes adquiridas pela tradição do nascimento em casa dos ancestrais que, etiquetadas com a letra bem conhecida, levantava em Lisboa–Estação de Benfica.

 

CAFÉ DA MANHÃ

 

 

publicado por Maria Brojo às 09:26
link do post | Veneno ou Açúcar? | ver comentários (1) | favorito

últ. comentários

Olá Teresa: Fico contente com a tua correção "frei...
jotaeme desculpa a correcção, mas o rei freirático...
Lembrai os filhos do FUHRER, QUE NASCIAM NOS COLEG...
Esta narrativa, de contornos reais ou ficionais, t...
Olá!Como vai?Já passaram uns meses... sem saber de...
continuo a espera de voltar a ler-te
decidi ontem voltar a ser blogger, decidi voltar a...
Autor que não foi possível identificar: Andrew Atr...
De férias , para sempre. Fechou a loja... :-(
Curta as férias querida...Beijos

Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquisa

links

arquivos

tags

todas as tags

subscrever feeds